“Lembrando-se do Sábado!”

Prólogo
Como guardadores do sétimo dia da semana, precisamos ter uma visão esclarecida sobre o que significa santificar o sábado. Os anjos caídos buscam incessantemente “cegar o entendimento” (II Coríntios 4:4) dos seres humanos, a respeito de todos os preceitos de Deus e em especial o sábado! “É da maior importância que seja exercida correta influência…, tanto por preceitos como pelo exemplo” [1]. Como adventistas, é imprescindível basearmos nossas vidas nas Sagradas Escrituras. Para tanto, necessito eu ser um cristão “que maneja bem a palavra da verdade” (II Timóteo 2:15). Ser um adventista do sétimo dia é ser um diligente estudante da Bíblia que, tanto quanto possível, compreende e pratica com iluminada veemência a guarda do sábado em seu preparo para a volta de Cristo! Objetivando admoestar à verdadeira santificação “do e no” sábado e visando a um despertar para o estudo da Bíblia (pois “ao ser a mente posta a pesquisar a Palavra de Deus, o intelecto se fortalecerá, e os mais elevados poderes da mente se desenvolverão para a compreensão das elevadas e enobrecedoras verdades”[2]), elaborei esta curta pesquisa única e estritamente fundamentado na Bíblia e no Espírito de Profecia, para todos os que desejam cumprir o “Ide” de nosso Senhor e anseiam o Seu iminente retorno. Que Deus o ilumine com a presença do amigo Espírito Santo em seu estudo! “Será por nós justiça, quando tivermos cuidado de cumprir todos estes mandamentos perante o Senhor, nosso Deus, como nos tem ordenado” (Dt 6:25).

 

Esclarecimentos Para a Correta Observância do Sábado
“Guarda o dia de sábado, para o santificar, como te ordenou o Senhor, teu Deus” (Dt 5:12, ênfase nossa). Auxiliando na compreensão deste mandamento para nossa correta observância, é interessante entendermos a citação em negrito acima desta forma: “da maneira como é do agrado do Senhor”! “Se desviares o pé de profanar o sábado e cuidar dos teus próprios interesses no Meu santo dia; se chamares ao sábado deleitoso e santo dia do Senhor, digno de honra e o honrares não seguindo os teus caminhos, não pretendo fazer tua própria vontade, nem falando palavras vãs, então, te deleitarás no Senhor”. (Isaías 58:13 e 14; ênfase nossa). Quero salientar este último texto em negrito: “Quem quer que obedeça ao quarto mandamento, verificará  que  está  traçada  uma  linha  divisória  entre  eles e o mundo”[3]; e eu acrescento, entre eles e o ‘eu acho que é por aqui’! Quando se trata com os preceitos divinos, o bom senso humano não deve ter prioridade, pois “Deus não consulta nossas conveniências no que respeita a Seus mandamentos” [4]. “Não temos como um povo, dado à Lei de Deus a preeminência que devíamos dar. Estamos em perigo de fazer nossa própria vontade no dia de sábado” [5]. “A norma não deve ser posta a um nível tão baixo que os que aceitam a verdade transgridam os mandamentos de Deus, enquanto professam obedecer-lhes. Seria melhor, muito melhor, deixá-los em trevas até que recebessem a verdade em sua pureza” [6]. “Alguns argumentarão que o Senhor não é tão exigente em Seus preceitos; que não é seu dever guardar o sábado tão estritamente com tão grande prejuízo, ou se colocarem em conflito com as leis da Terra. É, porém, justamente aí o ponto em que sobrevirá a prova, a ver se honramos a Lei de Deus acima das exigências dos homens. Isto é o que fará a distinção entre os que honram a Deus e os que O desonram. É isto que devemos provar nossa lealdade. A história do trato de Deus com Seu povo em todos os séculos mostra que Ele exige exata obediência” [7]. “Coisa alguma que aos olhos do Céu possa ser considerada transgressão do santo sábado, deve deixar-se por dizer ou fazer, para ser dita ou feita no sábado. Deus requer não somente que nos abstenhamos do trabalho físico no sábado, mas que a mente seja disciplinada de modo a pensar em temas santos. O quarto mandamento é virtualmente transgredido mediante o conversar sobre coisas mundanas ou leves e frívolas. Falar sobre qualquer coisa ou sobre tudo o que nos vêm à mente é falar nossas próprias palavras” [8]. “Cumpre-nos guardar palavras e pensamentos. Os que discutem assuntos de negócios e fazem planos no sábado, são considerados por Deus como se empenhassem-se em reais transações de negócios. Para santificar o sábado, não devemos sequer permitir que nossa mente se detenha em coisas de caráter secular” [9]. Este próximo texto nos revela uma advertência e um convite solenes, não por simplesmente sermos adventistas do sétimo dia, mas por sermos, graças ao amor de nosso Pai, “raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamarmos as virtudes dAquele que nos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz”! (I Pedro 2:9, na 1ª pessoa do plural): “O domingo é geralmente tornado um dia de festa e de busca de prazer; mas o Senhor quer que Seu povo dê ao mundo exemplo mais elevado e santo. No sábado deve haver uma solene consagração da família a Deus” [10]! Lembremo-nos: “O Senhor dá graça e glória; nenhum bem sonega aos que andam retamente”! (Salmo 84:11). “Foi-me apresentado todo o Céu como a contemplar e observar no decorrer do sábado, aqueles que reconhecem as reivindicações do quarto mandamento, e estão guardando o sábado. Os anjos estavam anotando o interesse deles nessa divina instituição, o elevado respeito que por ela nutrem. Aqueles que santificavam no próprio coração o Senhor Deus, mediante uma estrutura estritamente devocional do espírito, e que buscavam aproveitar as horas santas em observar o sábado da melhor maneira que lhes era possível, e honravam a Deus em considerar o sábado deleitoso – a esses, beneficiavam especialmente os anjos com luz e saúde e era-lhes comunicada especial resistência” [11]!

O Modo Pelo Qual a Família White Guardava o Sábado

Apresento agora, exemplos da família de Ellen White – uma pessoa abençoada pela inspiração (veja Perguntas & Respostas vol.1, p.5) e revelação (idem, p.30) do único verdadeiro Deus. Aprendamos!



[Battle Creek, Michigan] Sábado, 1º de Janeiro de 1859. Assistiu à Pregação, a um Batismo e às Ordenanças. – É o início do novo ano. O Senhor deu liberdade a Tiago, no sábado à tarde, ao pregar sobre a necessidade de preparação para o batismo e para participar da Ceia do Senhor. Houve muita emoção na congregação. No intervalo todos se dirigiram a água, onde sete seguiram a seu Senhor no batismo. Foi uma ocasião poderosa e do mais profundo interesse. Foram batizadas duas pequenas irmãs de uns onze anos de idade. Uma, Córnélia C., orou na água pedindo que se mantivesse incontaminada do mundo. No entardecer a igreja seguiu o exemplo de seu Senhor, lavando os pés uns dos outros, e então participou da Ceia do Senhor. Houve regozijos e lágrimas naquela casa. O lugar era solene, mas glorioso, devido a presença do senhor. – Manuscrito 5, 1859.

[Otsego, Michigan] Sábado 8 de Janeiro de 1859. Viajou de Trenó Até à Reunião e Falou um Pouco. – É o santo sábado. Oxalá honremos e glorifiquemos a Deus hoje. … Fomos com o irmão Leighton, no seu trenó, a Otsego, seis quilômetros e meio. Fazia muito frio; quase não consegui ficar à vontade. Achei a casa de culto não muito aquecida. Todos estavam com muito frio. Levou algum tempo para se aquecerem. O irmão Loughborough pregou sobre o juízo. Então eu disse algumas palavras. Não muito livremente. Em seguida, a igreja de pronto deu seus testemunhos. – Manuscrito 5, 1859.

[Battle Creek] Sábado, 5 de Março de 1859. Ficou em casa Para Cuidar de Tiago White. – Não assisti à reunião hoje. Meu marido estava doente. Permaneci com ele, para atendê-lo. O Senhor esteve conosco e nos abençoou esta manhã. Tive notável liberdade na oração. O irmão Jonh Andrews pregou duas vezes hoje. Ele passou o entardecer e a noite conosco. Apreciamos muito a visita. – Manuscrito 5, 1859.

[Battle Creek] Sábado, 19 de Março de 1859. Assistiu à Reunião e Leu Algo Para os filhos. – Assisti à reunião na parte da manhã. O irmão Loughborough pregou com grande liberdade sobre o sono dos mortos e a herança dos santos. Fiquei em casa à tarde. Li para meus filhos,* escrevi uma carta para o irmão Newton e esposa, animando-os nas coisas espirituais. À noite assisti à reunião para a comunhão e o lava-pés. Não me senti tão livre como gostaria de estar nessas ocasiões. – Manuscrito 5, 1859.

*Adélia Patten, por diversos anos ajudante na casa dos White, em Battle Creek, na sua “Narrativa da Vida, Experiência e Última Doença de Henrique N. White”, o qual faleceu em dezembro de 1863, fez a seguinte declaração a respeito do trato de Ellen White com os seus filhos:


Há vários anos sua mãe tem passado muito tempo lendo para eles, aos sábados, alguma coisa de sua grande quantidade de textos seletos, de assuntos morais e religiosos, uma parte dos quais ela publicou recentemente na obra intitulada Sabbath Readings (“Leituras Para o Sábado”). Ler para eles antes que pudessem ler com facilidade por si mesmos, causou-lhes um amor pela leitura proveitosa, e eles têm passado muitas horas de folga, especialmente as horas do sábado, quando não estão na Escola Sabatina e nas reuniões, compulsando bons livros, dos quais estavam bem providos. – Appeal to Youth, p.19.

[Convis, Michigan] Sábado, 9 de abril de 1859. Esteve Presente e Ministrou em Convis. – Levantei-me cedo e cavalguei uns vinte quilômetros até Convis, para encontrar-me com os santos ali. A viagem foi agradável. Passei pela casa do irmão Brackett. Eles nos acompanharam ao local da reunião, a uns três quilômetros de sua casa. Um pequeno grupo de observadores do sábado se reuniu num amplo e confortável edifício escolar. Tiago teve grande liberdade para falar ao povo. Eu disse algumas palavras. A reunião durou mais ou menos até às duas horas. Quase todos deram testemunho da verdade. Após a ceia, quando as horas do tempo sagrado estavam findando, tivemos um agradável período de oração. Tiago conversou com as crianças antes de inclinar-se para orar. – Manuscrito 6, 1859.

[Battle Creek] Sábado, 23 de Abril de 1859. Assistiu à Reunião e Recebeu Visitas. – A irmã Brackett, a irmã Lane e sua filha, a irmã Scott e a irmã Smith vieram de Convis para a reunião em Battle Creek. Elas almoçaram em nossa casa.* As reuniões foram interessantes durante o dia. O irmão Waggoner pregou na parte da manhã. Seu sermão foi apropriado. No intervalo foram batizadas quatro pessoas… . Nossa reunião à tarde foi muito interessante. Meu marido nunca teve maior desembaraço. O Espírito do Senhor esteve na reunião. O Senhor me deu liberdade na exortação. Ao anoitecer foram celebrados os ritos da casa do Senhor. Foi uma ocasião solene e interessante. Não pude estar presente, pois me achava muito exausta. – Manuscrito 6, 1859.

*As refeições aos sábados, na casa da Sra. White, em anos posteriores, são descritas por sua nora, numa declaração datada em 16 de outubro de 1949:

“Como nora de Ellen, fui um membro de seu lar por um pouco mais de um ano, e muitas vezes estive em sua casa e viajei com ela durante um período de vinte anos. Perguntaram-me a respeito das refeições aos sábados no lar dos White. Toda a preparação possível era efetuada na sexta-feira, o dia da preparação, para as refeições aos sábados. No sábado, o alimento, tanto para o desjejum como para o almoço, era servido quente, tendo sido esquentado imediatamente antes da refeição. Todo serviço desnecessário era evitado no sábado, mas em nenhuma ocasião a Sra. White considerou uma violação da devida observância do sábado prover os confortos ordinários da vida, como fazer fogo para o aquecimento da casa ou para esquentar o alimento a ser ingerido nas refeições.” – Sra. G. C. White.

[Battle Creek] Sábado, 12 de Abril de 1873. Fez muitas visitas Missionárias. – Meu marido falou ao povo na parte da manhã. Eu fiquei em casa porque não me sentia em condições de estar presente. À tarde assisti À reunião… Depois que a reunião terminou, visitei Ella Belden. Tive um agradável período de oração com ela. Visitei então o irmão e a irmã W. Salisbury. Tivemos em precioso período de oração com a família. Eles uniram suas orações às minhas. Todos nós sentimos que o Senhor nos abençoou. Em seguida fiz uma breve visita aos idosos irmão e irmã Morse. … Visitei o irmão e a irmã Gardner. Ele está chegando ao fim de sua jornada. A doença tornou-o muito fraco. Ele ficou contentíssimo ao ver-me. Unimos nossas orações, e o coração dessas pessoas aflitas foi confortado e abençoado. – Manuscrito 6, 1873.

[Battle Creek] Sábado, 17 de Maio de 1873. Percorreu Alguns Quilômetros, Dormiu um Pouco. – Percorremos alguns quilômetros no bosque dos carvalhos. Descansamos cerca de uma hora. Dormimos um pouco. … Tivemos um período de oração antes de voltar para casa. De tarde fomos à reunião. – Manuscrito 7, 1873.

[Washington, Iowa] Sábado, 21 de Junho de 1873. Escreveu Sobre os Sofrimentos de Cristo. – Um belo dia; um pouco quente. Apliquei um envoltório. Senti-me melhor. Escrevi quinze páginas sobre os sofrimentos de Cristo. Fiquei muito interessada em meu assunto. … Tivemos alguns indícios de chuva. Reuni a família e li o assunto que havia escrito. Todos pareciam interessados. – Manuscrito 8, 1873.

[Walling’s Mills] Sexta-Feira, 12 de Setembro de 1873. Hospedou um Homem Não Adventista. – Chegamos em casa um pouco antes do pôr-do-sol. Recebemos carta do irmão Canright, e também de Maria Gaskill e Daniel Bourdeau, dando-nos um relato da reunião campal. Ao chegar em casa, encontramos João Cranson ali. Ficamos tristes de que ele viesse visitar-nos no sábado. Durante o sábado não gostamos de receber visitas que não têm nenhum respeito para com Deus ou Seu santo dia. – Manuscrito 11, 1873.

[No Trajeto de Colorado a Battle Creek] Sábado, 8 de Novembro de 1873. Viajou Pesarosamente no Sábado. – Descansamos bem no vagão durante à noite. Não desejaríamos encontrar-nos nos vagões esta manhã, mas circunstâncias relacionadas com a causa e a obra de Deus requerem nossa presença na Associação Geral. Não podíamos demorar-nos. Se estivéssemos tratando de nossos próprios interesses, acharíamos ser uma violação do quarto mandamento viajar no sábado. Não entabulamos conversas comuns. Procuramos manter o espírito numa disposição devocional e desfrutamos um pouco da presença de Deus enquanto deploramos profundamente a necessidade de viajar no sábado. – Manuscrito 13, 1873.

[Sydney, N. S. W., Austrália] 4 de Fevereiro de 1893. Falou de Manhã, Embarcou no Navio à Tarde. – Fomos numa carruagem de aluguel à igreja em Sydney, e falei sobre a fé, de Hebreus 11. O Senhor me fortaleceu por Sua graça. Senti-me muito fortalecida e abençoada. O Espírito Santo esteve sobre mim. Força, tanto física com espiritual, foi-me concedida em grande medida. … Às duas horas da tarde subimos a bordo de um navio a vapor para fazer a viagem que temíamos há muito tempo. Toda a nossa bagagem fora guardada na sexta-feira. Temos muita aversão a viajar no sábado, mas precisa ser efetuada a obra de transmitir a mensagem ao mundo, e podemos manter a mente e o coração elevados a Deus e ocultar-nos em Jesus. Quando não podemos controlar essas questões, devemos deixar tudo aos cuidados de nosso Pai celestial. Se a nossa confiança estiver em Deus, Ele nos ajudará. – Manuscrito 76, 1893. 

Nosso magnânimo Deus nos dá o direito de reivindicar as Suas promessas; contudo, é-nos pedido fazer a parte que nos cabe: “Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda a impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus”; “procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”! (II Coríntios 7:1 e II Timóteo 2:15). Que este simples, mas proveitoso material, possa com a bênção da unção do Espírito Santo iluminar a sua vida! É primordial para tanto, antes de tudo, reclamarmos as promessas de Deus, tais como: “Instruir-te-ei e te ensinareis o caminho que deves seguir; e sob as Minhas vistas te darei conselho” e “A intimidade do Senhor é para os que O temem, aos quais Ele dará a conhecer a Sua aliança”! (Salmos 32:8 e 25:14). Saiba ainda, caro leitor, que por mais compenetrados que estejamos neste assunto, existe muito para aprendermos, e isto só se realizará na vida do porvir!


“Vi que sentíamos e compreendíamos bem pouco da importância do sábado, em comparação com o que ainda devemos compreender e saber de sua importância e glória. Vi que não sabíamos ainda o que era cavalgar sobre os altos da Terra e ser sustentado pela herança de Jacó. Quando, porém, vier o refrigério e a chuva serôdia pela presença do Senhor e a glória do Seu poder, saberemos o que é ser sustentado com a herança de Jacó e cavalga sobre os altos da Terra. Então veremos mais da importância e glória do sábado. Mas não o veremos em toda  a sua glória e importância até que seja feito conosco o concerto de paz, à voz de Deus, e as portas de pérola da Nova Jerusalém sejam abertas” [12] (veja Isaías 58:14)!

  

Referências
[1] Mensagens Escolhidas III, p. 260
[2] E. G. White, Adventist Review and Sabbath Herald, 28.09.1897
[3] Testemunhos Seletos II, p.180
[4] Testemunhos Seletos II, p.182
[5] Mensagens Escolhidas III, p.258
[6] Idem, p.260
[7] Testemunhos Seletos II, p.183
[8] Testemunhos Seletos I, p.230
[9] Testemunhos Seletos II, p.185
[10] Idem, p.185
[11] Testemunhos Seletos I, p.292
[12] Mensagens Escolhidas III, p.260

(Perguntas & Respostas, v. 2, pp. 21-25)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: