Conheça seu micro-ondas, use-o adequadamente e proteja a saúde de sua família!

Mais rápido e eficiente do que um fogão a gás, o forno de micro-ondas aquece e descongela os alimentos rapidamente, e por inteiro, sem deixar partes geladas. Como ele consegue realizar esse “milagre”? A física explica. O que acontece é uma reação molecular: o forno de micro-ondas possui uma válvula chamada magnetron. Quando o aparelho é ligado, a válvula começa a emitir ondas eletromagnéticas de alta frequência, iguais às do rádio, com 2.450 megahertz (MHz). Essa frequência é a ideal para agitar as moléculas de água presentes na comida. Mas as micro-ondas precisam de mais um empurrãozinho para acelerar o processo: um ventilador acoplado na parte de cima espalha as as ondas pelo seu interior, enquanto as paredes metálicas barram a fuga e as devolvem para o centro, envolvendo o alimento. Nesse bate e volta com o campo eletromagnético, as moléculas de água vibram intensamente, inclusive as que estão dentro, produzindo calor interno e cozinhando o produto por inteiro.

Mitos e verdades. Alguns tipos de vidro, plástico e porcelana não ficam quentes, mesmo depois de vários minutos dentro do micro-ondas ligado. Isso acontece porque a disposição das moléculas destes materiais impede a penetração das ondas – elas estão unidas para não vibrarem. Se o recipiente que foi levado ao micro-ondas esquentar demais, isso indica que ele está puxando energia elétrica que deveria ir ao alimento, causando um pequeno aumento no consumo de energia – e na conta de luz. Existe uma teoria de que frutas verdes amadurecem depois de passarem alguns segundos no micro-ondas, mas isto é lenda. Na verdade, as frutas ficam mais moles porque passaram por um processo de cozimento, mas não de amadurecimento.
Perigos para a saúde. Apesar de o forno ter paredes de aço que evitam o vazamento das micro-ondas, elas podem sair pela porta. A tela que fica entre os vidros impede a saída da maioria das ondas (a malha metálica tem furinhos menores do que o comprimento das ondas), mas não evita que algumas invadam sua cozinha. A exposição às micro-ondas podem provocar até cegueira. Como as ondas de alta frequência provocam a vibração das moléculas de H2O, elas podem ressecar o cristalino, que possui muita água, danificando a visão. Outros órgãos que são constituídos de água, como fígado e rins, também podem sofrer danos. Além disso, crianças menores de 12 anos podem perder neurônios em formação se forem expostas à grande quantidade das ondas. O ideal é, ao ligar o forno, situar-se a uma distância de 50 centímetros, no mínimo. Quando o forno desliga-se, o megatron para de emitir as ondas, e o ambiente volta a ficar seguro. Para garantir a segurança do aparelho, o indicado é levá-lo para um técnico a cada dois anos – ele vai medir a taxa de vazamento da radiação e tomar as medidas necessárias. Uma delas é trocar uma borracha de proteção que fica dentro das portas e que se desgasta com o tempo.
Como foi descoberto. O magnetron foi desenvolvido por um físico norte-americano para detectar as aeronaves inimigas na Segunda Guerra Mundial. Só uma década mais tarde, durante o aperfeiçoamento de radares, é que um engenheiro descobriu o potencial culinário desse gerador. Percy LeBaron Spencer percebeu que uma barra de chocolate derreteu no seu bolso enquanto ele trabalhava com um radar ativo – mas, antes de patentear o eletrodoméstico, ele ainda repetiu o experimento com milho de pipoca e um ovo para uma plateia de amigos. O primeiro modelo de micro-ondas chegou ao mercado no fim da década de 1940 e foi um sucesso, mesmo tendo 1,8 metro de altura, mais de 300 quilos e custando cerca de US$ 5.000.
Fonte: JOSÉ CLEBER DA CUNHA PINTO, professor do Departamento de Engenharia de Sistemas eletrônicos da Escola Politécnica da USP, e Renata Leão, gerente da Engenharia de Serviços da Whirpool Latin America. Link do artigo original. Acesso em: 15 jul. 2013.
Fonte 2: Biologia Teísta.

Deus e a primeira Lei da Termodinâmica

Uma coisa interessante da internet é que ela facilita o reaparecimento de argumentos que foram já totalmente refutados no passado. Esta objecção que os ateus fazem contra Deus é um daqueles argumentos que esfumou-se com o passar do tempo, mas que recentemente voltou a aparecer nas discussões online. Outra observação interessante é que os argumentos que os ateus usam têm a propensão de se tornarem numa “tendência”. O que quero dizer com isto é que quando estes argumentos emergem, muitos ateus começam imediatamente a usá-los.
O que é a Primeira Lei da Termodinâmica (PLT)?
Dito de forma simples, a PLT declara que a matéria e a energia não podem ser criadas nem destruídas.
Qual é a objecção que os ateus fazem em torno da Primeira Lei da Termodinâmica?
Os ateus irão tipicamente afirmar que, uma vez que a matéria e a energia não podem ser criadas nem destruídas, então Deus nunca poderia ter criado o universo porque isso  seria uma violação da PLT.
O problema com esta objecção.
O primeiro problema é o facto das leis da natureza serem descritivas e não prescritivas. O que isto significa é que as leis da natureza não determinam a forma como o universo opera, mas sim descrevem a forma como o universo opera. As leis da natureza são, portanto, uma descrição da forma como o universo opera quando não há algum tipo de intervenção junto destas leis descritivas. Portanto, e em igualdade de circunstâncias, quando Deus não está em processo de criação, então a PLT aplica-se,
[Para se observar de modo gráfico este ponto, imagine-se uma maçã amadurecida que cai duma macieira. Segundo a Lei da Gravidade, se nada de anormal ocorrer, esta fruta cairá por terra. Mas se durante a sua queda alguém a agarrar e suster a sua queda, isso não invalida a Lei da Gravidade ; isso só demonstra que a lei da Gravidade opera de modo normal sempre que não ocorre nada fora do comum.]
O segundo problema é que se nós seguíssemos esta objecção até a sua conclusão lógica, isso implicaria que o universo nunca poderia ter um início de existência (com ou sem Deus). A única opção seria acreditar que o universo é eterno, mas este artigo explica o porquê do universo não ser eterno. 
O terceiro problema é a criação dum argumento-espantalho em relação ao conceito Cristão de Deus. Deus existe fora do espaço, do tempo e da matéria física. Deus é, por definição, o que nós seres humanos identificamos como um Ser Sobrenatural. Génesis 1 e 2 claramente descrevem a criação do universo como sendo um acto directo da parte de Deus (que é Omnipotente, ou “Todo Poderoso”). Isto significa que a criação do universo foi algo sobrenatural. Mal a criação se completou, todas as coisas estavam ao mesmo nível e as leis da natureza aplicavam-se, visto que elas são uma descrição da forma como o universo natural funciona.
Uma vez que o evento da criação descrito em Génesis foi um acto sobrenatural, não há qualquer ponto de discórdia ou contradição entre a Bíblia e a PLT. Portanto, os Cristãos são consistentes dentro da sua visão do mundo ao aceitarem a criação do universo como um acto sobrenatural, e não um acto sujeito às descritivas leis da natureza.
No entanto, quando o ateu levanta uma questão-espantalho e tenta arbitrariamente atribuir propriedades limitadas a Deus (que é Descrito na Bíblia como Todo Poderoso e Omnisciente) então os ateus não estão a ser lógicos. A própria noção do Deus Todo-Poderoso encontrar-Se sujeito aos limites do mundo natural não é algo consistente com a visão Bíblica do mundo.
Fonte: Darwinismo.

A linda matemática da bioengenharia das abelhas = DEUS, o Criador, existe!

Equipe de pesquisadores se propôs a desvendar o mistério da complexidade e perfeição geométrica dos favos das abelhas. 
Paris – Desde que o mundo é mundo, os favos das abelhas fascinam pela complexidade e perfeição de sua geometria e inspiraram uma equipe de pesquisadores a desvendar o mistério de suas formas hexagonais.
Até Charles Darwin, autor da teoria da evolução, se rendia à [complexidade irredutível da] casa das abelhas, considerando-as “absolutamente perfeitas, economizando mão-de-obra e cera“.
A equipe de pesquisadores de Bhushan Karihaloo, da Universidade de Cardiff, constatou que, antes de se transformarem em hexágonos, os favos têm, inicialmente, a forma circular. Eles ganham a forma hexagonal e levemente arredondada ao longo da construção das fileiras, prateleiras onde são depositados pólen e mel.
Em artigo publicado na revista da Royal Society britânica, os especialistas explicam que o mecanismo desta transformação se dá no escoamento da cera derretida, que uniria os favos vizinhos. Inúmeras hipóteses foram elaboradas ao longo dos séculos na tentativa de explicar a geometria impressionante das colmeias. Já se acreditou, inclusive, na insólita[?] capacidade que estes insetos teriam para fazer complexos cálculos matemáticos a fim de medir as larguras e os ângulos.
Mas segundo o estudo, a explicação está nas propriedades físicas da cera utilizada para construir os favos circulares. Numa temperatura de aproximadamente 45º, a cera começa a derreter como um líquido elástico, viscoso. Ela se estica como um caramelo, e os ângulos se formam na junção das células, dando origem aos hexágonos.
De acordo com os pesquisadores, o calor na origem desta transformação é fornecido pelas abelhas operárias que trabalham sem parar, lado a lado, na construção das fileiras. Mesmo que o enigma desta impressionante estrutura tenha sido solucionado graças a uma combinação física e matemática, os cientistas afirmam que o papel central da pesquisa ficou a cargo dos insetos.

“Nós ficamos maravilhados com o papel das abelhas no processo: aquecendo, endurecendo e afinando a cera exatamente onde é necessário”, afirmam.

Fonte: Link [ênfase acrescentada]
______________________________________________________________________________
O MUNDO DAS ABELHAS

Os pesquisadores acima até tentam descartar a “insólita” capacidade das abelhas realizarem cálculos complexos, mas se rendem à complexidade necessária e união de diferentes variáveis para que se produza um favo hexagonal, realizando exatamente o que é necessário. Como citado no texto acima, Darwin faz uma confissão quase criacionista da função extremamente calculada e inteligente das abelhas no ecossistema. Em seu livro, ele acrescenta:

“Poderia provar, por numerosos exemplos, quanto as abelhas são econômicas do tempo; lembrarei unicamente as incisões que costumam fazer na base de certas flores para colher o néctar, quando com um pouco mais de dificuldade poderiam entrar pelo vértice da corola.”

O corpo de uma abelha tem muito em comum com os de outros insetos. A maior parte dele é coberto por um exoesqueleto formado por pequenas placas removíveis de quitina. O corpo de uma abelha também é coberto por muitos pêlos macios e ramificados, que coletam o pólen e ajudam a regular sua temperatura. O corpo também possui três partes: a cabeça, o tórax e o abdômen.
A cabeça acomoda o cérebro, um conjunto com cerca de 950 mil neurônios. Eles são especiais e se comunicam com neurônios vizinhos específicos. Essa divisão de tarefas faz parte da razão pela qual o cérebro da abelha, que tem uma fração do tamanho de sua cabeça, consegue realizar tarefas complexas que geralmente poderiam exigir um cérebro maior. Um sistema de nervos permite que o cérebro se comunique com o resto do corpo.
Em sua cabeça, uma abelha possui duas antenas sensoriais. Ela também tem cinco olhos: três simples ou ocelos e dois compostos. Os olhos compostos são formados por pequenas estruturas chamadas omatídeos. Em cada olho composto, cerca de 150 omatídeos são especializados em padrões visuais. Isso permite que as abelhas detectem a luz polarizada, coisa que os seres humanos não conseguem fazer.
Como a maioria dos insetos, as abelhas possuem aparelhos bucais complexos que são usados para comer e beber. O tamanho e o formato dessas partes podem variar de uma espécie para a outra, mas em geral a maioria tem:
  • 2 mandíbulas ou maxilares;
  • 1 glossa, ou língua;
  • 1 labro e duas maxilas.



O labro e as maxilas são como lábios. Elas apoiam um probóscide ou tubo para coletar o néctar. 
Os dois pares de asas e os três pares de pernas de uma abelha são conectados ao tórax. As asas são partes extremamente finas do esqueleto das abelhas. Em muitas espécies, as asas da frente são maiores do que as traseiras. Duas fileiras de ganchos chamados hamuli conectam as asas da frente e as de trás para que elas se movam juntas quando a abelha estiver voando.
As pernas das abelhas têm as mesmas partes básicas das de outros insetos. Começando com a parte mais próxima do corpo da abelha, elas são coxa, trocânter, fêmur, tíbia e tarso. Essas partes funcionam basicamente como o quadril, a coxa, a canela e o pé das abelhas, e pequenas juntas separam cada segmento. As pernas das abelhas também podem ter várias estruturas especiais, como:
  • pelos parecidos com escovas, pentes e cestas para coletar o pólen;
  • uma pata e uma garra para segurar e manipular objetos;
  • um pequeno esporão para remover o pólen da antena;
  • uma corbícula para armazenar o pólen.



O abdômen não tem quase nenhuma apêndice, mas armazena praticamente todos os órgãos internos da abelha. Passagens chamadas espiráculos permitem que a abelha respire e uma rede de tubos e traqueias leva o oxigênio para dentro do corpo da abelha. Uma aorta no tórax bombeia o sangue, ou a hemolinfa, diretamente para os órgãos em vez de passar por um grupo de vasos sanguíneos. O oxigênio passa pela hemolinfa sem o uso de glóbulos vermelhos; então, o fluido é transparente em vez de ser vermelho. O abdômen também armazena um sistema digestivo que parece com um tubo e inclui um papo, ou um estômago de mel, onde a abelha guarda o néctar.
O abdômen de uma abelha tem um apêndice notável, o ferrão, que é um ovipositor, ou um depositador de ovo modificado. O ferrão possui uma bolsa de veneno com lancetas afiadas, que injetam o veneno que a abelha produz usando sua glândula de veneno. Muitos cientistas acreditam [ou seja, não existem evidências] que as abelhas herdaram o veneno de suas ancestrais parecidas com vespas, que usavam seus ovipositores para depositar ovos nos corpos de outros insetos. Por fim, as substâncias que revestiam o ovipositor se tornaram venenosas, o que facilitou o domínio das presas pelas vespas pré-históricas.
As abelhas não depositam ovos na carne, mas mantiveram a habilidade de picar para se defender. Algumas abelhas, no entanto, não possuem ferrões. Os ovipositores são os órgãos reprodutivos das fêmeas; assim, os zangões geralmente não podem picar. Também existem várias espécies de abelhas sem ferrão.
Várias espécies de abelhas domésticas têm ferrões farpados, que grudam nos corpos de mamíferos e puxam parte de seu abdômen quando voa para longe. Como resultado, a abelha morre. As abelhas com ferrões farpados muitas vezes podem picar outros insetos sem se machucar. As abelhas rainhas domésticas e as abelhas de muitas outras espécies, inclusive as grandes e muitas das solitárias, têm ferrões lisos e podem picar mamíferos várias vezes.
Além do veneno, as abelhas produzem uma série de substâncias úteis em suas glândulas localizadas por todo o corpo. Os tipos de glândulas variam consideravelmente, dependendo da espécie da abelha e da maneira como ela vive.
O veneno da abelha contém várias substâncias que destroem as células. Isso inclui peptídeos e enzimas que invadem e destroem a camada de gordura que reveste cada célula. O veneno também destrói os mastócitos da pele, que fazem parte do sistema imunológico do corpo. Isso libera histamina, que estimula a dilatação dos vasos sanguíneos e permite que as células imunológicos cheguem ao local da picada mais rapidamente e neutralizem o veneno.
Em pessoas com alergia à picada de abelha, no entanto, esse processo libera muita histamina. A resposta de dilatação dos vasos sanguíneos é extrema, e eles não conseguem mais realizar suas funções de regular a pressão sanguínea. Como resultado, a pressão sanguínea baixa rapidamente e as células param de receber oxigênio. Esse tipo de choque anafilático também causa inchaço e espasmos e pode levar à morte. O tratamento típico é uma injeção de epinefrina, que contrai os vasos sanguíneos, ajudando a restabelecer a pressão sanguínea e a distribuição de oxigênio.
Fonte 2: Biologia Teísta.

A linda matemática da bioengenharia adverte: se beber do darWINEísmo não dirija pesquisas científicas, para evitar atropelamentos das evidências que glorificam o Deus Criador!

Um estudo publicado recentemente revelou o modo como as plantas utilizam uma forma eficiente de matemática para calcular com precisão a quantidade de comida a consumir durante a noite. (1)
Durante o dia as plantas produzem carboidratos através da fotossíntese e armazenam uma parcela delas como moléculas de amido. Depois disto, as células metabolizam esses amidos como uma fonte de comida durante a noite como forma de nutrir o crescimento e o desenvolvimento celular. Um dos pesquisadores disse, “Se as reservas de amido são usadas de uma forma demasiado rápida, as plantas passam fome e param de crescer durante a noite. Por outro lado, se elas usam o amido de uma forma demasiado lenta, algum dele será perdido.“(1)
No entanto, a planta tem que usar as suas reservas alimentares de uma forma extraordinariamente precisa e dinâmica, controlando a taxa do seu metabolismo ao mesmo tempo que controla a quantidade de amido usada durante a noite. Os pesquisadores começam agora a descobrir o modo como as plantas gerem este processo, e eles estão surpreendidos com o facto da planta de mostarda que eles estudaram operar segundo princípios de equações matemáticas. O pesquisador Allison Smith disse, “A capacidade de executar cálculos aritméticos é vital para o crescimento das plantas e para a sua produtividade.“(1)
No ambiente natural, as plantas têm que particionar as suas reservas de amido durante a noite de modo a que estas sejam consumidas segundo uma taxa consistente que se estende pela noite. Isto é feito acrescentando de um modo dinâmico informação variável crítica para dentro do sistema de controle celular – informação tal como a duração do dia (que varia durante o ano), a quantidade de amido disponível, a temperatura e até a disponibilidade da água. 
Planta MostardaOs pesquisadores mantiveram de modo constante a maioria dos factores flutuantes que se encontram na natureza. Mesmo assim, eles apuraram que mesmo sob condições altamente controladas, as plantas de mostardas modelo que eles estudavam (Arabidopsis thaliana) exibia um nível de bioengenharia notável, para além de executar operações matemáticas.
Os pesquisadores propuseram que o processo era controlado por dois conjuntos de moléculas distintos: um media o tempo (análogo a um relógio interno) enquanto o outro media e monitorizava as reservas de amido. Estes dois conjuntos de moléculas operam em sintonia e de um modo dinâmico e matemático como forma de controlar a taxa de uso das reservas de amido durante a noite (período em que a planta está em crescimento mas não está a executar a fotossíntese). Richard Buggs, um conhecido proponente da teoria científica do Design Inteligente (bem como cientista botânico na “Queen Mary”, Universidade de Londres) afirmou à BBC:
“Isto não é evidência para a inteligência das plantas. Isto apenas sugere que as plantas possuem um mecanismo [interno] arquitectado de modo a que possa regular de modo automático a velocidade a que elas queimam carboidratos durante a noite. As plantas não realizam operações matemáticas de um modo voluntário e deliberado como nós fazemos realizamos.” (2, 3)
De facto, estes resultados claramente dão o seu apoio ao incrível design de bioengenharia e à biocomplexidade dos sistemas vivos que permitem respostas dinâmicas coordenadas do organismo (e da sua fisiologia) ao meio ambiente onde ele vive. Claramente, Quem deve receber o crédito por ter criado este mecanismo espantoso é Deus, a Inteligência Infinita por trás da complexidade das formas de vida.
* * * * * * *
Os evolucionistas ateus, que alegam estar totalmente de acordo com o método científico, têm que ser capazes de responder a estas perguntas: podem as forças não-inteligentes da natureza gerar sistemas que operem segundo princípios matemáticos? Pode a não-inteligência gerar a inteligência? Existe algum outro sistema que opera segundo matemáticos que não seja o resultado de design inteligente? Qual?
Qualquer pessoa não ébria com o darWINE poderá rapidamente analisar estes dados científicos e concluir que as plantas devem a sua origem a um processo de criação – e não a um processo não-inteligente como a evolução neo-darwiniana. A ciência, quando analisada longe dos limites não-científicos do naturalismo, está em pleno acordo com a Palavra de Deus. E nem poderia ser de outro modo porque o Autor da Bíblia é o Criador das leis naturais e dos mecanismos biológicos estudados pelos cientistas (criacionistas ou evolucionistas).
“E cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo:Grandes e maravilhosas são as Tuas obras, Senhor Deus Todo-Poderoso!justos e verdadeiros são os Teus caminhos, ó Rei dos santos.” Revelação 15:3
Referências
1. Scialdone, A. et al. Arabidopsis plants perform arithmetic division to prevent starvation at night. Posted on elife.elifesciences.org June 25, 2013, accessed July 1, 2013.
2. Briggs, H. 2013. Plants ‘do maths’ to control overnight food supplies. BBC News Science & Environment. Posted on bbc.co.uk June 23, 2013, accessed July 1, 2013.
3. Briggs, H. 2013. Plants ‘do maths’ to control overnight food supplies. BBC News Science. Posted on customnewscast.com June 24, 2013, accessed on July 1, 2013.
Fonte: Darwinismo.

Sobre árvores mumificadas e evolucionistas voluntariamente ignorantes!

Foi anunciada há algum tempo a descoberta de madeira mumificada e de outro material botânico no “Quttinirpaaq National Park” no Árctico Canadiano. A área é estéril e gelada, a menos de 8º a sul do Polo Norte geográfico. As temperaturas locais podem cair até aos -50ºC.

ArticoAgindo segundo notificação dum ranger local, o cientista Joel Barker (Ohio State University) encontrou troncos de árvores partidos e ramos “extraordinariamente preservados“, e “até pétalas”, que haviam emergido dum glacial local. Ele e a sua equipa afirmaram que os pinheiros, os abetos e árvores bétulas haviam sido originalmente enterradas num deslizamento de terra. Apesar da condição incrivelmente recente da madeira, Barker, um crente nos imaginários “milhões de anos”, anunciou recentemente que as árvores encontradas tinham entre 2 a 12 milhões de anos.
De modo surpreendente, e apesar das idades conferidas, a madeira ainda é completamente madeira e ainda pode ser queimada ; ela ainda não petrificou (isto é, ainda não se tornou em pedra). Até as estruturas mais delicadas tais como as folhas foram preservadas de um modo perfeito. Agora que se encontra exposta aos elementos naturais, a madeira começou a apodrecer.
Robert Blanchette, biólogo botânico na Universidade de Minnesota, encontrava-se claramente impressionado com a suposta idade do material.
Encontrar madeira com milhões de anos em tão bom estado de preservação – aparentando ter sido apanhada nas florestas actuais.
E tal como afirma Barker, “As árvores mortas têm a aparência de madeira seca que se encontra lá fora.“
Como foi que Barker chegou a tal data para o achado? Ele começou com a pressuposição de que a Terra tem milhares de milhões de anos, e prosseguiu usando a seguinte linha de pensamento:
– Uma vez que o pólen que desapareceu há cerca de 12 milhões de anos (segundo a linha temporal evolutiva) não está presente, as árvores não têm mais do que 12 nilhões de anos. E uma vez que os núcleos oceânicos indicam que as florestas desapareceram do Ártico há 2 milhões de anos atrás (mais uma vez, segundo os métodos de datação evolucionistas), Barker acredita que a madeira tem essa idade.
Conclusão bastante simples, certo? Mas, como sempre, as “conclusões simples” do evolucionismo ignoram dados relevantes.
Arvore MumificadaComo é que alguém pode realmente acreditar que a madeira e as folhas puderam sobreviver em tal estado de frescura e preservação, estando elas localizadas num sítio perto da superficie, por 1 milhão de anos, muito menos por 12 milhões de anos, mesmo que rodeadas de gelo? Material orgânico inalterado elegantemente preservado tal como o encontrado no Árctico Canadiano, sugere um limite máximo da ordem das centenas ou milhares de anos para a sua idade – mas nunca na ordem dos imaginários “milhões de anos”.
Barker disse ainda:
Quando começamos a retirar folhas do solo, apercebemo-nos da surrealidade da situação quando nos mentalizamos que elas tinham milhões de anos e nós podíamos tê-las nas mãos.
Sim, “surreal” é uma boa palavra para descrever a fé dos evolucionistas. Por “surreal” entenda-se “irreal” e “fantasiosa”. Os milhões de anos encontram-se na sua cabeça e não nas suas mãos.
* * * * * * *
Portanto, os cientistas encontram materiais orgânicos “extraordinariamente preservados“, mas em vez de colocarem em causa a sua fé nos milhões de anos, eles acomodam este achado dentro do seu sistema de crenças evolutivo. Isto demonstra de forma cabal como as evidências por si só não têm o poder de mudar a fé do evolucionistas. Para eles, a evolução é um paradigma onde todos os dados têm que ser forçosamente acomodados (por mais anti-evolutivos que eles sejam).
Isto é muito importante de se levar em consideração, para quem tem o hábito de debater com evolucionistas: quando vocês oferecem evidências científicas (contra a teoria da evolução) a um evolucionista, vocês estão a debater com alguém que tomou a decisão consciente de rejeitar à priori tudo o que possa estar de acordo com o Criacionismo e, consequentemente,  contra a teoria da evolução. Não é que as evidências não sejam suficientes; o que se passa é que o evolucionista não quer deixar de acreditar na teoria da evolução.
Os evolucionistas são, assim, tal como diz a Bíblia, voluntariamente ignorantes:
Eles voluntariamente ignoram isto: que, pela palavra de Deus, já desde a antiguidade existiram os céus e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste.
2 Pedro 3:5
Fonte: Darwinismo.
Nota: Creio que é possível existir uma mudança de cosmovisão, e e. No entanto, me parece que isso tem que ver com o caráter de cada um. Uma pessoa desonesta, por exemplo, pode enxergar seus erros, mas não reconhecê-los, ou ainda reconhecê-los mas não se arrepender e buscar a mudança! Ora a Deus para que todos os leitores escolham a honestidade  e peçam ajuda a Jesus Cristo quanto aquilo que são incapazes de fazer sozinhos! (Hendrickson Rogers)

A corrupção científica somada à ganância inescrupulosa da indústria farmacêutica e os (pseudos)tratamentos do CÂNCER! (3ª parte)

Mais sobre tratamentos ortodoxos de câncer Você provavelmente acredita que a verdadeira taxa de cura dos tratamentos de câncer está por volta de 40% e é crescente. Essa crença é o resultado de uma variedade ampla de truques elegantes estatísticos (que serão discutidos na Parte 2 desse artigo). O fato é que quando você é diagnosticado com câncer, e você não usa nada além de tratamentos ortodoxos, sua chance de sobreviver ao seu câncer (e sobreviver ao seu tratamento de câncer) é de apenas 3%. Além disso, mesmo os 3% que sobrevivem têm seus corpos tão severamente danificados que se tornam vulneráveis a futuros acometimentos de câncer.
Aqui está o que realmente acontece ao típico paciente com câncer:

Passo 1) O paciente vai ao médico e é diagnosticado com câncer,
Passo 2) O cirurgião de câncer corta fora as partes do corpo com alta concentração de células cancerosas,
Passo 3) Os oncologistas receitam ao paciente quimio e/ou radioterapia,
Passo 4) Eles enviam o paciente para casa “em remissão,”
Passo 5) O câncer logo aparece de novo (porque eles realmente não curaram o paciente),
Passo 6) Voltar ao Passo 1)

Esse ciclo continua até que o paciente é encaminhado para casa, para morrer (claro, eles são mandados para casa, para morrer, depois de mais uma rodada de quimioterapia e radioterapia). Logo o paciente morre. Esse é virtualmente o ciclo para todos os pacientes com câncer.  A única diferença entre um paciente e outro está no número de vezes em que o ciclo é repetido.

Isso é Medicina?
Daqui a cem anos os médicos da época olharão para a “Medicina” de hoje com total e absoluta repugnância. Não há absolutamente nenhuma desculpa para o que está acontecendo, hoje, na Medicina. Mesmo aqueles que param com esse contra-senso e vão para a Medicina Alternativa têm problemas sérios. A quimioterapia, a radioterapia e a cirurgia virtualmente destroem o sistema imunológico da pessoa. Um tratamento natural bem delineado, por outro lado, que realmente incluirá vários produtos diferentes que fazem coisas diferentes, construirão realmente o sistema imunológico da pessoa para ter certeza de que o câncer não retornará. Mas a Medicina Alternativa não pode remendar um sistema imunológico que tenha sido destruído. Por essa razão, os tratamentos alternativos mais potentes de câncer não dependem do sistema imunológico. 

Mas é ainda pior. Primeiro, noventa e cinco por cento dos pacientes com câncer que procuram tratamentos alternativos já foram dados como mortos pela Medicina Ortodoxa. Em outras palavras, eles primeiro foram à Medicina Ortodoxa, seus corpos foram destruídos pela Medicina Ortodoxa, ENTÃO eles decidiram ir para os tratamentos alternativos de câncer. Segundo, porque tão poucos tratamentos alternativos de câncer podem curar pessoas que foram mandadas para casa, para morrer, pela Medicina Ortodoxa, muito poucos pacientes com câncer encaminhados para casa, para morrer, escolhem um tratamento forte o suficiente para lhes dar uma chance de lutar. Em outras palavras, muito poucos desses pacientes com câncer escolhem um dos mais potentes tratamentos alternativos de câncer. Essas duas coisas criam uma desvantagem grave para a Medicina Alternativa. A Medicina Alternativa perdeu de 1 a 4 anos de tratamento desse paciente e de reforço do seu sistema imunológico – porque o paciente estava usando tratamentos ortodoxos. Além disso, depois dos tratamentos ortodoxos, o paciente está em condição física e mental muito piores do que estava quando foi primeiro diagnosticado.Por isso é que há tão poucos tratamentos alternativos de câncer que atingem uma taxa verdadeira de cura de 50% nesses pacientes. 


Se colocarmos tudo isso junto, chegamos aos seguintes fatos:
1) Quase 100% de todos os novos pacientes diagnosticados com câncer procuram a Medicina Ortodoxa primeiro.
2) Aproximadamente 97% desses pacientes morrem, ou são enviados para casa, para morrer e morrem mais tarde devido ao seu câncer e/ou seu tratamento de câncer.
3) Somente uma pequena porcentagem de pacientes com câncer mandados para casa, para morrer, procura, alguma vez, tratamentos de câncer alternativos, eles simplesmente vão para casa e morrem.
4) Dos que procuram tratamentos alternativos de câncer, só uma pequena porcentagem escolhe um tratamento forte o suficiente para lhes dar uma chance de 50% de sobrevida.
É de admirar que mortes por câncer continuam crescendo apesar do poder de alguns tratamentos alternativos de câncer?

Então, qual é a taxa de cura de pacientes com câncer recém diagnosticados que buscam exclusivamente a Medicina Alternativa? Depende de quão perigosos são seus cânceres e qual tratamento eles escolhem. Há mais de 300 tratamentos alternativos de câncer. Se eles escolhem a melhor alternativa para sua situação, logo após serem diagnosticados, uma verdadeira taxa de 90% ou mais de cura é relativamente fácil de atingir. Além de tudo, há pelo menos duas dúzias de tratamentos alternativos que podem chegar perto de 90% de taxa verdadeira de cura igualmente para aqueles que usam exclusivamente tratamentos alternativos de câncer. O surpreendente é que a Medicina Ortodoxa teve suas oportunidades para ter sua taxa de cura de 90%. Há duas substâncias que permitem a quimioterapia de atingir com segurança as células cancerosas: a insulina e a DMSO. A insulina permite que pequenas quantidades de quimioterapia atinjam as células cancerosas devido à maneira que ela trabalha com as membranas da célula. O tratamento é chamado Terapia de Potenciação com Insulina (IPT, da sigla em inglês). A DMSO realmente se liga a pequenas quantidades de determinadas drogas quimioterápicas. A DMSO, que possui uma afinidade muito alta com células cancerosas, então empurra a quimioterapia para dentro da célula, junto com ela. Neste website, esse tratamento é chamado Terapia de Potenciação DMSO (DMSO Potentiation Therapy – DPT). A DPT e a IPT são tratamentos fáceis de serem combinados. É um tratamento muito potente. Mas não pergunte ao seu oncologista sobre o mesmo, ele, ou ela, provavelmente nunca ouviu falar dele. Porque esses dois tratamentos usam doses muito baixas de quimioterapia (aproximadamente 1/10 de uma dose normal), e porque a quimioterapia atinge as células cancerosas, esses dois tratamentos são muito potentes e não têm praticamente nenhum efeito colateral. 


Mas a Medicina Ortodoxa não usa suas próprias descobertas! Ela prefere ter uma taxa de 3% do que uma taxa de cura de 90%!! Veja esse artigo sobre essas duas substâncias: Artigo: DMSO – A bala mágica para câncer (DMSO – The Magic Bullet For CâncerEntão, se isso é verdade, e é verdade, por que você nunca ouviu isso na televisão umas cem vezes durante toda a sua vida? Por que astros de cinema, “repórteres investigativos”, etc. constantemente não elogiam a enorme superioridade dos tratamentos alternativos de câncer?


Por que você não ouviu falar dessas coisas antes Tudo o que você ouve durante a sua vida não é baseado em quem é mais verdadeiro, mas, sim, em quem tem mais dinheiro. Se você não imaginou isso até agora, é melhor imaginar rapidamente. O norte-americano médio não sabe absolutamente nada sobre tratamentos alternativos de câncer, exceto rumores sobre pessoas que provavelmente usaram o tratamento errado. Vamos considerar as razões para essa falta de informação acurada e útil sobre tratamentos alternativos de câncer com a seguinte lista de fatos: 


Fato no.1) Quase todo norte-americano obtém a vasta maioria das suas informações, diretamente ou indiretamente, na mídia, que inclui televisão, rádio, jornal, revistas etc. Somente a Internet, livros e e-mails não seriam considerados parte da “mídia”.
Fato no. 2) A indústria farmacêutica gasta US $3 bilhões, por ano, em propaganda na mídia.
Fato no. 3) Na década de 1940, o livro: The Drug Story (A história da droga) foi publicado pelo dono de jornal Morris Bealle. Esse livro expôs a enorme corrupção na mídia devido aos dólares de propaganda. Em outras palavras, ele expôs por que os jornais (isso foi antes da televisão) recusavam dizer a verdade sobre a corrupção das corporações devido ao medo de perder os dólares de propaganda dessas mesmas corporações corruptas. Entretanto, era bastante conhecido, bem antes da década de 1940, que o dinheiro da propaganda influenciava a mídia. Na verdade, isso ficou sabido não mais tarde do que a década de 1880. Em outras palavras, por mais de 100 anos, a mídia compreendeu claramente que se você diz coisas na mídia que são verdadeiras, mas, que reduzem os lucros dos seus anunciantes, você rapidamente perderá não somente a receita da propaganda daquela companhia, mas, possivelmente, de muitas outras companhias também (que também temem qualquer tipo de honestidade). Consideremos esse trecho da fala de um famoso jornalista a um grupo de outros jornalistas, ocorrida na década de 1880:


“Não existe nada como uma imprensa independente, na América, até o dia de hoje da história do mundo [1880]. Você sabe disso e eu sei disso. Não há sequer um de vocês, aqui, que se atreva a escrever suas opiniões honestas, e se o fizesse, você sabe de antemão que elas nunca apareceriam escritas. Eu sou pago semanalmente para manter minhas opiniões honestas fora do jornal ao qual eu estou ligado. A outros de vocês são pagos salários semelhantes para coisas semelhantes, e qualquer um de vocês que fosse bobo o suficiente para escrever opiniões honestas estaria na rua, procurando outro trabalho. Se eu permitisse que minhas opiniões honestas aparecessem em um número do meu jornal, antes de vinte e quatro horas meu trabalho teria desaparecido. O serviço dos jornalistas é destruir a verdade, mentir completamente, perverter, deturpar, difamar, bajular a riqueza e vender seu país e sua raça [humana] em troca do seu pão de cada dia. Você sabe e eu sei, e que asneira é essa de brindar a uma imprensa independente? Nós somos ferramentas e vassalos de ricos homens por trás dos bastidores. Somos os “jumping jacks”[1], eles dão corda e nós dançamos. Nossos talentos, nossas possibilidades e nossas vidas são propriedades de outros homens. Nós somos prostitutas intelectuais.” (John Swinton (1829-1901) preeminente jornalista de Nova York e chefe do corpo editorial do New York Times. Citado numa noite entre 1880-1883. Transcrito por Upton Sinclair no seu livro de 1919: The Brass Check: A Study of American Journalism, página 400).

Mesmo embora Upton Sinclar fosse famoso em 1919, porque ele estava criticando a corrupção na mídia, ele teve de bancar financeiramente a publicação do seu livro. Absolutamente nada mudou desde a década de 1880.
Fato no.4) Como resultado do item anterior e dos 3 bilhões de dólares gastos pela indústria farmacêutica com a mídia, é requerido aos jornalistas norte-americanos que sejam altamente, altamente leais à indústria farmacêutica. Um único escorregão verbal de um jornalista, no ar ou fora do ar, irá custar-lhe o emprego. A aprovação prévia dos anunciantes é exigida para se dizer algo levemente negativo sobre a indústria farmacêutica. Essas mesmas regras se aplicam à maioria das indústrias, não somente às indústrias farmacêuticas.
Fato no.5) Os tratamentos ortodoxos de câncer (ou seja, cirurgia, quimioterapia, radioterapia e muitos outros) usados na medicina “moderna” são igualmente subservientes à indústria farmacêutica. Na verdade, a medicina “moderna” era corrupta bem antes da indústria farmacêutica “tomar conta” das faculdades de medicina há muitas décadas atrás. Os médicos que estão sob o controle da Associação Médica Americana não possuem permissão para usar qualquer substância natural no tratamento de câncer. Aos “médicos” modernos não se ensina nada a não ser medicina que usa drogas prescritas.
Permite-se que os médicos usem substâncias naturais somente no tratamento dos sintomas das drogas prescritas. Isso é chamado “Medicina Alternativa complementar (CAM, da sigla em inglês)”. A CAM não é desenhada para tratar nenhuma doença! Devido ao dinheiro da indústria farmacêutica: a comunidade médica, a mídia e os políticos são todos subservientes à indústria farmacêutica. Todos estão juntos no mesmo saco. Há muitos livros escritos sobre esses assuntos.
Fato no. 6) Embora as companhias de vitamina possam fazer publicidade na mídia, as substâncias mais potentes que são usadas na maioria dos tratamentos naturais ou alternativos de câncer nunca são anunciadas na mídia. Assim, a mídia recebe $0,00 dólares de propaganda relacionada aos tratamentos alternativos viáveis de câncer. Assim, há uma diferença de $3 bilhões de dólares entre o que a indústria farmacêutica gasta com propaganda e o que ela gasta com as principais substâncias usadas nos tratamentos alternativos de câncer. Há uma diferença igualmente proporcional nas opiniões que você agrega quando assiste ou lê a mídia.
Fato no.7) Levando em conta todos os itens acima, é surpreendente que o norte-americano médio não ouve nada sobre tratamentos alternativos de câncer em qualquer tipo de mídia, mas ouve centenas ou milhares de coisas boas sobre a Medicina Ortodoxa na mídia, todo ano (milhares, se você incluir as propagandas da indústria farmacêutica). Você provavelmente não se lembra de ter ouvido qualquer coisa boa sobre a Medicina Ortodoxa. Toda vez que você assiste a um programa de televisão, que glorifica um médico ou hospital, você está sendo doutrinado. Toda vez que você ouve um programa de notícias que sugere que você deve procurar um médico para resolver algum problema, você está sendo doutrinado. Toda vez que você ouve uma propaganda de um produto farmacêutico, você está sendo doutrinado.
Mas você nunca ouve nada positivo sobre tratamentos alternativos de câncer. Isso é proposital.


Uma razão ainda maior para a grande farsa Mas o problema é muito mais profundo do que só dinheiro de propaganda. A questão da “posse-cruzada” e do “conselho-cruzado” de diretores é uma razão ainda mais significativa para a grande farsa. Por exemplo, no momento em que esse artigo está sendo escrito, a General Electric possui 80% da Rede NBC. A General Electric também possui 14 grandes afiliadas da NBC. A parceira da General Electric, Telemundo (que possui os outros 20% da NBC), possui 16 estações importantes de televisão. A propósito, a GE possui agora a Telemundo. Por que isso é significativo? A General Electric tem uma divisão importante chamada: “GE Healthcare” (Cuidados com a saúde – GE). Essa divisão inclui “GE Medical Systems Information Technologies,” “GE Healthcare Cintricity Pharmacy” (que já vendeu aproximadamente 6 bilhões de receitas) e outras organizações ortodoxas relacionadas à saúde. Todas essas organizações, e muitas outras, estão altamente envolvidas com a Medicina Ortodoxa. Assim, a mesma companhia, General Electric, possui grande parte tanto da mídia quanto da Medicina Ortodoxa. Tudo o que foi dito é apenas a ponta do iceberg. Há a questão do controle do “conselho-cruzado” de diretores, tais como entre as grandes clínicas de pesquisa de câncer e as companhias farmacêuticas. Há também a questão de 42 senadores (42%) dos Estados Unidos possuírem suas próprias ações da indústria farmacêutica. Assim, há a questão da porta giratória entre a FDA e a indústria farmacêutica. Há a questão desvendada por uma investigação do Los Angeles Times que descobriu que mais de 500 empregados dos institutos nacionais de saúde (National Institutes of Health -NIH) estavam recebendo subornos (ou seja, “honorários de consultas externas”) da indústria farmacêutica. Quando a chefia do NIH forçou um ano de moratória desses subornos (porque foram pegos e não devido a um mínimo de integridade), ele foi motivo de chacota para a multidão de empregados do NIH. Siga a trilha do dinheiro e tudo o levará de volta à indústria farmacêutica e à Associação Médica Americana (AMA). Agora você sabe por que o governo e a AMA não querem que você saiba toda a verdadeira história sobre as opções de tratamento do seu câncer. Agora você sabe por que não se permite que os médicos usem substâncias naturais no tratamento do câncer MESMO DEPOIS que a pessoa foi encaminhada para casa, para morrer. Pondere sobre isso cuidadosamente!!

Se a Medicina Alternativa é capaz de ter uma taxa de cura consistente de 90% ou mais, em pacientes recém diagnosticados, então fica claro que a Medicina Ortodoxa também é capaz de ter uma taxa de cura de 90% em pacientes recém diagnosticados se for permitido aos médicos usar substâncias naturais no tratamento da doença. E é exatamente por isso que não se permite que eles usem Medicina Alternativa para tratar a doença. Os 3% de taxa de cura dos tratamentos são tão mais lucrativos do que os tratamentos com taxa de cura de 90% que os “líderes” da Medicina Ortodoxa escolheram intencionalmente suprimir os muito superiores tratamentos alternativos de câncer. Se os médicos pudessem usar Medicina Alternativa nos pacientes enviados para casa para morrer, eles poderiam curar 50% deles. Isso levaria a perguntas sobre por que os tratamentos alternativos de câncer não foram usados primeiro! Por isso é que não se permite que os médicos usem Medicina Alternativa mesmo depois que a indústria farmacêutica e os médicos já têm seu dinheiro e o paciente é enviado para casa para morrer! Esse ponto é tão importante que não pode ser exageradamente enfatizado. Mesmo depois que a Medicina Ortodoxa consegue todo o dinheiro que pode do paciente de câncer, ainda assim não é permitido a ela curar o paciente com Medicina Alternativa. Esse é o fato mais poderoso de todos na batalha entre a Medicina Ortodoxa e a Alternativa. Seria muito embaraçoso para a Medicina Ortodoxa ter seus pacientes curados pela Medicina Alternativa depois que os tratamentos ortodoxos falharam! Portanto, para evitar o embaraço, eles recuam e observam seus pacientes terem uma morte dolorosa. Mesmo que os médicos saibam ou não o que está acontecendo, e possam ou não ser culpados pelo que está acontecendo, fica claro que médicos individuais podem ser severamente criticados por não terem coragem para fazer uma limpeza dentro dos conselhos estaduais e nacional da AMA e defender a saúde dos seus pacientes. Eles podem também ser criticados por não desejarem saber mais sobre os tratamentos alternativos de câncer. A maioria dos médicos não quer “entornar o caldo”. O que você ouve da “indústria do câncer” e da mídia não vem de ninguém preocupado com a sua saúde (ou sua vida), o que você ouve vem de pessoas que se preocupam com seus ativos pessoais. O que você ouve é controlado muito cuidadosamente por uma ampla rede de organizações de “controle-cruzado” e dinheiro de anunciantes.

Realmente, aqueles de nós interessados em dizer às pessoas sobre suas opções de tratamento de câncer se sentem como o reformista Upton Sinclair sentiu em 1919:


Eu estava determinado a fazer alguma coisa sobre a Indústria Condenada de Carne (Condemned Meat Industry). Eu estava determinado a fazer alguma coisa contra as condições de atrocidade em que homens, mulheres e crianças estavam trabalhando nos currais de Chicago. Nos meus esforços de fazer alguma coisa, eu estava como um animal na gaiola. As barras dessa gaiola eram os jornais, que se impunham entre o público e eu; e dentro da gaiola eu vagava para cima e para baixo, testando uma barra atrás da outra, descobrindo que era impossível quebrá-las. (Upton Sinclair, The Brass Check: A Study of American Journalism, página 39).

Mesmo sendo famoso em 1919, Sinclair teve de bancar a publicação desse livro. Com esse controle total da informação pela mídia, e a total dependência dos norte-americanos desse tipo de informação, é surpreendente que praticamente cada paciente diagnosticado com câncer escolha ir para a Medicina Ortodoxa?



Um sumário Vamos sumariar tudo o que foi dito até aqui:
1) Devido à ganância e à corrupção, a Medicina Ortodoxa usa os tratamentos mais lucrativos para câncer, assim sua verdadeira taxa de cura está ao redor de 3%.
2) A verdadeira taxa de cura da Medicina Ortodoxa poderia ser facilmente 90%, ou mais, se ela usasse os tratamentos de câncer ortodoxos mais eficazes ou os tratamentos alternativos de câncer mais eficazes.
3) Devido a uma ampla variedade de problemas, mas principalmente porque a maioria dos pacientes com câncer procura primeiramente os tratamentos ortodoxos de câncer, a taxa verdadeira de cura da Medicina Alternativa é desconhecida, mas está provavelmente ao redor de 10% a 15%.
4) Como a Medicina Ortodoxa, a taxa verdadeira de cura dos tratamentos alternativos de câncer poderia ser 90% ou mais alta se os pacientes de câncer recém diagnosticados procurassem os tratamentos alternativos de câncer ao invés dos tratamentos ortodoxos descobrissem e usassem os tratamentos de câncer alternativos mais eficazes para as suas situações.
5) Assim, a Medicina Alternativa e a Medicina Ortodoxa possuem essencialmente o mesmo potencial, particularmente se a Medicina Ortodoxa usasse os melhores tratamentos alternativos de câncer. Mas um médico corre o risco de perder sua licença médica, e possivelmente o risco de ir para a prisão, usando os tratamentos de câncer mais eficazes, alternativos ou ortodoxos. Assim, procurar os tratamentos ortodoxos é quase um erro devido à corrupção na medicina moderna.
6) Assim, para um paciente recém diagnosticado, por ter a opção de usar tratamentos de câncer alternativos, e a liberdade de procurar a Internet e os livros certos, sua única esperança de alcançar uma alta chance de sobreviver é usar os tratamentos de câncer alternativos.
Em suma, a guerra entre os tratamentos de câncer ortodoxos e alternativos não tem nada a ver com ciência, é uma guerra de informação e liberdade. Do ponto de vista da ciência, se o tratamento certo é escolhido, para uma dada situação, e o paciente evita a Medicina Ortodoxa (exceto em raras situações) devido à sua corrupção, os tratamentos de câncer alternativos são, em muito, superiores. Mas o lado que ganha a maioria dos pacientes com câncer é o lado que possui mais dinheiro.

Em outras palavras, porque são corruptos, a Big Pharma e a Big Medicine possuem mais dinheiro e mais influência sobre a mídia (que é essencialmente possuída e controlada pelas mesmas pessoas que possuem e controlam a indústria farmacêutica), assim quase todos os pacientes com câncer recém diagnosticados escolhem a pior opção possível porque a mídia tem suprimido a verdade, os enganado a pensar que a Medicina Ortodoxa atual é maravilhosa, submetendo-os à lavagem cerebral.

[1] Brinquedo norte-americano que consta de um boneco que pula de dentro de uma caixa de metal quando se aciona uma manivela da mesma.

Fonte: Cancertutor.

Nota: Apesar do tom generalista que o autor usou, não é difícil raciocinarmos da causa para o efeito que a ausência de Deus resulta nas relações humanas. Não é sensacionalismo afirmar que onde não há a fidelidade a Jesus Cristo, reina a corrupção, a crueldade e a morte! Como cristão é meu privilégio convidar ao leitores do blog a reflexão fundamental – você está preparando um caráter à prova de corrupção para a volta do Senhor Jesus? Ou seu instinto de sobrevivência não admite seu Criador e a intervenção dEle em sua história, para salvá-lo do pecado e da morte eterna? O Médico dos médicos aconselha-nos a todos: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu; Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te. Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo. Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas” (Apocalipse 3:14-22). Eu lhe sugiro Jesus e Sua filosofia, pois, segundo Ele, o resto é filosofia de Satanás, o inimigo da saúde e da vida. Você arriscaria descrer de seu Pai? (Hendrickson Rogers)

A corrupção científica somada à ganância inescrupulosa da indústria farmacêutica e os (pseudos)tratamentos do CÂNCER! (2ª parte)

Introdução à questão-chave: integridade A questão de tratar o câncer tem muito mais a ver com integridade do que com ciência. De fato, depois de quatro anos pesquisando essa mesma questão, ficou claro para esse autor que o tratamento de câncer, hoje, não tem nada a ver com ciência. Nada mesmo. É fato, se toda pessoa que vivesse na Terra vivesse a “Regra Dourada”, como deveria ser vivida, o câncer e várias outras doenças estariam atualmente em notas de rodapés dos livros de história. Por exemplo, em 1976, o duas vezes ganhador de Prêmio Nobel Linus Pauling, Ph.D., e um médico colaborador, Ewan Cameron, publicaram um estudo científico, na Escócia, cujos resultados mostraram que a Vitamina C, dada por via intravenosa, em doses de 10 gramas por dia, poderia aumentar seis vezes, ou mais, o período de tempo médio de vida de um paciente com câncer terminal. Tivesse a comunidade médica a mínima integridade, ela teria rapidamente replicado esse estudo, chegado à mesma conclusão (porque eles teriam feito exatamente o que ele fez), e teria rapidamente começado a dar a cada paciente com câncer, terminal ou não, 10 gramas de Vitamina C por via intravenosa, todo dia. Entretanto, isso não aconteceu.
O que realmente aconteceu foram três estudos feitos na Clínica Mayo, todos diretamente resultantes do estudo Pauling/Cameron. Entretanto, esses estudosnão foram delineados para replicar a pesquisa Pauling/Cameron. Em vez disso, eles foram delineados para EVITAR a replicação do protocoloPauling/Cameron, EVITAR a combinação dos seus pacientes e EVITAR seus métodos estatísticos. Obviamente, se você não segue o mesmo protocolo, você não consegue os mesmos resultados. E eles não conseguiram. Eis o que a Sociedade Americana do Câncer (American Câncer Society – ACS) diz sobre essa questão:

“O estudo de Pauling tem sido criticado pelo Instituto Nacional do Câncer (National Câncer Institute – NCI), uma divisão do Instituto Nacional de Saúde (NIH, da sigla inglesa), uma agência do governo norte-americano, por ter sido tão pobremente delineado, e os estudos subseqüentes feitos na Clínica Mayo mostraram que pacientes com câncer avançado que receberam a mesma dose de vitamina C não sobreviveram mais tempo do que aqueles que não receberam o suplemento. Entretanto, os experimentos da Clínica Mayo também têm sido criticados por não terem endereçado completamente todas as questões relacionadas aos efeitos da vitamina C, os quais ainda deixaram questões sobre sua eficácia no tratamento de câncer.” http://www.câncer.org/docroot/ETO/content/ETO_5_3x_Vitamin_C.asp
A ACS teria sido insana se desafiasse a integridade de Linus Pauling (um de seus prêmios foi o Prêmio Nobel da Paz, o outro de Química). Então, eles citam o totalmente corrupto NIH (Nota: 500 funcionários do NIH foram pegos recentemente aceitando subornos da indústria farmacêutica, os quais eles denominaram “honorários de consultoria externa”) e declaram que um químico famoso no mundo inteiro, e ganhador de dois prêmios Nobel, não sabe delinear um estudo científico!! Mas eles também admitem que a clínica Mayo não usou o mesmo protocolo de Pauling e Cameron. Então, se ainda há “perguntas deixadas de lado”, por que a ACS não usou seus milhões de dólares de receita e seu poder político para corrigir o erro e replicar o estudo como feito originalmente? Já se passaram 30 anos desde que foi feito o estudo original, mesmo assim ninguém na Medicina Ortodoxa, com seus bilhões de dólares para pesquisa, nem mesmo a ACS ou o NIH, replicou o estudo de Pauling /Cameron. 
Parece que aumentar seis vezes a expectativa de vida de pacientes com câncer terminal não é importante para a Medicina Ortodoxa.
De fato, dois outros estudos replicaram de modo mais aproximado o estudo de Pauling/Cameron do que o fez a Clínica Mayo. Ambos os estudos obtiveram os mesmos resultados de Pauling/Cameron. Para maior informação, veja: Artigo do eBook: “Estudo de caso da corrupção científica” (“Case Study of Scientific Corruption” )
Mas esse é apenas um de muitos, muitos casos onde tratamentos altamente eficazes de câncer foram perseguidos e/ou ignorados. Há, na verdade, um padrão. Um padrão muito claro. O padrão é que se substâncias naturais estão envolvidas, tais como a vitamina C, o estudo e evidência sofrem perseguição e/ou são ignorados. Quando substâncias naturais estão envolvidas, dá-se o nome de “Medicina Alternativa”. Deveria se chamar “Medicina Perseguida e/ou Ignorada.” Há mais de 300 tratamentos alternativos de câncer que usam substâncias naturais, tais como a vitamina C. Cada um deles é mais eficaz do que o protocolo Pauling/Cameron. Cada um deles é, de longe, mais eficaz do que a quimioterapia e/ou a radioterapia. Todos são ignorados e muitos deles têm sofrido perseguição. Mas, existe uma clara razão para essas substâncias naturais serem ignoradas. Não tem nada a ver com sua eficácia. A indústria farmacêutica não pode patentear e controlar e, portanto, não pode lucrar com substâncias naturais. Ela pode somente cobrar preços monopolistas de moléculas sintéticas, muitas das quais são nada mais que mutações de moléculas naturais. 

O que está acontecendo com a indústria do câncer? O jornal USA Today, de 22 de fevereiro de 2006, mencionou que lá pelo ano 2015, os gastos com saúde poderiam representar 20% do PNB (Produto Nacional Bruto). Agora sejamos lógicos. Suponha que uma cura de câncer foi encontrada; e suponha que um tratamento para evitar 90% de todos os problemas com doenças cardíacas foi encontrado; e suponha que uma cura para diabetes II foi encontrada. Os gastos com saúde atingiriam 20% do PNB? É claro que não. Todas essas doenças são altamente lucrativas, tanto para a indústria farmacêutica quanto para a indústria médica. Portanto, na essência, o artigo do U.S. Today estava prevendo que nenhuma cura para essas doenças altamente lucrativas terá sido descoberta até 2015.Essa é uma previsão segura!! Uma previsão mais segura seria a de que cada novo tratamento para as doenças lucrativas será mais caro e mais lucrativo do que os tratamentos existentes!! Aqui vai uma previsão segura, a cifra dos 20% será atingida antes de 2015. Aqui está ainda outra previsão segura: a mídia continuará a suprimir os tratamentos alternativos de câncer, doenças do coração, demência, diabetes etc. Veja esse websitwe, você ficará surpreendido com o que a Medicina Alternativa já pode prevenir e curar: Dementia, Heart Disease, Diabetes, etc. Website
Faça-se a seguinte pergunta: “Quando foi a última vez que a Medicina Ortodoxa usou seus lucros maciços para descobrir a cura de uma doença?” Quando foi a última vez que a cura de uma doença que usava drogas prescritas foi descoberta? Se você disse pólio, você está errado. Pólio foi curada por um médico na década de 40, do século passado, mas, a cura foi suprimida porque ele usava uma forma de vitamina C, a qual companhias de medicamentos não poderiam patentear e controlar. Você já se perguntou o que aconteceria se alguém descobrisse uma cura para câncer? Você provavelmente pensa que a pessoa descobridora da cura seria convidada por todo show de televisão dos Estados Unidos e que ganharia o Prêmio Nobel de Medicina. Tal pessoa tornar-se-ia rica e famosa da noite para o dia. Puro sonho. É difícil, se não impossível, convencer o norte-americano médio de que a Medicina Ortodoxa de hoje não é somente corrupta, ela é mais corrupta do que já o foi em toda a história da Medicina. Isso é muito significativo porque a Medicina Ortodoxa estava pesquisando curas para doenças nos anos 1700. Com Muito Dinheiro, vem Muita Corrupção. Quanto mais dinheiro, maior a corrupção. Infelizmente, há algumas pessoas na Medicina Alternativa mais interessadas em lucros do que nos seus pacientes. A maior diferença entre a Medicina Ortodoxa e a Medicina Alternativa é a liberdade. Permite-se às pessoas íntegras na Medicina Alternativa um grau elevado de liberdade para ajudar outras. Entretanto, a Food and Drug Administration – FDA – (agência governamental de Administração de Medicamentos e Alimentos) está sempre procurando desculpas para esmagar as pessoas que sabem como curar doenças que são altamente lucrativas para a Big Pharma (Grande Indústria Farmacêutica) e para a Big Medicine (Grande Medicina).
No entanto, apesar de alguma perseguição, há mais de 300 tratamentos alternativos de câncer existentes no momento. Cada um deles pode curar alguns casos de câncer, se a pessoa começar a usar o tratamento imediatamente após ser diagnosticadaEntretanto, há uma gama muito ampla de eficácia desses tratamentos, particularmente quando usados em pacientes com câncer avançado. O problema com a Medicina Alternativa é que os pacientes são deixados à própria sorte para descobrir quais os tratamentos que funcionam para as suas situações – – e quais não funcionam. Ao contrário da Medicina Ortodoxa, que é muito uniforme em todo o país, a Medicina Alternativa não é nem organizada e nem uniforme. A busca pela verdade é sempre uma estrada sinuosa e cheia de pedras, particularmente quando há dinheiro envolvido. Algumas pessoas pensam erroneamente que os médicos não usam os melhores tratamentos alternativos de câncer porque eles não sabem quais tratamentos são realmente eficazes. Enquanto as faculdades de medicina transformam médicos em nada mais que vendedores, essa não é a razão pela qual os médicos não usam substâncias naturais no tratamento da doença. Os médicos sabem ler. Mas eles também sabem que se eles usarem um único desses tratamentos alternativos num único paciente com câncer, eles correrão o risco de perder suas licenças e ir para a cadeia!! Ao mesmo tempo em que essa atitude cria uniformidade na Medicina Ortodoxa, é essa atitude que também esmaga o progresso. A Medicina Ortodoxa é um monopólio altamente controlado, totalmente controlado pela combinação da Big Pharma com a Associação Médica Americana (American Medical Association – AMA). A supressão da verdade pela Grande Medicina é a razão deste, e de muitos outros websites, existirem. Nada é vendido neste website, nem mesmo informação. O maior propósito deste website é tornar a informação sobre tratamentos alternativos de câncer gratuita e disponível para o público de modo que mais e mais pessoas saibam quais são os tratamentos alternativos mais fortes de câncer.

Porque alguns tratamentos alternativos de câncer são, em muito, superiores aos tratamentos ortodoxos de câncer Durante toda a vida, você provavelmente aprendeu que as substâncias naturais da Natureza Mãe não podem de modo algum ser tão eficazes contra o câncer quanto as moléculas sintéticas altamente potentes feitas pelas companhias de medicamentos. Em outras palavras, ensinaram-lhe que as drogas da quimioterapia matam células cancerosas de modo muito melhor do que qualquer coisa que a Mãe Natureza possa formar. Isso não é definitivamente uma afirmativa verdadeira, mas, mesmo se fosse, seria uma questão irrelevante! A questão-chave é qual das duas, as drogas patenteadas ou os minerais e nutrientes da Mãe Natureza, atinge melhor as células cancerosas. O fato é que a quimioterapia não atinge somente as células cancerosas. Na verdade, a quimioterapia mata muito mais células saudáveis do que células cancerosas. Isso significa que a quimioterapia deve ser dada em doses muito, muito baixas, distribuídas em longos períodos de tempo, e deve incluir intervalos entre os tratamentos. Esse fluxo das drogas é regulado porque muitas células saudáveis seriam mortas se muita quimioterapia em excesso fosse ministrada muito rapidamente. A razão pela qual a Medicina Ortodoxa trata o câncer como uma doença crônica é porque os tratamentos ortodoxos matariam o paciente muito antes de o tratamento matar o câncer. Esse fracasso da Medicina Ortodoxa em matar células cancerosas com segurança (isto é, atingir as células cancerosas com segurança) é a razão de se falar de “uma taxa de cura em cinco anos” ao invés de uma verdadeira taxa de cura. Se eles conseguem manter um paciente vivo por cinco anos eles consideram o paciente “curado”, mesmo se ele morrer no sexto ano. Os tratamentos de câncer da Mãe Natureza, chamados de tratamentos naturais de câncer, ou mais comumente “tratamentos alternativos de câncer,” geralmente não fazem absolutamente nenhum mal às células saudáveis. Isso é porque o corpo humano, que foi feito pela Mãe Natureza, sabe exatamente o que fazer com os minerais e nutrientes da Mãe Natureza.

Praticamante todos os tratamentos naturais de câncer não matam células saudáveis – nem uma sequer. Essa é a chave – devido ao fato de os tratamentos alternativos não prejudicarem ou matarem células saudáveis, os itens da natureza que podem matar células cancerosas podem ser dados em doses muito maiores do que os da quimioterapia – sem quaisquer intervalos no tratamento!! Assim, mesmo se as mutações das moléculas naturais, chamadas drogas, fossem mais potentes para matar células cancerosas do que as moléculas naturais originais, devido à superioridade das substâncias naturais em atingir somente células cancerosas ou deixando saudáveis as células saudáveis, os tratamentos alternativos de câncer podem ser muito mais eficazes do que as drogas ortodoxas no tratamento do câncer! Devido ao fato de a Mãe Natureza não necessariamente condensar os nutrientes matadores de câncer encontrados nos alimentos, alguns dos tratamentos de câncer mais potentes são minerais iônicos líquidos, certos tipos de tratamentos com ozônio, e outros tratamentos naturais que contêm moléculas que podem ser condensadas, tais como a vitamina C (mas não as doses Pauling/Cameron). O quão eficazes são os melhores tratamentos da Mãe Natureza? Muitos tratamentos alternativos de câncer atingiram uma taxa verdadeira de cura consistente de 50% em pacientes que haviam desistido da Medicina Ortodoxa e que haviam sido encaminhados para casa, para morrer! Tais resultados são possíveis porque esses tratamentos-chave alternativos de câncer não somente atingem exclusivamente as células de câncer, eles podem ser aplicados numa forma bastante condensada e potente, eles não necessitam de um catalisador, e eles podem ser aplicados seguramente em doses muito mais altas do que as de quimioterapia. Pondere sobre isso muito cuidadosamente! Também pondere sobre a taxa de cura verdadeira desses mesmos tratamentos em pacientes com câncer que usam esses tratamentos exclusivamente, o que significa que eles não perderam vários meses de tratamentos ortodoxos!

Entretanto, não pressuponha que todo tratamento alternativo é tão eficaz. Muito poucos dos 300+ tratamentos alternativos de câncer podem chegar a qualquer coisa próxima da taxa verdadeira de cura de 50% em pacientes desenganados pela Medicina Ortodoxa.  Um dos maiores erros cometidos por pessoas que buscam tratamentos alternativos de câncer é pressupor que se um tratamento alternativo de câncer cura um paciente, irá curar todos os pacientes com câncer, independentemente das condições em que eles se encontrem. Essa é uma pressuposição perigosa porque muito, muito poucos dos 300+ tratamentos alternativos de câncer são condensados e potentes o suficiente para curar 50% daqueles que foram encaminhados para casa, para morrer, pela Medicina Ortodoxa. Muito poucos. 

Exemplo de um dos potentes tratamentos alternativos de câncer Há muito poucos minerais que conseguem adentrar as células cancerosas. Dois dos minerais que conseguem entrar nas células cancerosas são o césio e o potássio. Uma vez que o césio entra na célula de câncer, ele começa a “puxar” potássio do sangue para dentro da célula cancerosa (suplementação de potássio é requerida quando esse tratamento é usado para reabastecer o potássio do sangue que foi retirado para dentro das células cancerosas). Quando há uma quantidade suficiente de césio e/ou potássio dentro da célula cancerosa, a entrada de glucose na célula cancerosa fica bloqueada. Uma vez que a glucose alimenta a célula cancerosa, a célula cancerosa irá, no final, morrer de fome. Não somente isso, mas o césio e/ou potássio impedirão também as células cancerosas de produzir ácido lático, o que significa que eles bloquearão o ciclo de caquexia na célula cancerosa. Outros itens também ajudam a bloquear ou superar o ciclo de caquexia de maneiras diferentes (por exemplo, o sulfato de hidrazina bloqueia o ciclo de caquexia no fígado). O Dr. A. Keith Brewer, Ph.D., descobriu, nos anos 80, como o césio pode tratar o câncer. Além de tratar o câncer, ele pode tratar a dor do câncer dentro de12 a 36 horas, dependendo do que estiver causando a dor. O cloreto de césio iônico líquido, usado nos dias de hoje, é muito mais potente do que o carbonato de césio dos anos 80. O protocolo completo inclui vários outros itens. Aqui está um artigo sobre esse tratamento: Artigo: The Cesium Chloride / DMSO Protocol
Como os tratamentos alternativos de câncer mais potentes, esse tratamento é tão potente em matar células cancerosas que ele precisa ser “distribuído” no tempo, ou seja, doses precisam ser estabelecidas de modo que o corpo tenha tempo para remover, com segurança, os escombros causados pelas células cancerosas mortas. Você já deve ter notado que os tratamentos ortodoxos de câncer precisam ser “distribuídos” devido a todas as células saudáveis que eles matam. Mas, os tratamentos alternativos de câncer precisam ser “distribuídos” devido a todas as células cancerosas que eles matam. Devido ao número de células cancerosas mortas pelo tratamento cloreto de césio/ DMSO, o paciente com câncer precisa do conselho de um fornecedor especialista, que saiba como usar esses produtos com segurança. Felizmente, tais especialistas existem. De fato, todos os tratamentos alternativos mais potentes de câncer requerem parecer de especialistas, por telefone ou numa clínica. Por exemplo, o ozônio RHP e o ozônio líquido dos tratamentos intravenosos exigem parecer de especialistas ou de clínicas. Esses tratamentos mais potentes geralmente não podem ser combinados entre si (mas podem ser combinados com outros tratamentos alternativos). As doses desses produtos são desenhadas para matar células cancerosas a uma taxa que o corpo pode controlar com segurança os escombros resultantes. Combinar tais tratamentos pode criar uma taxa de mortalidade extremamente alta. 
Nota: A lista de tratamentos alternativos de câncer que podem trazer esperança de sobrevida a um paciente com câncer (desenganado pela Medicina Ortodoxa) pode ser encontrada na seção superior da Home page deste website. Vários desses tratamentos estão acompanhados de artigos escritos sobre eles.
Fonte: Cancertutor.

A corrupção científica somada à ganância inescrupulosa da indústria farmacêutica e os (pseudos)tratamentos do CÂNCER! (1ª parte)

A Medicina Algumas pessoas querem saber por que a “guerra contra o câncer”, que o presidente Nixon iniciou em 1971/72, não produziu uma cura para o câncer. Esse artigo irá explicar por que a “Guerra contra o câncer” produziu poucos, (se é que algum) resultados.

Para visualizar o que ocorre na “indústria do câncer”, hoje, e para saber o que está por trás dos bastidores, aqui está uma curta história que descreverá como a Medicina Ortodoxa trata atualmente os pacientes de câncer.  

Uma história Suponha que você possui uma casa bonita, confortável, de US$ 300.000, no campo, perto de uma cidadezinha. Enquanto você vai até o armazém, sua casa pega fogo. Quando você retorna à sua casa, você vê que dois cômodos estão em chamas e o fogo está se espalhando. Você chama o Corpo de Bombeiros imediatamente. 

Vinte minutos mais tarde, três caminhões de bombeiros aparecem. Os homens e mulheres do primeiro caminhão tiram machados do seu interior e correm para a casa e começam a derrubar partes da casa que já estão queimadas, mas, que ainda estão em combustão lenta, sem chamas. Eles furiosamente cortam e cortam e quando já cortaram aproximadamente 10% das partes da casa que já estavam queimadas, eles pararam e voltaram para o caminhão. Você nota que eles não fizeram nada para impedir que o fogo se espalhasse. O que eles cortaram fora não estava nem queimando e certamente não tinha nada a ver com apagar o fogo feroz. Você observa os homens e as mulheres no segundo caminhão puxarem uma mangueira e começarem a espalhar um pó no fogo. A quantidade de pó que eles pulverizaram não lhe pareceu suficiente para apagar o fogo. Mas você nota que, enquanto o pó está reduzindo a velocidade com que o fogo se espalha, ele também está danificando gravemente as partes da casa que não estão em chamas. Perplexo, você pergunta aos bombeiros o que é aquele pó. Eles dizem que é um ácido muito tóxico que é capaz de apagar o fogo, mas, eles não podem pulverizar muito dele, no fogo, pois se o fizessem, toda a casa ficaria reduzida a um monte de entulho, pela ação do ácido. Assim, tudo o que eles podem fazer é diminuir a velocidade com que o fogo se espalha, mas eles não podem impedir que o fogo se espalhe. Mais perplexo ainda, você lhes pergunta por que eles não trouxeram água no caminhão. Eles disseram que, na escola de bombeiros, eles aprenderam que a água era inútil para apagar fogo em casas. Eles disseram que usar água no fogo de uma casa é uma “história de comadres” e que a água não era eficaz. Eles também disseram que o sindicato dos bombeiros do Estado destituiria do emprego qualquer bombeiro que usasse água para apagar o fogo de uma casa. 
Por total coincidência, você também está consciente de que a agência reguladora federal, a  Fire Development Administration  – FDA, pesquisou a água e declarou que ela é um método “não testado” de apagar fogo das casas. A FDA diz que há “evidência insuficiente” quanto à eficácia e segurança da água. Você silenciosamente murmura que deve haver uma grande conexão entre a FDA, o sindicato dos bombeiros, as escolas de bombeiros e as companhias químicas. Enquanto você estava conversando com as mulheres e os homens do segundo caminhão, cinco homens pularam de um terceiro caminhão. Eles lhe perguntam onde fica o sofá na sala de visitas. Você aponta na direção geral do sofá na sala de visitas, que você supõe estar agora em chamas. Cada um deles tira um rifle calibre 30-06 e começa a atirar no sofá, do local onde eles se encontram, em pé, ao lado do caminhão de bombeiros deles. Você grita com eles e lhes pergunta o que eles estão fazendo. Eles respondem que eles aprenderam na escola de bombeiros que é muito ruim ter sofás numa casa durante um incêndio, então eles estão tentando atirar até deixar o sofá em pedaços. Eles comentam: “Nós achamos que estamos fazendo alguma coisa boa.” Você diz que mesmo que o sofá ajude a espalhar o fogo, eles estão abrindo buracos na frente e atrás da casa tentando deixar o sofá em pedaços de for a da casa. Além disso, muito impaciente, você diz que o fogo já se espalhou além do local onde se encontra o sofá. Ao mesmo tempo em que a velocidade de propagação do fogo diminuiu devido aos ácidos tóxicos, dentro de duas horas você não mais terá uma casa. Os bombeiros, homens e mulheres, estavam muito orgulhosos porque conseguiram diminuir as chamas. Eles lhe dizem que sua casa durou uma hora extra devido ao trabalho deles. Você duvida da precisão daquele número. Eles se cumprimentam vitoriosamente com as mãos, sobem nos seus caminhões de bombeiros, e voltam para o local do Corpo de Bombeiros. Entre fogo, ácido e balas, sua casa foi reduzida a entulhos. O corte da madeira que já havia sido queimada pelo primeiro caminhão não teve nenhum efeito sobre parar o fogo. De fato, nada do que foi feito parou o fogo, apenas diminuiu a velocidade de propagação. 
Você ficou atônito com o que viu. Você pondera sobre o porquê dos “jornalistas investigativos” não terem pulado sobre esse fato. Então você compreende quanto dinheiro as companhias químicas gastam com propaganda na televisão e você compreende por que os “jornalistas investigativos”  mantiveram suas bocas fechadas. Uma semana depois, quando você passa pelo Corpo de Bombeiros, você nota que todos os carros no estacionamento são carros muito caros. Um mês mais tarde, você fica sabendo que eles estão dirigindo carros muito caros. Eles enviaram a conta pelos seus serviços: US $100.000. Mas eles anotam, na conta, que a companhia de seguro de casas pagará a maior parte da conta. Você fica perplexo quando lê a política do seu seguro de casa e descobre que a companhia de seguro não paga a conta se o Corpo de Bombeiros usa água. Você pensa consigo: “Qual é a conexão entre o Corpo de Bombeiros, o sindicato de bombeiros, a escola de bombeiros, a FDA, as companhias de seguros, os canais de televisão e as companhias químicas”? Uma coisa fica clara para você, você agora sabe por que todos os seus amigos pensam que os bombeiros são heróis, os canais de televisão constantemente os retratam como heróis em seus programas. À medida que você pesquisa todas as conexões entre essas organizações, rapidamente torna-se claro para você que todos eles são propriedades de (ou controlados por) pessoas muito ricas que são muito, muito amigas entre si. Você adquiriu uma nova compreensão do que significa quid pro quo – você coça as minhas costas e eu coço as suas. Você conclui que quid pro quo dessa magnitude é outro termo para “conspiração.”

Fim da história O que acabou de ser descrito é como a “medicina moderna” trata o câncer em metástase. O câncer pode ser comparado ao fogo. É um fogo que vai se espalhar até matar você. Mas a “medicina moderna” não faz nada para apagar esse fogo. O primeiro caminhão representa a cirurgia para cortar fora os tumores ou partes do corpo onde estão concentradas as células cancerosas, depois que o câncer já se espalhou por todo o corpo! O terceiro caminhão representa radiação, que também é usada para encolher tumores. Como o segundo caminhão representa quimioterapia, o “progresso” que a quimioterapia está fazendo é frequentemente julgado por sua habilidade de encolher tumores. Oncologistas adoram dizer ao paciente de câncer que seus tumores estão encolhendo. Mas, mesmo que a quimioterapia não diminua o avanço do câncer, e mesmo que ela ponha o paciente em remissão, é quase sempre uma vitória  de Pirro temporária porque câncer quase sempre retorna. 
Para compreender como tudo isso está relacionado à disseminação do câncer, considere esse trecho, escrito por um médico, recentemente falecido, Dr. Philip Binzel:
Quando se descobre que o paciente tem um tumor, a única coisa que o médico discute com aquele paciente é o que ele pretende fazer com o tumor. Se um paciente com tumor está recebendo radiação ou quimioterapia, a única pergunta feita é, “Como vai o tumor?” Ninguém pergunta como o paciente está passando. No meu treinamento de médico, lembro-me bem de quando via pacientes que estavam sendo submetidos à radio e/ou quimioterapia. O tumor ficava menor e menor, mas, os pacientes se tornavam mais e mais doentes.  Em autópsias, nós ouvíamos , “Não é uma maravilha? O tumor desapareceu!” Sim, ele desapareceu, mas, o paciente também. Quantas milhões de vezes nós vamos repetir esses cenários até compreender  que estamos tratando da coisa errada? No câncer primário, com raras exceções, o tumor não é nem perigoso para a saúde e nem uma ameaça à vida. Eu vou repetir essa afirmativa. No câncer primário, com raras exceções, o tumor não é nem perigoso para a saúde e nem uma ameaça à vida. O que é perigoso para a saúde e uma ameaça à vida é a propagação  daquela doença pelo resto do corpo. Não há nada na cirurgia que irá impedir o câncer de se espalhar. Não há nada na irradiação que irá impedir a doença de se espalhar. Não há nada na quimioterapia que irá impedir que a doença se espalhe. Como nós sabemos? Veja as estatísticas! Há uma estatística conhecida como “tempo de sobrevida”. Tempo de sobrevida é definido como o intervalo de tempo entre o ponto em que primeiro se fez o diagnóstico de câncer num dado paciente e o ponto em que aquele paciente morre dessa doença. Nos últimos cinqüenta anos, houve um tremendo progresso no diagnóstico precoce de câncer. Naquele período de tempo, houve um tremendo progresso na habilidade cirúrgica para remover tumores. Houve um tremendo progresso no uso da radiação e da quimioterapia nas suas habilidades de encolher ou destruir tumores. Mas, o tempo de sobrevida do paciente com câncer, hoje, não é maior do que era há cinqüenta anos atrás. O que isso significa? Significa, obviamente, que estamos tratando da coisa errada!” (Philip Binzel, médico, Vivo e Bem, capítulo 14).
Em outras palavras, se o câncer não foi disseminado a partir do tumor, o tumor não apresenta nenhum perigo ao paciente (com raras exceções como, por exemplo, quando um tumor bloqueia o fluido no ducto biliar comum). É importante compreender que a vasta maioria das células, num tumor, é saudável. As células de câncer NÃO PODEM fabricar tecido. Assim, se o câncer estivesse contido dentro do tumor, não haveria células cancerosas no corpo da pessoa em quantidade suficiente para pôr sua vida em perigo. Da mesma maneira, se um homem tivesse câncer de próstata e o câncer estivesse contido dentro da glândula da próstata não existiriam células dentro da próstata em número suficiente para pôr em risco a vida do paciente. Mesmo que as células cancerosas no tumor fossem mortas, ou o tumor retirado, não resolveria o problema da disseminação do câncer. Não existiriam benefícios ao paciente porque é a disseminação do câncer que mata pacientes de câncer, não o câncer dentro do tumor. Ainda assim, o foco da Medicina Ortodoxa está no encolhimento dos tumores. A quimioterapia (o segundo caminhão de bombeiros, no exemplo) é tão tóxica para os pacientes de câncer que se eles dessem a quantidade suficiente para matar todas as células cancerosas, o paciente morreria imediatamente em conseqüência dos efeitos colaterais da quimioterapia. Então, os médicos aplicam quimioterapía em doses muito baixas (embora elas pareçam doses muito altas), insuficientes para realmente curar você. Nesse meio tempo, o câncer continua a se espalhar. 
A quimioterapia pode colocar um paciente “em remissão,” mas, praticamente todo paciente com câncer que vai para a remissão um dia sai da remissão e, mais tarde, morre. Inacreditavelmente, médicos usam radiação, o terceiro caminhão de bombeiros, mesmo depois de o câncer ter começado a se espalhar. Eles estão interessados em encolher o tumor. Como dito anteriormente, o tumor não é o problema, a disseminação do câncer que é o problema. Enquanto a Medicina Ortodoxa continua a usar tratamentos inúteis, que só temporariamente reduzem a velocidade de disseminação do câncer, muitos pacientes de câncer que usam tratamentos alternativos não passam melhor que eles. Muitos dos praticantes da Medicina Alternativa não usam os melhores tratamentos de câncer. Eles foram treinados ou para usar os tratamentos mais lucrativos, ou eles estão simplesmente interessados em ganhar o máximo possível de dinheiro, o mais rápido possível. 
Para piorar a situação, os fornecedores de suplementos naturais vendem, geralmente, só os seus produtos, assim, se eles tiverem uma linha muito fraca de produtos, o paciente provavelmente não vai sobreviver. Quando uma pessoa é acometida de câncer, suas chances de sobrevida são praticamente nulas. Se eles procuram a Medicina Ortodoxa, lhes é assegurado que receberão os tratamentos acima discutidos. Mas mesmo se eles procurarem a Medicina Alternativa eles provavelmente obterão tratamentos que simplesmente não funcionam. Isso deixa o paciente com câncer num dilema. Não importa o caminho que eles procurem, as únicas coisas que estão indo bem são seus cânceres e seus médicos. Mas, acredite ou não, há boas notícias! Enquanto a indústria farmacêutica trabalha pelo dinheiro, a Mãe Natureza não trabalha pelo dinheiro. E a Mãe Natureza é muito mais esperta do que os químicos da indústria farmacêutica. E existem algumas pessoas na Medicina Alternativa que não estão se enriquecendo tratando de pacientes com câncer e elas sabem como curar a vasta maioria dos casos de câncer. E existem até alguns poucos fornecedores que têm produtos fortes o suficiente para quase todos os casos de câncer!
Esse artigo bastante longo, que é praticamente um pequeno livro dividido em três partes, vai levar o paciente com câncer, ou seus atendentes, através das estupefações decorrentes das farsas a que eles têm sido expostos durante suas vidas. Esse artigo NÃO é, definitivamente, um artigo sobre tratamento. De modo algum use esse artigo para desenhar um programa de tratamento de câncer. Há dúzias de artigos nesse website [Tutorial do Câncer] que se ocupam de tratamentos de câncer. Mas este artigo não é um deles. Quando você terminar este artigo, vá para a Home Page desse website e a ela conduzirá você aos artigos sobre tratamentos de câncer. Mas, por enquanto, discutamos por que tantos pacientes com câncer morrem.
Fonte: Cancertutor.

Estudo com pacientes HIV-positivos aponta “vantagem” psicológica da heterossexualidade sobre a homossexualidade


Este estudo não é recente, mas possui resultados interessantes. Foi publicado na revista AIDS Care em 2004. A tradução livre do título pode ser: 

“Estamos atendendo as necessidades psicológicas dos homens heterossexuais com a doença de HIV? Um estudo de caso-controle retrospectivo de referências para uma unidade de medicina psicológica, em Londres, Reino Unido.”


OBJETIVO: Verificar a percentagem de homens HIV-positivos heterossexuais atendidos em um Hospital Universitário de Londres encaminhados para uma unidade de Medicina Psicológica e compará-los com pacientes homossexuais também HIV-positivos da mesma idade e sexo.
MÉTODO: O banco de dados do Hospital de Medicina Psicológica foi investigado para detectar pacientes relevantes observados durante o período entre Fevereiro de 1992 e Dezembro de 2002. Além disso, 50 pacientes heterossexuais (casos), que haviam sido encaminhado à Unidade de Medicina Psicológica, foram pareados por idade e data de referência, com um paciente HIV-positivo homossexual para controle. Dados demográficos e patológicos foram coletados para os dois grupos: casos (heterossexuais) e controles (homossexuais), compondo 50 indivíduos em cada grupo. 
RESULTADOS: As principais conclusões do estudo foram: Homens heterossexuais com HIV apresentam três vezes menos chance de serem encaminhados por um especialista para receberem cuidados da saúde mental que os homens homossexuais HIV-positivos. Homens heterossexuais HIV-positivo tinham menos probabilidade de receber diagnóstico de uma doença depressiva, mas eram mais propensos a ter um diagnóstico de abuso de substâncias. Pacientes do sexo masculino que são homossexuais HIV-positivos são mais propensos a ter dificuldades com disfunção sexual e receber um diagnóstico psiquiátrico formal. O artigo termina com a seguinte afirmação: “As implicações dos resultados são discutidas.”
REFERÊNCIA: ORR, G; CATALAN, J; LONGSTAFF, C. Are we meeting the psychological needs of heterosexual men with HIV disease? A retrospective case controlled study of referrals to a psychological medicine unit in London, UKAIDS Care, v. 16, n. 5, p. 586-593, jul. 2004. Disponível neste link.
____________________________________________________________________________
NOTA: O estudo é pequeno, portanto, um estudo que contemple maior quantidade de casos e controles certamente trará resultados mais sólidos. Todavia, já é possível perceber que a orientação sexual contida na Bíblia traz vantagens ao ser humano e que, por outro lado, o comportamento de negação à tendência da natureza sexual determinada pelo genótipo causa danos ao organismo, especialmente em um momento especial como o da infecção pelo vírus da AIDS.

Saímos da era do “futurismo” para o “presentismo”??

O tempo já não avança mais. Só o agora interessa. Com a disseminação da tecnologia digital, nos tornamos escravos do presente. Constantemente interrompidos por smartphones, emails e atualizações em redes sociais, perdemos nossa capacidade de planejar e fazer concessões em nome de um benefício posterior. Desorientados, incapazes de dar sentido histórico ao que acontece à nossa volta, vivemos suspensos na urgência do momento, obrigados a dar conta de tudo ao mesmo tempo.
Os políticos colocam o consenso à frente dos grandes objetivos; e, em vez de acumular capital, o mercado prefere realizar transações satisfatórias apenas para aquele momento. Da mesma forma, a biodiversidade é devastada para manter nosso modo de produção funcionando a pleno vapor. Todos os problemas do planeta são urgentes — crises econômicas, políticas, sociais e ecológicas — e ninguém mais sabe qual deles deve-se resolver primeiro.
Se você reconheceu alguns dos sintomas descritos acima, não se surpreenda. Afinal, não se trata de uma trama distópica de ficção científica, mas de um diagnóstico sobre o mundo contemporâneo. Quem o faz é Douglas Rushkoff, professor de estudos de mídia na The New School University de Manhattan, colunista de cybercultura do “New York Times” e escritor traduzido para mais de 30 línguas. Em seu último livro, o polêmico “Present shock: When everything happens now” (“Choque do presente: quando tudo acontece agora”, em tradução livre), que acaba de ser lançado nos EUA, ele afirma que as mídias digitais aboliram a ideia de amanhã. O tempo deixou de ser um conceito linear para dar lugar a uma espécie de “instante prolongado”. A nova estrutura mudou nossa forma de pensar política, economia, ecologia e relacionamentos afetivos. Diz respeito tanto a maneira como acompanhamos as narrativas televisivas quanto a que escolhemos os governantes e nos relacionamos com o meio ambiente.
O título do livro é uma referência a “Future shock”, obra emblemática do sociólogo e futurólogo Alvin Toffler. Publicada em 1970, com mais de 6 milhões de exemplares vendidos até hoje, defendia a ideia de que o ritmo acelerado da mudança tecnológica e social sobrecarregava as pessoas. A sociedade se transformava depressa demais, e poucos conseguiam acompanhá-la. Para Rushkoff, contudo, esse período encerrou seu ciclo. Desde a virada do século XXI — e principalmente depois dos eventos de 11 de setembro — saímos da era do “futurismo” para o que ele chama de “presentismo”. O futuro já chegou, e o mal-estar agora não vem mais da necessidade de construir o mundo, mas de sustentá-lo.
— O presentismo é a principal característica dessa era digital — avalia Rushkoff, de Nova York, em entrevista por telefone ao GLOBO. — A sensação não é mais a de que estamos flutuando através do tempo, e sim congelados em um instante. Não é algo ruim em si, mas muitas pessoas não conseguem lidar com isso. Ficam desorientadas, entrando nesse estado que chamo de “choque de presente”. São incapazes de se envolver apenas com o momento. Pior: estão sobrecarregadas por ele. Precisam fazer o máximo num mínimo de tempo. É só ver quem trabalha no mercado de ações. Muitos acabam comprando derivativos em vez de investir em algo que poderá render mais dinheiro no futuro.
Caos mental
As observações não significam que Rushkoff seja um inimigo das novas tecnologias, longe disso. Ele apenas acredita que existe uma má aplicação delas. A beleza do digital, segundo o autor, era nos permitir poupar tempo e escolher uma atividade de cada vez, de acordo com a nossa disponibilidade. Seu uso atual, contudo, provocou o resultado contrário: uma necessidade de fazer tudo e estar em todos os lugares, sem estabelecer prioridades. Distraídos por interrupções constantes, não sabemos mais no que devemos nos concentrar. Começa na nossa rotina de trabalho individual e continua nas decisões coletivas dos escritórios, das instituições e dos partidos políticos.
— Perdemos o direito de esperar — lamenta Rushkoff. — Computadores executam processamento paralelo (processamento da informação com ênfase na exploração de eventos simultâneos na execução de um software), mas não os seres humanos. Conseguimos ficar com mais de uma janela do navegador aberta, mas não podemos estar em duas janelas mesmo tempo. O problema é que as pessoas do outro lado do computador não respeitam isso. Mandam email esperando que você o responda no mesmo minuto em que o recebe, mesmo que não esteja em frente ao computador. O digital não funciona como o analógico. Quando toca o telefone, por exemplo, é preciso atravessar o seu apartamento para atender. Mas o email continua lá, até que você o abra. E a pessoa que o mandou não consegue esperar. Assim, fica a sensação de que temos que estar disponíveis 24 horas por dia. Só que isso não é possível. As empresas não podem querer que fiquemos conectados o tempo todo.
Rushkoff cria novos termos para definir os principais efeitos deste choque de presente. “Overwinding” é a tentativa de condensar prazos enormes em outros muito menores — como experimentar a mesma catarse emocional de uma elaborada peça de cinco atos em um flash aleatório de um reality show, ou a expectativa de ganhar o equivalente a um ano de lucro em uma única Black Friday. Sem falar das donas de casa que esperam parecer 20 anos mais jovens com uma aplicação de botox, mas acabam limitando o rosto a uma única expressão facial.
Já “digifrenia” é o caos mental provocado pela necessidade de “estar” em mais de um lugar ao mesmo tempo. Ele cita o exemplo dos pilotos de drones. Controlando aviões a distância por meios eletrônicos, bombardeiam países longínquos sem sair da sua cidade. Vivendo simultaneamente em dois mundos (o conforto de casa e o campo de batalha), acabam sofrendo ainda mais estresse do que os pilotos de combate que arriscam suas vidas na esfera real. O mesmo pode acontecer com um cidadão comum que já não consegue distinguir sua identidade real daquela que criou para as redes sociais. Enquanto estamos desconectados, nossos avatares continuam existindo e atuando fora do nosso controle — quando as redes sociais os usam para propagandear produtos, ou quando somos marcados em alguma foto no Facebook.
Rushkoff, porém, não pretende fazer alarmismo. Ele admite que, embora não se possa escapar do presentismo, nem todos são infelizes com o fenômeno.
— Certas pessoas têm uma capacidade genuína de viver no presente, e isso é bom. Envolvem-se com o instante, de forma mais desvinculada. É o caso do movimento Occupy, nos EUA, e em certa medida os protestos aí no Brasil. Os brasileiros cansaram de se sacrificar para o futuro. Perceberam que o país está ficando mais rico e querem sua parte dessa riqueza. Mas querem que seja agora.


Fonte: http://oglobo.globo.com/amanha/tudo-ao-mesmo-tempo-agora-um-fenomeno-da-era-digital-8969361#ixzz2YhtXbYHL

________________________________________________________________________________



“A permanente paz, o verdadeiro descanso do espírito, não têm senão uma Fonte. Foi desta que Cristo falou quando disse: ‘Vinde a Mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei.’ (Mateus 11:28). ‘Deixo-vos a paz, a Minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.’ (João 14:27). Essa paz não é qualquer coisa que Ele dê à parte de Si mesmo. Ela está em Cristo, e só a podemos receber recebendo a Cristo.” (Ellen G. White. A Ciência do Bom Viver, p. 247)

Fonte: Biologia Teísta