Elétron – sessenta e seis mil vezes um milhão de milhões de milhões de anos de vida (no mínimo!)

O detector Borexino é formado por sensores mergulhados
 em um tanque esférico de aço de 13,7 metros
 de diâmetro, contendo 2.100 toneladas
 de água ultrapura – tudo instalado nas profundezas
 de uma mina, protegido por 1.400 metros de rocha
para evitar qualquer interferência externa.
 [Imagem: A. Brigatti/INFN]
Vida infinita De acordo com as medições mais precisas já feitas até hoje, o tempo de vida de um elétron é de 66.000 yotta-anos, ou 6,6 × 1028anos.
Isto é cinco quintilhões de vezes a idade do Universo, de forma que é o que mais se aproxima de um “tempo infinito” já medido pelo ser humano.
Esta foi a conclusão dos físicos que trabalham no experimento Borexino, no Laboratório Gran Sasso, na Itália – o mesmo que confirmou a teoria sobre a geração de energia no Sol e ajudou a medir o calor gerado pela Terra.
O trabalho do Borexino é procurar indícios de que o elétron decai para um fóton e um neutrino – um processo que violaria a conservação da carga elétrica e apontaria para uma física além do Modelo Padrão.
Mas nenhum decaiu, e os dados indicam que, se algum decair, isso só vai começar a acontecer depois dos tais 66.000 yotta-anos desde que os elétrons foram criados – este seria o tempo mínimo de vida de um elétron, segundo os físicos.
Lei da conservação de carga O elétron é o portador de carga elétrica negativa de menor massa que se conhece. Se ele decaísse, a lei de conservação de energia dita que o processo envolveria a produção de partículas de menor massa – neutrinos, por exemplo, ou fótons, que não têm massa.
Mas todas as partículas conhecidas com massas menores do que a massa do elétron não têm carga elétrica, de forma que a carga do elétron teria que “desaparecer” durante esse processo hipotético de decaimento, o que violaria a conservação de cargas, que é um princípio que faz parte do Modelo Padrão da física de partículas.
Como resultado, o elétron hoje é considerado uma partícula fundamental, que nunca vai decair.
No entanto, o Modelo Padrão não explica adequadamente todos os aspectos da física e, portanto, a descoberta do decaimento do elétron poderia ajudar os físicos a desenvolver um modelo melhor da natureza.
Por essas medições, o elétron não se mostrou disposto a colaborar com a elaboração desse tão esperado novo modelo.
Nota: Por que o elétron possui uma vida tão inimaginavelmente longa, apontando para a eternidade? Puro acaso? (Hendrickson Rogers)

Compartilhe via WhatsApp (ou outros meios):




Deixe uma resposta