Livro: “Sexo não é problema (lascívia, sim)”

O livro Sexo Não é Problema (Lascívia, Sim), de Joshua Harris (Editora Cultura Cristã, 122 p.) é um bom exemplo de franqueza e clareza no que diz respeito aos efeitos da lascívia nos relacionamentos e na vida espiritual. Harris é pastor evangélico nos Estados Unidos, casado e pai de dois filhos. À medida que apresenta seus estudos e conselhos, ele recheia o livro com experiências de sua própria juventude e vida adulta, deixando claro que não se trata de um escritor de “outro planeta” falando para leitores a respeito de algo pelo que não é atingido e que, portanto, desconhece. Harris, como muita gente (e muitos cristãos) teve problemas com masturbação e pensamentos impuros, mas garante que, com o poder de Deus, é possível ter uma vida de pureza num mundo tremendamente impuro.
O livro é dividido em três partes. Na primeira, o autor define lascívia e deixa claro que a natureza sexual do ser humano foi criada por Deus e que o sexo não é problema. O problema é o pecado que deturpa tudo o que toca. “Uma pessoa ser atraente não é errado; mas despir aquela pessoa com seus olhos ou imaginar o que seria tê-la é. Um pensamento sexual que surge em sua mente não é necessariamente lascívia, mas pode se tornar lascívia rapidamente se é acolhido e alimentado constantemente. Uma excitação sexual no casamento não é pecado, mas pode ser corrompida com a lascívia se não for equilibrada com paciência e limitação”, define Harris. 
A segunda parte é mais prática. Ali é dito que a “lascívia é mantida viva e nossas fraquezas são fortalecidas por meio das pequenas provisões que nós lhe oferecemos”. Exemplo: locais tentadores, televisão, jornais e revistas, música, livros, internet, caixa do correio (catálogos de lingerie, propagandas com fotos indecentes, etc.). O autor nos convida a identificar os meios pelos quais a lascívia pode nos alcançar e a erigir “muros” de proteção. Em seguida, Harris mostra como a lascívia alcança moças e rapazes e mostra como ambos os sexos podem se ajudar mutuamente a manter a pureza de pensamentos e atitudes. 
Trecho interessante: “A lascívia obscurece e torce a verdadeira masculinidade e feminilidade de maneira nociva. Transforma o desejo bom de um homem de conquista emcaptura usufruto, bem como todo o desejo bom de uma mulher de ser linda em seduçãomanipulação. Geralmente, parece que homens e mulheres são tentados pela lascívia de duas maneiras singulares: os homens são tentados pelos prazeres que a lascívia oferece, enquanto as mulheres são tentadas pelo poder [de controle e manipulação] que a lascívia promete.”
No capítulo seguinte, o pastor Joshua aborda o “sexo egocêntrico”, ou seja, a masturbação. Ele cita Jeffrey Black, que escreveu: “O objetivo da pornografia e da masturbação é criar um substituto para a intimidade. A masturbação é o sexo consigo mesmo. Se faço sexo comigo mesmo, não tenho de investir em outra pessoa. As pessoas que são viciadas em pornografia não são tão viciadas nesse tipo horrível de material quanto são viciadas no egocentrismo. Elas se comprometem em servir a si mesmas, fazendo tudo que podem para achar um modo conveniente para não morrer para si mesmas, que é a natureza do companheirismo em um relacionamento.” Então, Harris, falando de seu próprio casamento, diz que ele e a esposa decidiram que o prazer sexual deve ser algo em que dependam um do outro. “Queremos que o desejo sexual seja algo que nos una como um casal.”
Depois de falar sobre o perigo freqüentemente ignorado da lascívia na mídia (que acaba por alimentar o desejo sexual impróprio), Harris apresenta as “estratégias para mudança a longo prazo” na terceira e última parte do livro. Segundo ele, primeiramente é necessária uma vida de íntima comunhão com Deus para que a pureza que vem do Céu revista nossa vida. Além disso, é preciso fazer um pacto como o feito por Jó: “Fiz aliança com meus olhos; como, pois, os fixaria eu numa donzela?” (31:1). Harris cita ainda vários textos bíblicos vitais na luta pela pureza, como o Salmo 119:9-11: “De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a Tua palavra. De todo o coração Te busquei; não me deixes fugir aos Teus mandamentos. Guardo no coração as Tuas palavras, para não pecar contra Ti.” 
Harris finaliza citando Gálatas 6:7-9, fazendo eco às palavras de Paulo que diz que aquilo que semearmos, certamente colheremos. Se semeamos para o Espírito, colheremos pureza e felicidade. Mas se nos alimentamos de impureza, teremos pensamentos e atos correspondentes.
Conforme escreveu Thomas Watson: “Um homem piedoso não irá até onde ele pode, para que não vá mais adiante do que ele deve.”

Sexo Não é Problema (Lascívia, Sim) é um livro no mínimo necessário.

Fonte: Criacionismo.

Deixe uma resposta