Paracetamol não apresenta benefícios contra gripe (#Saúde)

Acetaminofeno para gripe 
Muitos médicos recomendam aos seus pacientes com gripe para tomar acetaminofeno, ou paracetamol, para aliviar seus sintomas.
No entanto, um novo estudo clínico randomizado não encontrou benefícios dessa medicação nem na luta do corpo contra o vírus da gripe, e nem na redução da temperatura corporal ou outros sintomas típicos da gripe.
A boa notícia é que também não foram identificados efeitos negativos, que alguns cientistas haviam suspeitado ser possível na interação do acetaminofeno com o vírus da gripe.
Nem bem nem mal
“Nós inicialmente teorizamos que tomar paracetamol poderia ser prejudicial, já que o vírus da gripe não consegue se replicar tão bem em temperaturas mais altas, e reduzir a temperatura de uma pessoa faria o vírus prosperar. Felizmente, descobrimos que este não é o caso,” disse a Dra Irene Braithwaite, do Instituto de Pesquisas Médicas da Nova Zelândia, responsável pelo estudo.
O ensaio clínico incluiu adultos entre 18 e 65 anos de idade com infecções de gripe confirmados que foram tratados com a dose máxima recomendada de paracetamol ou por placebo durante cinco dias. Os participantes foram acompanhados por até 14 dias.
“Neste estudo, o paracetamol não foi prejudicial, mas também descobrimos que o paracetamol também não foi benéfico,” finalizou Braithwaite.
Outros estudos já demonstraram que o paracetamol pode causar danos ao fígado e que, acima da dose, o paracetamol apresenta riscos para adultos e crianças.
Nota: Há mais de um século, uma educadora norte-americana já advertia:
Costume Comum, mas Perigoso Um costume que está deitando bases a vasta soma de doenças e males mais sérios ainda é o livre uso de drogas venenosas. Quando atacados pela enfermidade, muitos não se darão ao trabalho de descobrir a causa do mal. Sua principal ansiedade é verem-se livres da dor e dos desconfortos. Recorrem portanto a panacéias, cujas reais propriedades eles mal conhecem, ou recorrem a um médico para neutralizar os efeitos de seu mau proceder, mas sem nenhuma idéia de mudar seus nocivos hábitos. Caso não sintam benefícios imediatos, experimentam outro remédio, e depois outro. Assim continua o mal (A Ciência do Bom Viver, pág. 126).
Remédio a Todo Custo Os doentes estão apressados para ficar bons, e seus amigos se acham impacientes. Eles desejam ter remédio, e se não sentem no organismo aquela poderosa influência que, em seus errôneos pontos de vista induzem-nos a pensar que deviam experimentar, mudam impacientemente de médico. A mudança aumenta muitas vezes o mal. Passam por uma série de remédios tão perigosos como os primeiros (Temperança, p. 83).
O Triste Resultado Com o uso de drogas venenosas, muitos trazem sobre si doença para toda a vida, e perdem-se muitos que poderiam ser salvos com o emprego de métodos naturais. Os venenos contidos em muitos dos chamados remédios formam hábitos e apetites que importam em ruína tanto para o corpo como para a alma. Muitos dos populares remédios patenteados, e mesmo algumas drogas receitadas por médicos, desempenham seu papel em deitar bases para o hábito da bebida, do ópio, da morfina, os quais são uma tão terrível maldição para a sociedade (A Ciência do Bom Viver, págs. 126 e 127).

Deixe uma resposta