Livro: A Caixa Preta de Darwin – O desafio da bioquímica à teoria da evolução

caixa (1)Michael Behe, A Caixa Preta de Darwin – O desafio da bioquímica à teoria da evolução (Jorge Zahar) – Nesta obra, o bioquímico Michael Behe apresenta exemplos incontestáveis de design inteligente na natureza e desenvolve o argumento da complexidade irredutível. Usando como exemplo desses sistemas a visão, a coagulação do sangue, o transporte celular e a célula, Behe demonstra convincentemente que o mundo bioquímico forma um arsenal de máquinas químicas, constituídas de peças finamente calibradas e interdependentes. Para que a teoria da evolução fosse verdade, deveria ter havido uma série de mutações, todas e cada uma delas produzindo sua própria maquinaria, o que resultaria na complexidade atual. Mesmo não sendo um criacionista, o Dr. Behe argumenta que as máquinas biológicas têm que ter sido planejadas – seja por Deus ou por alguma outra inteligência superior. Segundo o autor, “a compreensão resultante de que a vida foi planejada por uma inteligência é um choque para nós no século [21], que nos acostumamos a pensar nela como resultado de leis naturais simples”. Porém, ele lembra que outros séculos “também tiveram seus choques, e não há razão para pensar que deveríamos escapar deles”.

Fonte: Michelson Borges.

One thought on “Livro: A Caixa Preta de Darwin – O desafio da bioquímica à teoria da evolução

  1. […] A Origem das Espécies, Darwin admitiu que pensar no olho o fazia “esfriar todo”. No livro A Caixa Preta de Darwin, o bioquímico Michael Behe prova que Darwin tinha razão em ficar preocupado: mais do que um […]

Deixe uma resposta