Os “filhos de Deus” de Gn 6:2

Os comentaristas bíblicos têm proposto pelo menos três interpretações diferentes para as expressões “filhos de Deus” e “filhas dos homens” em Gênesis 6:2. Alguns identificam, com base em uma antiga tradição rabínica, os “filhos de Deus” como anjos, e as “filhas dos homens” como mulheres em geral. Embora as Escrituras se refiram algumas vezes aos seres celestiais como “filhos de Deus” (Jó 1:6; 2:1; 38:7), isso não significa que este seja o caso em Gênesis 6:2, pois no mesmo contexto é dito também que as “filhas dos homens” tiveram filhos através de relações sexuais com esses “filhos de Deus” (Gênesis 6:4). Seria irônico admitir que anjos mantiveram relações sexuais com mulheres, uma vez que o próprio Cristo declarou que eles não “casam, nem se dão em casamento” (Mateus 22:30; Marcos 12:25; Lucas 20:34-36). Outros comentaristas procuram evitar as dificuldades da teoria anterior interpretando a expressão “filhos de Deus” como uma referência a filhos de príncipes, e a expressão “filhas dos homens” como uma alusão a mulheres das classes sociais inferiores. Mesmo que o rei Davi (II Samuel 7:14) e os juízes do povo de Deus (Salmo 82:6) sejam reconhecidos como filhos de Deus, não existe qualquer base bíblica para alegar que as expressões de Gênesis 6:2 surgiram uma distinção de castas sociais entre nobres e plebeus. Uma terceira interpretação, bem mais coerente com o consenso das Escrituras, reconhece como “filhos de Deus”, em Gênesis 6, os descendentes de Sete, que eram homens tementes a Deus (Gênesis 4:25; 5:32); e como “filhas dos homens” as mulheres incrédulas da linhagem de Caim (Gênesis 4:1-24). Tal união de crentes com descrentes é considerada, nesse contexto, como uma evidência de apostasia do povo de Deus (Gênesis 6:1-7). Esse mesmo tipo de união continuou sendo desaprovado tanto no Velho Testamento (ver Êxodo 34:15 e 16; Deuteronômio 7:1-4) como no Novo Testamento (ver II Coríntios 6:14 e 15). Concordamos, portanto, com os comentaristas que vêem os “filhos de Deus” em Gênesis 6:2 como meros seres humanos tementes a Deus (contrastar com Gálatas 3:26; Efésios 2:19; I João 3:1).

Fonte: Dr. Alberto R. Timm, Revista Sinais dos Tempos, Junho de 1998. 

Deixe uma resposta