Alagoano de Escola Pública do interior conquista medalha de ouro na Olimpíada Brasileira de Matemática!

Aluno de escola pública do interior de Alagoas, jovem de 19 anos ganha medalha de ouro na Olimpíada de Matemática.

Coruripe [AL] – Assim como acontece com a maioria dos jovens com quem convive, provavelmente Indiana Jones dos Santos, 19, acabaria seguindo a vida de pescador – como seu pai. Mas, da mesma maneira que o personagem do filme que seu nome homenageia, o jovem gosta de enfrentar desafios. Mesmo vivendo em um Estado que tem um dos piores Índices de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), vindo de uma família pobre, que mora numa casa doada pela prefeitura no povoado de Poxim, município de Coruripe, e ainda ter passado quatro anos fora da escola, ele é um dos vencedores da Olimpíada de Matemática das Escolas Públicas de 2011 – uma competição nacional. Indiana ganhou medalha de ouro no nível 2, para estudantes dos 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, e agora aguarda ansioso pela viagem ao Rio de Janeiro, ainda sem data prevista, quando receberá a medalha e uma bolsa de estudos, no valor de R$ 100 mensais, pelo período de um ano. O prêmio, entretanto, não foi surpresa para o estudante. Ele participa da Olimpíada de Matemática desde 2007 e ganhou, em anos anteriores, menção honrosa e duas medalhas de bronze, em 2009 e 2010.

A competição fez com que ele voltasse a se interessar pelos estudos, e depois do último bronze disse para os professores e a família que iria se preparar para ganhar medalha de ouro no ano passado – como de fato aconteceu. Os certificados e as medalhas que ganhou são mostrados com orgulho nas paredes da sala da pequena casa, onde vive com a mãe, padastro e dois irmãos mais velhos. Agora, iniciando o ensino médio, conta que pretende ganhar ainda mais medalhas por seu conhecimento em Matemática e diz que não tem muita certeza ainda sobre a profissão que deseja seguir; mas sabe que tem condições de vencer o ciclo da pobreza e ser muito mais do que imaginava.

***

Gazeta. É difícil para um estudante de uma escola pública ganhar uma medalha de ouro em Matemática?

Indiana Jones. Para mim não foi difícil, eu sempre gostei de números. Por isso me interessei em estudar Matemática e participar da Olimpíada. Desde a primeira vez que participei ganhei alguma coisa. Em 2007 foi uma menção honrosa, e em 2009 e 2010, ganhei medalha de bronze.

Então a medalha de ouro não foi uma surpresa?

Surpresa mesmo, para mim, não. Mas muita gente não acreditava que eu fosse ganhar. Eu estava me preparando para isso. Em 2010, quando cheguei na escola com a medalha de bronze, disse para os professores que um ano depois queria trazer a medalha de ouro. As provas da primeira fase, a gente faz na escola mesmo. Depois do resultado, fui fazer a segunda fase em Coruripe, e a terceira fase foi em Maceió.

E como você ficou sabendo do resultado?

Minha mãe que me contou. Estava de férias e a diretora da escola acessou a página da Olimpíada de Matemática e viu o meu nome. Minha mãe foi chamada na escola e, quando chegou em casa contando, foi uma alegria muito grande. Apesar de eu já ter ganhado duas medalhas antes, para a minha família foi surpresa a medalha de ouro.

Como você se preparou para a Olimpíada?

Não teve nenhuma preparação especial. Só estudava bastante em casa. Ano passado eu ia para a escola no período da tarde. Quando chegava em casa, depois de tomar banho e tomar café, aí eu começava a estudar. Estudava para a escola e também para fazer as provas da Olimpíada.

Ganhou essas medalhas por que as provas da Olimpíada são fáceis para você ou você venceu pelo esforço?

As provas não eram fáceis, mas eu me esforçava muito estudando.

Você tem 19 anos e só agora está começando o Ensino Médio. O que aconteceu para você se atrasar nos estudos?

Eu nunca fui reprovado, mas passei um tempo sem ir para a escola. Sei lá… perdi a vontade de estudar. A primeira vez fiquei dois anos sem ir para a escola, de 2004 a 2006, quando ainda morava na comunidade da usina [Coruripe]. Depois que a minha mãe se mudou com meu padastro para Poxim, voltei a estudar em 2007 e ganhei menção honrosa na Olimpíada. Em 2008 desisti de novo e só voltei em 2009. Agora não quero parar mais.

Por que você desistia da escola? Para trabalhar e ajudar em casa?

Não. Era porque eu não tinha vontade mesmo. Era preguiça de ir para a escola. Não entendia por que precisava aprender aquelas coisas e achava a escola muito chata. Só voltei a estudar porque, depois que a gente veio morar no Poxim, o meu padastro insistia muito para que eu e meus irmãos voltássemos para a escola. Foi só por causa da insistência dele que eu voltei, porque, querer, eu não queria.

Nota: Exemplo fantástico da recompensa que vem da dedicação aos estudos independente das circunstâncias! Vamos juventude alagoana! Marchemos diariamente na direção dos estudos, com esforços e   luta! Deus ama isso e dispensa um cuidado visível para com os jovens que nEle se refugiam e confiam (Sl 31:19)! Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens, sabendo que receberão do Senhor a recompensa da herança. É a Cristo, o Senhor, que vocês estão servindo” (Cl 3:23-24).  “Jovens, eu lhes escrevi, porque vocês são fortes, e em vocês a Palavra de Deus permanece e vocês venceram o Maligno” (1 Jo 2:14). Hendrickson Rogers 

Deixe uma resposta