Deus coube no útero de Maria!

Uma outra dificuldade encontrada por filhos sinceros que desejam conhecer Jesus Cristo se encontra em I Reis 8:27. “Mas, de fato, habitaria Deus na terra? Eis que os céus e até o céu dos céus não te podem conter, quanto menos esta casa que eu edifiquei”. Salomão foi educado por seus pais a engrandecer JAVÉ, reconhecendo-Lhe a “grandeza” (I Cr 29:11) como disse Davi. O Senhor Jesus afirmou que o Pai “cabia” no céu quando ensinou Seus discípulos a orar (Mt 6:9). Ele ainda mencionou: “Eu, porém, vos digo: de modo algum jureis; nem pelo céu, por ser o trono de Deus” (Mt 5:34). Certamente, se JAVÉ cabe num trono (Sl 47:8) e no Santuário do Céu (Sl 11:4), os Céus podem muito bem contê-Lo. A Bíblia não cometeu necessariamente uma contradição. É claro que Deus pode ser maior que o próprio universo, uma vez que Ele o criou! No entanto, é o próprio JAVÉ dos Exércitos que revela: “Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de Santo: Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos” (Is 57:15). “Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” (I Co 3:16). Em suma, Deus cabe onde Ele quer e onde Seus filhos permitem!  Ele não teve dificuldades em Se transformar num zigoto divino-humano no ventre de Maria, Sua escolhida mamãe, que engravidou do “Espírito Santo”! (Mt 1:18 e Lc 1:35). Aproveito esse intervalo entre os ensinamentos que apagam as dúvidas para estimular o leitor ou a leitora a fazer perguntas a Deus. Ele responderá todas as indagações que a Bíblia puder responder antes de Ele voltar a Terra, caro(a) amigo(a). O problema é quando eu não pergunto, só afirmo! Ou nem pergunto nem afirmo, sou desinteressado por completo para com a História de meu próprio Criador e Redentor. Isso é péssimo! Pergunte a Jesus ou ao Pai ou ao amigão Espírito. Seja um filho submisso e interessado, e conheça todas as lindas “verdades” sobre Deus. Só assim o ser humano é protegido das inúmeras mentiras inventadas pelo terrível inimigo de Jesus, que são ensinadas, infelizmente, todos os dias em muitos meios de comunicação, inclusive em congregações… Pergunte a Deus e seja dedicado em buscar Sua resposta nas Escrituras Sagradas! Nunca seja arrogante, auto-suficiente quando o assunto for Bíblia. Você pode não enxergar a Verdade (II Co 4:4). JAVÉ quando veio em carne também foi chamado de “a Palavra de Deus” (Jo 1 e Ap 19:13). Somente após a vinda do “Deus conosco” a humanidade pode conhecer plenamente o caráter, o jeito e a voz de Deus, pois Ele conviveu com os homens. Se Jesus veio revelar o Pai (Jo 14:9-11), vindicar o caráter divino que foi difamado pelo diabo e seus anjos, podemos entender que nosso Senhor é um porta-voz da sagrada Trindade. Assim sendo, possivelmente o JAVÉ falante do Antigo Testamento foi a mesma “Palavra de Deus” do Novo Testamento. Possivelmente! Se for assim, quando Maria, mãe de JAVÉ em carne, louvou a Deus em Lucas 1, aconteceu algo espantoso para todo o universo – ela cantou para Aquele que estava em seu próprio ventre!!! Lucas nos informa que quando isso aconteceu, JAVÉ encarnado tinha menos que três meses na barriguinha de Maria. Quando esta foi visitar sua “parenta” Isabel, ela já havia concebido há um pouco mais de seis meses (Lc 1:36 e 39) o futuro maior de todos os profetas (Mt 11:11), João o que batizava. A diferença de idade entre o Senhor, em carne, e Seu parente (duplamente) João era de seis meses (Lc 1:26). Sabem o que aconteceu com a gestante Isabel que carregava em seu ventre o mensageiro de JAVÉ (Ml 3:1, como já estudamos), quando ela e seu bebê se encontraram com aquela que daria à luz ao Senhor encarnado? Confira: “Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. Ouvindo esta a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre; então, Isabel ficou possuída do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre! E de onde me provém que me venha visitar a mãe do meu Senhor? Pois, logo que me chegou aos ouvidos a voz da tua saudação, a criança estremeceu de alegria dentro de mim. Bem-aventurada a que creu, porque serão cumpridas as palavras que lhe foram ditas da parte do Senhor” (Lc 1:39-44). “Mãe do meu Senhor”! Que expressão assombrosa, não é mesmo?! Que condescendência divina, que amor inexplicável e incondicional o de JAVÉ trino, ao enviar Seu representante Todo-poderoso, para o útero de uma mulher da raça pecadora! Tudo para nos salvar. Claro! Somente o próprio Criador poderia morrer por Suas criaturas! Ele não enviou outra criatura. Ele Se enviou! Jesus é Filho de JAVÉ somente no mesmo sentido de que somos Seus filhos! A Trindade não enviou um filho para morrer pelos seus irmãos. Ela enviou o Pai dos filhos para morrer por eles! Para tanto, esse Pai teve que se tornar Filho, se quisesse salvar! Vamos louvá-Lo todos os dias de nossa existência por tamanha humilhação:
“Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria
como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos,
e quão inescrutáveis, os seus caminhos!
Quem, pois, conheceu a mente do Senhor?
Ou quem foi o seu conselheiro?
Ou quem primeiro deu a ele para que lhe venha a ser restituído?
Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas.
A ele, pois, a glória eternamente. Amém” (Rm 11:33-36).
Maria louvou ao Salvador dos pecadores (dela também, portanto!). Mas, de onde ouviu esse Salvador, o lindo cântico daquela alma? Bem, JAVÉ é o Salvador dos homens – “Porque eu sou JAVÉ, teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador” (Is 43:3). Porém, o falante JAVÉ do Antigo Testamento não estava mais no Céu naquela ocasião! “Então, disse Maria: minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador”. “José também subiu da Galiléia, da cidade de Nazaré, para a Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém, por ser ele da casa e família de Davi, a fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida. Estando eles ali, aconteceu completarem-se-lhe os dias, e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria”. “O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos servirá de sinal: encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura.” (Lc 1:46 e 47; 2:4-7; 10-12). Que ingratidão a da humanidade! Não saudamos nosso Rei e Salvador. Fechamos-Lhe as portas. Contudo, o Salvador escolheu uma bendita mulher como mãe. Ela forrou aquele comedouro de bois e jumentos com todo amor e respeito que ela podia, e depositou o Senhor ali. Que humildade a de Deus!

Fonte: Livro JAVÉ, pp. 12-14.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: