Um texto apropriado para terminar 2015: Ateus e religiosos idólatras!

Dizem que os deuses (sendo os mais famosos os da Grécia antiga) desapareceram depois que o pensamento mítico foi substituído pelo pensamento filosófico. Criações da mente pagã, eles nunca existiram de fato, mas existiram como expressão e imagem de uma grande parcela da humanidade paganizada. Distorções da Transcendência, os deuses da mente idólatra retornaram com seus atributos cruéis, apresentando-se ao homem do presente numa forma ainda mais assustadora. Seria o caso de eles terem sido metamorfoseados ou ressignificados? Será que os deuses continuam recebendo o culto da maioria desta geração, dita pós-cristã, que teima em trazê-los de volta na forma de pensamentos, ideias, filosofias e religiões? Parece-me que o panteão olímpico está bem representado na contemporaneidade. Nesse sentido:

Zeus e Hera, sempre briguentos, são vistos na tragédia em que se tornou o matrimônio e a família – um círculo de traições, ciúmes e discórdia. Zeus era considerado o “pai dos deuses”; Hera, a grande matriarca. Os poderes patriarcal e matriarcal, na relação doméstica, ultimamente estão causando estragos no mundo.
O submundo ou as regiões inferiores do Tártaro constituíam o reino de Hades, este nefasto ser ao qual os gregos antigos prestavam estranho culto. Tal divindade representa bem as forças infernais e maléficas que estão tomando conta do ser humano entregue ao seu próprio coração escuro e maldoso. Hades incorpora a figura de Satanás.
Poseidon era o deus dos mares e o promovedor de terremotos e catástrofes. Poderíamos colocá-lo como protótipo e símbolo do poder destrutivo do homem sobre a natureza?
Afrodite paira nas mais variadas formas de erotismo e amor deformado: nas ideologias de gênero, na homossexualidade, no adultério, na sensualidade transgressiva das normas de pudor e pureza e no romantismo piegas de mentes nefelibatas.
Ares, acompanhado de Fobos (o medo) e Deimos (o terror), é cultuado nas guerras e rumores de guerras entre as nações, especialmente nas barbáries promovidas por grupos violentos que sentem prazer na força bruta e no derramamento de sangue. Por extensão, este deus é protótipo do medo e da violência que acometem a sociedade. Ares também é a imagem do macho ao avesso – aquele que transmudou a nobre virilidade numa aberração do masculino.
  
A imagem de Apolo e das Musas está impressa nas artes em geral (música, pintura, literatura, etc.), que mais expressam sentimentos de vazio do que de plenitude – o homem ensimesmado num subjetivismo escuro e profundo.
  
Vemos Hefestos, o deus artesão, no culto à tecnologia como solução ilusória dos nossos problemas.
  
Ártemis, a virgem caçadora dos isolados bosques, traduz uma crueldade e selvageria própria dos nossos tempos de competição e individualismo. Mais: a deusa simboliza a ruptura com o masculino, o qual procura matá-lo com setas fatais numa atitude de insubmissa independência. Se Ares representa a masculinidade brutal, Ártemis constitui a feminilidade competitiva e agressiva: a ideologia do feminismo que amputa parte da imagem divina na humanidade.
Quase desconhecida e apagada no Olimpo encontra-se Héstia. Também uma deusa virginal e pudica, ela é o oposto de todas as demais deusas. Sem mito próprio e escondida pelos cantos, Héstia nos remete a uma exacerbada passividade quando se requer ação e luta. Sendo uma deusa “virtuosa”, a virtude de Héstia não causa nenhum impacto ou influência, mas apenas adorno no Olimpo. Héstia talvez possa ser caracterizada como o moralismo inútil substitutivo da verdadeira moralidade derivada da fé.
Deméter, a deusa da abundância e da terra cultivada, traz sua marca na adoração à natureza e às leis naturais em si mesmas. Igualmente, a deusa é símbolo da força do homem sobre a Terra. Este procura o domínio de todos os espaços, assenhoreando-se deles como se deles fosse o legítimo dono. Deméter incorpora as ideologias do ambientalismo feito religião.     
  
A comunicação do nosso mundo virou uma verdadeira Babel. Assim, Hermes, o “mensageiro dos deuses”, é o veículo que espalha a falsa mensagem da religião de forma bastante eloquente. Ele cai bem como o canal babilônico. Deus do comércio e do dinheiro, também sobrevive no materialismo dos sistemas econômicos vigentes e nos interesses escusos das religiões. Hermes simboliza a falsidade em todas as suas formas, principalmente a religiosa. É um arquétipo da mentira e da falácia humanas.
Dionísio talvez seja o deus de maior evidência, pois o prazer e as alienantes festas do mundo viraram um objetivo final para muita gente adepta do pensamento dionisíaco, que glorifica os instintos mais baixos. A essência dionisíaca é o hedonismo.
Por fim, Atena reaparece na soberba intelectual contemporânea, na tal “sociedade do conhecimento”, e na sabedoria mundana tão altamente exaltada, além de representar a “guerra em busca da paz” tão comum em nosso processo civilizatório.
E por aí vai… Os “deuses” não são realidades concretas, apesar de terem povoado a imaginação humana por séculos; contudo, a abstração que deles se faz ressurge sempre atualizada pelo “deus deste século” – o ser que espalha seu nevoeiro em torno da verdade, a qual ele procura transformar em mito.
O mundo permanece idólatra. Mas o antigo mandamento proferido pelo Deus vivo e digno de adoração permanece vigente: “Não terás outros deuses diante de Mim” (Êxodo 20:3).

Compartilhe via WhatsApp (ou outros meios):




Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: