Quiz do prof. H sobre os Descritores 19, 20 e 25

D1920.1Objetivos: (D 19) Resolver problema com números naturais, envolvendo diferentes significados das operações (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação). (D 20) Resolver problema com números inteiros envolvendo as operações (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação). (D 25) Efetuar cálculos que envolvam operações com números racionais (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação).

Vamos a mais um QUIZ com ajudas, dicas e explicações que tanto lhe ajudará a revisar o assunto como lhe informará sobre seu nível no tema estudado. Saiba que três tipos de questões poderão aparecer: múltipla escolha (com apenas uma alternativa correta), múltiplas opções (com a possibilidade de mais de uma alternativa correta) e respostas digitadas. Neste último tipo você deverá digitar sua resposta, após raciocinar/calcular, e clicar no botão “Vamos conferir”. Após resolvida cada questão, você saberá imediatamente se acertou ou errou, podendo refazê-la após uma breve dica. Você ainda poderá visualizar uma questão por vez ou todas as questões uma abaixo da outra, certo? Leia as outras informações na página do quiz e mãos a obra! Clique aqui para começarmos.

Quiz do prof. H sobre os Descritores 16, 17 e 18

QD16.5Objetivos: (D 16) Identificar a localização de números inteiros na reta numérica. (D 17) Identificar a localização de números racionais na reta numérica. (D 18) Efetuar cálculos com números inteiros, envolvendo as operações (adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação).

Vamos a mais um QUIZ com ajudas, dicas e explicações que tanto lhe ajudará a revisar o assunto como lhe informará sobre seu nível no tema estudado. Saiba que três tipos de questões poderão aparecer: múltipla escolha (com apenas uma alternativa correta), múltiplas opções (com a possibilidade de mais de uma alternativa correta) e respostas digitadas. Neste último tipo você deverá digitar sua resposta, após raciocinar/calcular, e clicar no botão “Vamos conferir”. Após resolvida cada questão, você saberá imediatamente se acertou ou errou, podendo refazê-la após uma breve dica. Você ainda poderá visualizar uma questão por vez ou todas as questões uma abaixo da outra, certo? Leia as outras informações na página do quiz e mãos a obra! Clique aqui para começarmos.

Quiz do prof. H sobre o Descritor 1 (Identificar a localização/movimentação de objeto em mapas, croquis e outras representações gráficas)

D123Vamos a mais um QUIZ com ajudas, dicas e explicações que tanto lhe ajudará a revisar o assunto como lhe informará sobre seu nível no tema estudado. Saiba que três tipos de questões poderão aparecer: múltipla escolha (com apenas uma alternativa correta), múltiplas opções (com a possibilidade de mais de uma alternativa correta) e respostas digitadas. Neste último tipo você deverá digitar sua resposta, após raciocinar/calcular, e clicar no botão “Vamos conferir”. Após resolvida cada questão, você saberá imediatamente se acertou ou errou, podendo refazê-la após uma breve dica. Você ainda poderá visualizar uma questão por vez ou todas as questões uma abaixo da outra, certo? Leia as outras informações na página do quiz e mãos a obra! Clique aqui para começarmos.

Quiz do prof. H sobre Matrizes – introdução

MI_5Vamos a mais um QUIZ com ajudas, dicas e explicações que tanto lhe ajudará a revisar o assunto como lhe informará sobre seu nível no tema estudado. Saiba que três tipos de questões poderão aparecer: múltipla escolha (com apenas uma alternativa correta), múltiplas opções (com a possibilidade de mais de uma alternativa correta) e respostas digitadas. Neste último tipo você deverá digitar sua resposta, após raciocinar/calcular, e clicar no botão “Vamos conferir”. Após resolvida cada questão, você saberá imediatamente se acertou ou errou, podendo refazê-la após uma breve dica. Você ainda poderá visualizar uma questão por vez ou todas as questões uma abaixo da outra, certo? Leia as outras informações na página do quiz e mãos a obra! Clique aqui para começarmos.

As crianças NÃO estão bem: carta de uma filha de lésbica!!

[Escrito com o português europeu.]
Caros membros da comunidade lgbt:

Não sou filha vossa. Nunca levantei uma bandeira numa das vossas paradas de orgulho homossexual. Nunca escrevi uma carta em vosso nome a um congressista ou a qualquer outra pessoa, e nunca senti a necessidade de fazer as pessoas aceitar o facto de eu ser filha duma lésbica. Isto talvez seja consequência do facto dela nunca ter tido necessidade de forçar as pessoas a aceitar como ela era.

Não, eu nunca me iria alinhar com uma comunidade tão intolerante e tão imersa dento dela mesma como a comunidade lgbt, uma comunidade que exige tolerância com fervor e com paixão, no entanto é incapaz de dar isso aos outros – por vezes, nem mesmo aos seus próprios membros. De facto, esta comunidade ataca qualquer pessoa que não concorde com ela, independentemente do quão amorosa a diferença de opinião seja expressa.

Eu mesmo sou o produto da Revolução Lésbica dos anos 80. A minha mãe sempre soube que gostava de raparigas, mas fez um esforço enorme para ser uma boa, heterossexual, rapariga sulista da igreja Baptista. Quando eu tinha 1 ano, ela deixou o meu pai por outro homem, com quem viveu até eu ter cerca de 4 anos. Depois do divórcio, ela disse ao meu pai para se ir embora, e ele foi porque, segundo ele, “eu sabia que não haveria de lutar contra toda a família para ter ver.”

Não me lembro bem do homem com quem ela passou a viver depois de ter deixado o meu pai, mas lembro-me de ter sido feliz com ele. Não durou muito tempo, e quando ela o deixou. deixou-o por outra mulher.

Impedir as pessoas de falar sobre o homossexualismo não mudará o que as crianças conseguem ver

Eu sabia desde a minha tenra idade que viver com duas mulheres não era natural. De modo especial, eu poderia ver isso nas casas dos meus amigos que tinham uma mãe e uma pai. Eu passava o máximo de tempo que podia com eles. Eu ansiava pela afeição que os meus amigos recebiam dos seus pais. Eu queria saber como era ser recolhida nos braços dum homem, ser estimada por um, e como era viver com um diariamente.

Tanto quanto eu sabia, eu já tinha uma mãe; não precisava de outra. O meu sonho era que a minha mãe tomasse a decisão de voltar a estar com os homens outra vez, mas, obviamente, esse sonho nunca se chegou a realizar. Os meus avós e os meus tios fizeram os possíveis para levar a cabo as actividades pai-filha, mas não era o mesmo que ter um pai a tempo inteiro, e eu sabia disso. Eu via estas tentativas como actividades de segunda categoria.

Crescer sem a presença dum homem em casa danificou-me de modo pessoal. Tudo o que eu queria desde que era uma menina pequena era ter uma família normal. Quando acabei a escola secundária, os meus pensamentos não se encontravam onde eles tinham que estar. Enquanto os meus amigos estavam ansiosos por chegar a altura da universidade, eu sabia que me faltava uma parte de mim, e sabia que nunca me sentiria plena sem a encontrar.

Os homens precisam das mulheres e as mulheres precisam dos homens.

Ao contrário de muitas outras pessoas, eu tinha o desejo de criar a minha própria família e ter estabilidade, e isto causou a que eu tivesse relacionamentos muito pouco saudáveis. Felizmente, consegui ver-me livre de ambos, mas depois de ter sido magoada e usada de forma tão maligna, tomei a decisão de que a felicidade não era para mim. Pouco depois conheci o meu marido, e tudo se encaixou.

Pela primeira vez, senti-me viva e completa. Ter filhos e pela primeira vez ver um homem a cuidar duma criança era bonita e inspirador. Isso só reforçou a minha crença de que a criança precisa duma mãe e dum pai, e que a “paternidade” homossexual e as casas onde só há um pai são muito inferiores à paternidade heterossexual quando esta última é feita da forma correcta.

Saber quase nada sobre os homens dificilmente é a parte mais complicada de ser educado por duas mulheres. De certeza que não é surpresa para ninguém que crescer em  Podunk, Oklahoma, não foi fácil. Ao contrário das outras crianças que que aparentemente são educadas em utopias homossexuais, eu cresci sozinha e isolada. Eu era filha única e perto de mim não existiam outras crianças com quem falar ou com quem me relacionar. Ninguém perto de mim sabia o que eu passava todos os dias, e eu não tive outra opção se não guardar tudo dentro de mim.

Quando cheguei à idade adulta, tentei falar com a minha mãe sobre o quão difícil a minha vida foi, mas ela não se consegue identificar porque ela cresceu com um pai e com uma mãe. Quando eu era criança, também não teria falado sobre a forma como estava a ser educada. Amo a minha mãe. Ela era o centro da minha vida e a ideia de dizer algo aos de fora que lhe pudesse magoar devastava-me. Escrever esta carta neste momento já é devastador.

Os homossexuais e as suas crianças não pensam da mesma forma.

Mas mesmo assim, eu escrevo a carta. Estou a fazer isto porque as pessoas têm que saber que nem tudo são rosas. Os efeitos de se crescer da forma como cresci ainda desempenham um papel na minha vida actual. Eu estava para além de auto-consciente quando era criança, e estava constantemente preocupada com o que os outros iriam pensar de mim.

Eu tinha um medo terrível de alguém vir a descobrir que a minha mãe era uma lésbica e nunca mais querer ter algum tipo de contacto comigo. Durante a maior parte da minha vida, aquilo que eu pensava serem as opiniões dos outros em relação a mim dominaram, s só recentemente é que fui capaz de deixar isso de lado.

Isto é só a ponta do iceberg. Os estudos que alegam que nós [crianças criadas por homossexuais] temos um desempenho superior ao dos nossos pares criados por heterossexuais dificilmente podem ser considerados científicos, e nem chegam a ser representativos. As pessoas têm que saber que algumas crianças de pais homossexuais não concordam com a adopção e nem com o “casamento” homossexual, tal como alguns homossexuais também não concordam. Mas irão notar que esse facto não se encontra nas manchetes.

O Huffington Post publicou duas respostas à recente carta de Heather Barwick aqui para o The Federalist, e ambas foram escritas por pessoas que foram criadas por membros do sexo oposto – um homem criado por mulheres e uma mulher que tinha os irmãos presentes. Faz todo o sentido que as suas experiências não tenham sido iguais à minha ou a da Heather visto que ambas fomos educadas por mulheres.

E só porque um produto da inseminação artificial não sente que ela foi roubada não significa que os outros não o sintam. Estou ciente que existem por aí crianças que discordam com o meu ponto de vista, tal como há muitos homossexuais por aí que não não concordam com o ponto de vista da comunidade lgbt.

Mas sugerir que isto não é motivo para validar ou escutar um punhado de crianças educadas por homossexuais, e que são contra isso, é ridículo. Afinal de contas, só um pequeno grupo de pessoas é que está a militar em favor da redefinição do casamento e da paternidade, e todos nós estamos a ver como isso está a avançar.

Sinceramente Não Vossa, 

Brandi Walton

Fonte: O homossexualismo.

Ana Paula Valadão pede boicote à C&A por apologia a ideologia de gênero

Empresas multinacionais investem pesado em marketing. Fazem pesquisas de opinião e constantemente monitoram a opinião do público sobre sua(s) marca(s). Contudo, de tempos em tempos cometem erros de cálculo e se veem diante de polêmicas.

A cantora Ana Paula Valadão, que também é pastora da Igreja Lagoinha, em Belo Horizonte, usou as redes sociais para iniciar uma campanha de boicote. Ela afirmou que foi tomada de uma “santa indignação” por causa da nova campanha das lojas C&A. Chamada “misture, ouse, experimente”, o lançamento em rede nacional ocorreu ontem (19).

Para a pastora, “estão provocando para ver até onde a sociedade aceita passivamente a imposição da ideologia de gênero”. No comercial em questão, a C&A propõe que o próximo dia dos namorados seja o “dia dos misturados”.

Os casais na peça publicitária acabam fazendo uma troca de “estilos”. Assim, homens se vestem de mulheres e vice-versa. Há uma insinuação nada sutil sobre a troca de sexo como algo “normal” e até desejável.

“Fiquei chocada com a ousadia da nova propaganda da loja… Que absurdo! Nós que conhecemos a Verdade imutável da Palavra de Deus não podemos ficar calados”, escreveu ela.

Ana Paula lembrou que nos Estados Unidos as lojas Target estão enfrentando um boicote dos cristãos por que seus banheiros agora são “livres de gênero”. Ou seja, podem ser usados por quaisquer pessoas que “se sintam homem ou mulher naquele dia”, explicou.

Sua postagem no Facebook teve quase 50 mil “reações” e perto de 10 mil compartilhamentos. Os comentários mostram que muitos cristãos apoiam a iniciativa. Uma minoria acha que a pastora está exagerando ao propor boicote.

Outras tentativas

Campanhas de boicote lideradas por líderes religiosos no Brasil sempre são polêmicas. Contudo, os resultados desse tipo de ação normalmente não são conhecidos. Ano passado, o pastor Silas Malafaia pediu que os cristãos não comprassem mais n’O Boticário.

O motivo era a campanha de dia dos namorados que mostrava casais homossexuais se beijando e abraçando. “Quero convocar as pessoas que acreditam em macho e fêmea, neste estilo de família (…) a não comprarem produtos dessa marca. Vamos dizer não”, pediu.

Também em 2015, o deputado pastor Marco Feliciano pediu que não se comprasse mais os produtos da Natura por causa do patrocínio dela à novela que defendia a homoafetividade.

“Conclamo aos que defendam valores morais a BOICOTAR esta empresa, não comprando e nem vendendo seus produtos até que ela retire seu patrocínio”, escreveu ele em texto divulgado nas redes sociais.

Fonte: Gospel Prime.

Biomimética: ciência inspirada no design inteligente

Copiando o design da natureza

           Copiando o design da natureza

O termo biomimética provém da combinação das palavras gregas bios, que significa vida, e mimesis, que significa imitação. Dito de modo simples, é a imitação da vida. A biomimética é uma nova área da ciência que estuda as estruturas biológicas e suas funções, procurando aprender com a natureza (e não sobre ela) e utilizar esse conhecimento em diferentes domínios da ciência para o desenvolvimento de soluções para os problemas humanos.[1, 2] Conforme afirmou o biólogo evolutivo Marc Weissburg, co-diretor do Centro de Design Biologicamente Inspirado do Instituto de Tecnologia da Geórgia, “todo organismo encontra-se projetado para resolver um problema”.[3] Janine Benyus, escritora científica e fundadora do Instituto de Biomimética (Montana, EUA), defende em seu livro Biomimética: Inovação Inspirada pela Natureza que, “diferentemente da Revolução Industrial, a Revolução Biomimética inaugura uma era cujas bases assentam não naquilo que podemos extrair da natureza, mas no que podemos aprender com ela”.[4: p. 10] Para o biólogo Dr. Phil Gates, professor da Universidade de Durham, “muitas das nossas melhores invenções foram copiadas de outros seres vivos ou já são utilizadas por eles. […] Em algum lugar, entre os milhões de organismos que ainda não foram descobertos, há invenções naturais que poderiam melhorar nossa vida. Elas poderiam fornecer novos medicamentos, materiais de construção, modos de controle de pragas e lidar com a poluição”.[5: p. 5]

Foi pensando na otimização dessas ideias inspiradoras da natureza que alguns cientistas criaram um banco de dados que já catalogou milhares de diferentes sistemas biológicos.[6] Um prático banco de dados para pesquisadores encontrar “soluções naturais para seus problemas de projeto”, diz a revista The Economist.[7] Os sistemas naturais mantidos nesse banco de dados são conhecidos como patentes biológicas. Sobre esse banco de dados de patentes biológicas, The Economist diz: “Por chamarem de ‘patentes biológicas’ as geniais ideias biomiméticas, os pesquisadores estão na realidade dizendo que a natureza é a legítima detentora dessas patentes.”

Por outro lado, é curioso notar que frequentemente cientistas afirmam que não há designreal na natureza. Richard Dawkins, por exemplo, disse que o design que vemos em organismos vivos é ilusão: “A ilusão de design é tão bem-sucedida que a maior parte dos americanos hoje […] teimosamente se recusa a acreditar que é uma ilusão.”[8: p. 35] Ele acrescenta que “a ilusão [de design] é tão poderosa que enganou as mentes mais brilhantes durante séculos, até que Charles Darwin apareceu em cena”.[9: p. 416] A comunidade científica endossa esta tese: não existem sinais de inteligência empiricamente detectados na natureza.[10]

Conforme indaga o historiador da ciência Enézio Eugênio de Almeida Filho, se o design é “ilusão”, por que buscar design inteligente na natureza? A ideia de “ilusão” vai contra o que se observa atualmente nas pesquisas aplicadas, pois, na prática, a biomimética é a certeza de que o objeto que se está a imitar possui design suficientemente bom para ser copiado. Um cientista não pode negar que, ao detectar o design “ilusório”, ele parte imediatamente para pesquisas visando a avançar o conhecimento científico, realizar aplicações práticas e, consequentemente, fornecer melhorias para a humanidade.[10] Então, o design é “ilusão”, mas é prático? Como isso é possível?

De insetos a mamíferos, tudo na natureza está agora sendo visto sob nova perspectiva: agentes de inovação com quem os humanos podem aprender. Assim, apresento a seguir apenas alguns exemplos de pesquisas aplicadas dentre os milhares de estudos biomiméticos publicados ao longo da última década:

carrapicho-velcro-1Carrapicho (e o velcro): o velcro é um dos exemplos mais antigos e conhecidos de produto biomimético, desenvolvido em 1941 pelo engenheiro suíço George de Mestral, após encontrar várias sementes de plantas do genêro Arctium (carrapicho) grudadas no pelo do seu cachorro durante suas caminhadas pelos Alpes. Ao ver a semente pelo microscópio, o engenheiro notou que ela era dotada de filamentos entrelaçados e com pequenos ganchos nas pontas. Com base nessa inspiração, ele criou uma alternativa para unir materiais de maneira simples e reversível. O design foi patenteado em 1952 e passou a ser comercializado por sua empresa, a Velcro S.A.[11]

Plantas (e a tecnologia de coleta de água do ar): algumas plantas possuem “cabelos” minúsculos (microfibras) em suas folhas que servem para recolher água doce do ar. As plantas que vivem em regiões áridas e montanhosas do planeta necessitam desse mecanismo para sobrevivência, mas até então não se sabia exatamente como conseguiam essa façanha. Os cientistas descobriram que as microfibras são responsáveis tanto pelo armazenamento quanto pela liberação de água.[12] Em épocas secas, a água armazenada é liberada para a folha. Essa tecnologia permitirá a construção de um aparelho capaz de coletar a água do ar para aliviar a escassez de água no mundo.

Plantas (e o reator que produz biocombustível solar): cientistas desenvolveram um reator capaz de produzir combustível líquido parecido com o conceito de fotossíntese artificial.[13, 14] O reator produz combustível usando a luz do sol, dióxido de carbono e água, mais um composto chamado óxido cérico. O combustível são hidrocarbonos, similares ao petróleo e aos bio-óleos. A distância da fotossíntese real ainda é gigantesca, mas a ideia de imitar a forma de conseguir energia tal como a das plantas parece ser um caminho mais concreto do que as “formas alternativas” já desenvolvidas pelo ser humano.

cipoPlanta liana (e as membranas de auto-cura): a planta liana, conhecida como “cipó”, possui anéis de estabilização de células que se curam espontaneamente após sofrer danos.[15] Como é que a liana repara suas lesões? Os cientistas explicam que “quando as células lignificadas dos tecidos de suporte externos que dão à planta a sua rigidez de flexão são danificadas, a planta administra ‘primeiros socorros’ para a sua ferida”. Células das camadas profundas se expandem de repente e fecham a lesão de dentro para fora. Apenas em uma fase posterior ela faz o processo de autocura e o tecido original volta a crescer. Cientistas se inspiraram na planta e desenvolveram um revestimento para barcos de borracha a base de um material que não só reduz a perda de pressão, caso a membrana seja danificada, mas também torna a estrutura inflável mais resistente.

Planta Drosera (e os adesivos de aplicações biomédicas): os tentáculos que saem da planta carnívora Drosera secretam um adesivo poderoso capaz de esticar um milhão de vezes seu tamanho. Cientistas buscaram aprender com os princípios biológicos dessa planta e aplicar engenharia para desenvolver um produto que utiliza os mesmos compostos.[16] Essa elasticidade notável faz o adesivo produzido pela planta ser uma escolha potencialmente eficaz para o revestimento de substituições de partes do corpo (quadris ou joelhos artificiais), para regenerar tecidos mortos, para curar feridas e melhorar adesivos sintéticos.

Planta Teixo (e os anticancerígenos): o taxol, extraído da casca do Teixo do Pacífico (Taxus brevifolia), é um importante medicamento natural anticancerígeno usado no tratamento contra o câncer de ovário e de mama.[17] Para Gordon Cragg, chefe da divisão de produtos naturais do National Cancer Laboratory (EUA), “a natureza é o químico supremo. Com o devido respeito ao talento dos químicos, não creio que eles fossem capazes de criar uma molécula como a do taxol”.[4: p. 149] O taxol compõe a lista da Organização Mundial da Saúde.[18] Em 2004, essa tecnologia foi premiada com o Presidential Green Chemistry Challenge Award (Prêmio Desafio em Química Verde).

romãRomã (e as superbaterias à base de silício): a fruta Romã serviu de inspiração para o desenvolvimento de um protótipo de bateria que consegue armazenar até dez vezes mais energia que os modelos convencionais.[19] Cientistas queriam criar baterias de lítio que usassem silício, porém, esse elemento se quebra no momento da recarga devido ao calor. Foi aí que a estrutura natural da romã se tornou útil. Foram unidas nanopartículas de silício em cápsulas resistentes de carbono, organizando-as da mesma forma que as sementes da romã; assim, a eletricidade é conduzida sem que se precise expor o silício. Foi observado que após mil ciclos de recarga a bateria ainda era capaz de funcionar em 97% de sua capacidade. Essa tecnologia permitirá a fabricação de baterias menores, mais leves e mais potentes para telefones celulares,tablets e carros elétricos.

Insetos (e a nova geração de aparelhos auditivos): cientistas criaram um sistema de aparelho auditivo moderno com base em um microfone inspirado em um inseto amarelo (Ormia ochracea) fêmea, a fim de resolver o problema de localização de sons e eliminar o ruído de fundo.[20] Esse projeto possui design inovador e usa um microfone direcional em miniatura, semelhante ao do ouvido de um inseto. O projeto também vai investigar técnicas de impressão 3D para otimizar o design do aparelho auditivo para que ele funcione melhor acusticamente em conjunto com o novo microfone. A promessa é a de que essa tecnologia aumentará a qualidade do apoio oferecido às pessoas afetadas pela perda auditiva.

Insetos (e os nanofilmes hidrofóbicos): a fim de projetar superfícies repelentes à água, cientistas se inspiraram nas propriedades hidrofóbicas de insetos aquáticos como a aranha-d’água, que andam sobre a água, e de borboletas que sacodem a água de suas asas.[21] Após as análises, foi possível criar uma fina película (nanofilme) repelente à água com a capacidade de controlar a direção de transporte do líquido. Essa tecnologia oferece a possibilidade de avanços significativos para a produção de novas gerações de revestimentos para aplicações navais, médicas e de energia.

Asas de gafanhoto (e os robôs voadores): cientistas estudaram a aerodinâmica das asas do gafanhoto e descobriram que eles voam durante muito tempo com muito pouca energia.[22] Infelizmente, para os engenheiros, a análise revelou também que a complexidade da venação das asas do inseto afeta diretamente a aerodinâmica – mudam radicalmente suas formas durante o vôo – graças à deformação da asa, o que torna difícil imitado o mecanismo. Os autores disseram: “Se queremos copiar o inseto, temos que extrair o máximo que pudermos do seu design e construir asas que façam a maior parte do que as asas do inseto conseguem fazer.” Se obtiverem êxito, os resultados serão aplicados na engenharia robótica e de aeronaves.

abelhaAbelhas (e a nova geração de sistemas de navegação):abelhas calculam a rota mais eficiente entre todas as flores em um ambiente, economizando energia para coletar néctar. Por meio de um algoritmo desconhecido, elas resolvem problemas de rastreamento de rotas complexos que confundiria a maioria dos humanos.[23] Os cientistas dizem que esse GPS High Tech das abelhas pode nos ensinar “como otimizar os projetos para redes de informação, cujas rotas não podem ser planejadas com antecedência”. A promessa é a de que algoritmos inspirados nas abelhas melhorem projetos de redes de informação (telefonia móvel e internet) ou de transportes (ônibus, trens) dos quais as sociedades modernas dependem.

Borboletas (e as telas de aparelhos eletrônicos): o projeto das telas “mirasol” foi inspirado nas asas da borboleta do gênero Morpho, azul-metálico iridescente.[24] Cientistas descobriram que asas de borboletas manipulam a luz com um cristal orgânico, que é também um amplificador ótico. As asas contem microestruturas que criam o efeito de coloração através de “coloração estrutural”, em vez de pigmentação. Ou seja, as asas de borboletas são constituídas de micropelículas arranjadas de tal forma que, quando a luz passa por elas, vemos diferentes cores que mudam de tonalidade de acordo com o ângulo sob o qual vemos. Portanto, inspirados nesse design, engenheiros projetaram telas de LCD com superfícies mais finas e leves, com alta qualidade de imagem e de visualização de baixíssimo consumo de energia.

Cupinzeiro (e o prédio sustentável): o edifício Eastgate Center (Harare, Zimbábue), projeto de autoria do arquiteto Mick Pearce em parceria com a ARUP engenharia, foi inspirado na arquitetura e no funcionamento dos túneis e condutos de ar de um cupinzeiro.[25] Portanto, o edifício não possui um sistema convencional de ar condicionado ou aquecimento, mas, mesmo assim, mantém ao longo de todo o ano sua temperatura regulada com uma economia dramática no consumo de eletricidade (redução de 65%), tudo graças a um design que seguiu os princípios da biomimética.

Biossonar dos golfinhos (e a ecolocalização artificial): a ecolocalização nos golfinhos é um sistema tecnológico natural bem sofisticado. É muito superior a qualquer sistema criado pelo ser humano. O golfinho possui um extraordinário sistema acústico de ecolocalização que lhe permite obter informações sobre outros animais e o ambiente, pois consegue emitir ondas ultrassônicas, na faixa de 150 kHz, sob a forma de “clicks” ou estalidos. Com base nessa capacidade natural, os seres humanos desenvolveram a “ecolocalização artificial”, com o advento do radar, do sonar, e até mesmo dos aparelhos de ultrassonografia.[26]

Baleia Jubarte (e as hélices eólicas): esse mamífero é ágil ao mergulhar e fazer curvas, e o segredo está nas saliências (tubérculos) de suas nadadeiras que canalizam o fluxo de água e criam turbulências. Cientistas estão imitando esse design a fim de aprimorar lemes de barcos, turbinas hidráulicas, hélices de helicópteros e hélices eólicas.[27, 28] Os testes aplicados em hélices eólicas mostraram uma eficiência de até 42% que beneficiará os moinhos, visto que constantemente eles recebem fortes rajadas de ventos que danificam sua estrutura. Essa tecnologia fará com que o vento seja desviado facilmente, permitindo um melhor aproveitamento e gerando mais energia ao aumentar a velocidade do giro e diminuindo a manutenção das hélices.[29]

Tubarão (e as superfícies de baixo atrito): pesquisas estão explorando soluções naturais para a redução de atrito da pele sobre superfícies sólidas, o que poderia resultar em inovações e aplicações em matéria de conservação de energia. Para tanto, cientistas se inspiraram na forma como a pele dos peixes reage ao contato com a água, realizando experimentos em um modelo de pele com dentículos de tubarão-mako, considerado o tubarão mais rápido.[30] Essa tecnologia tem sido aplicada também em cascos de navios, submarinos e mesmo aviões, aumentando a eficiência aerodinâmica/hidrodinâmica em até 30%.

Patas-da-lagartixaLagartixas (e as fitas adesivas): cientistas estudaram as propriedades adesivas naturais das patas da lagartixa (gecko), que são capazes de manobrar rapidamente em superfícies verticais e tem incrível capacidade de subida, que lhes permite escalar paredes a uma velocidade muito alta, ficar de cabeça para baixo no teto e liberar a adesão das patas em milissegundos.[31] Isso porque a pata da lagartixa possui milhões de cílios que interagem com superfícies usando a força molecular.[32] Esse sistema inspirou a criação do Gecko Tape, uma fita adesiva com quatro vezes mais poder de colagem que qualquer outra, capaz de fixar qualquer coisa sem usar nenhuma cola.[33]

Penas dos pássaros (e os sensores estabilizadores de voo): cientistas se inspiraram nos dispositivos antiturbulência presentes nas penas de pássaros a fim de desenvolver um sistema inovador que pode acabar com as turbulências em voos de aeronaves.[34] Eles observaram que os microaviões não tripulados (drones) tendiam a sair da rota devido às rajadas de vento que podiam estilhaçá-los no céu, enquanto os insetos e pássaros se saem muito melhor. O que os mantém tão estáveis? Os pesquisadores descobriram a técnica utilizada pelos pássaros e a imitaram ao criar um sistema que detecta a perturbação do fluxo antes que isso resulte na movimentação da aeronave.

Linha lateral dos peixes (e o chip sensorial para navegação de robôs subaquáticos):manobrar um robô subaquático é muito complicado. A saída é tentar imitar os peixes, sobretudo a chamada linha lateral deles, um órgão sensorial distribuído ao longo do corpo e que permite a detecção de movimentos. Os cientistas se inspiraram no órgão sensorial dos bagres cegos encontrados em cavernas e criaram um sensor baseado na tecnologia MEMS, que praticamente não consome energia.[35] O equipamento fornece imagens 3D dos objetos ao redor, fazendo um mapeamento do entorno do robô que é muito mais preciso do que qualquer informação obtida com imagens por câmeras ou com sonares.

Proteínas da albumina do ovo (e o plástico biodegradável): a albumina da clara de ovo inibe tão bem o crescimento bacteriano que poderia ser misturada com glicerol para criar “bioplásticos” esterilizados para aplicações biomédicas, bem como para ser biodegradável e, portanto, mais “amigo” do meio ambiente. Para um dos cientistas, “se você o colocar em um aterro sanitário, sendo este bioplástico feito a partir da proteína pura, ele vai se degradar”, e “se você o colocar no solo durante um mês, no máximo dois meses, esse plástico vai desaparecer”.[36] Essa tecnologia será aplicada em embalagens de alimentos e na área biomédica.

Magnetorecepção em animais (e o sensor magnético em humanos): magnetorecepção é um sentido que permite que bactérias, insetos e até vertebrados como salmões, tartarugas do mar, aves e tubarões detectem campos magnéticos para orientação e navegação. Os seres humanos, porém, são incapazes de perceber campos magnéticos naturalmente. Diante disso, cientistas desenvolveram um novo sensor magnético inspirado na natureza, que é fino, robusto e flexível o suficiente para ser facilmente adaptado à pele humana, mesmo em regiões mais flexíveis da palma da mão.[37] Essa tecnologia poderá equipar os seres humanos com sentido magnético.

Bússola biológica dos pássaros (e os smartphones): uma nova e melhor geração desmartphones vai poder empregar sensores de campo magnético inspirados na bússola biológica de migração dos pássaros. Cientistas criaram perfeitos fios moleculares unidimensionais que suprimem quase totalmente a condutividade elétrica por um campo magnético fraco à temperatura ambiente.[38] É possível que esse mecanismo subjacente esteja intimamente relacionado com a bússola biológica usada por algumas aves migratórias para encontrar sua localização no campo geomagnético.

mexilhãoMexilhões (e a sensibilidade dos dentes): Sensibilidade dentária ocorre quando a dentina na linha da gengiva é desgastada, deixando os nervos expostos a sinais quentes, frios, doces ou azedos. Frente a esse problema, cientistas anunciaram uma forma de reconstruir o esmalte e a dentina dos dentes, inspirada nos mexilhões.[39] Mexilhões constroem um adesivo à prova d’água para se fixarem às rochas. Com base nesse design, cientistas desenvolveram uma “substância gosmenta” que reconstrói a dentina e o esmalte ao mesmo tempo. A promessa é a de que o adesivo manterá os minerais em contato com a dentina por tempo suficiente para que ocorra o processo de reconstrução.

Cérebro humano (e os processadores neuromórficos): cientistas estão usando silício esoftware para construir sistemas eletrônicos que imitam neurônios e sinapses, com vistas a construir uma geração de computadores mais eficientes e mais rápidos. O processador neuromórfico – supercomputador chamado Neugrid – foi construído para imitar o funcionamento dos neurônios do cérebro humano.[40] Dotado com o chip Hicann, ele consegue simular 512 neurônios, cada um equipado com 224 circuitos sinápticos. Porém, vale lembrar que o córtex de um camundongo, por exemplo, opera 9.000 vezes mais rápido e consome 40.000 vezes menos energia do que uma simulação feita em computador.

Baço humano (e o baço artificial): cientistas desenvolveram um aparelho (biospleen) inspirado no baço humano que é capaz de filtrar organismos patogênicos e toxinas do sangue de pacientes.[41] Depois que o sangue flui pelo biospleen, um imã puxa as toxinas do sangue e aí o líquido “puro” retorna ao paciente – tratamento parecido com o da hemodiálise. Os testes conseguiram retirar 90% dos patogênicos do sangue depois de cinco “rodadas” de limpeza. A tecnologia pode ser uma boa opção no caso dos tratamentos virais também, como HIV e ebola.

Lágrima humana (e a solução de limpeza para lentes de contato): cientistas criaram uma solução de limpeza para lentes de contato, Biotrue ONEday, inspirada na biologia dos olhos humanos.[42] A solução possui pH compatível com o da lágrima humana e umedece a lente da mesma forma que os olhos, pois usa um lubrificante também encontrado no olho humano, o que deve reduzir a reação alérgica a esse tipo de produto.[42, 43] “Isso é bastante novo em oftalmologia. Mas num futuro próximo veremos inúmeras soluções da biomimética aplicadas à medicina”, afirma Gary Orsborn, diretor de cuidados médicos da Busch & Lomb.[2]

Cristalino humano (e a lente para correção de catarata): a empresa norte-americana Bausch & Lomb lançou outro produto de design bioinspirado, dessa vez para correção de catarata: a lente intraocular acomodável Crystalens®.[31, 44] Esse implante de lente procura imitar o cristalino natural, tanto quanto possível. Projetado para se mover dentro do olho, o implante de lente permite que os pacientes enxerguem de perto, a médio alcance e à distância.

Articulações humanas (e o desenvolvimento de próteses): ao estudar a estrutura e função das articulações humanas (bacias, joelhos, ombros e tornozelos), cientistas se inspiraram para o desenvolvimento de dispositivos protéticos a fim de imitar e substituir a estrutura natural do corpo humano.[45, 46]

hemaceasHemáceas humanas (e o desenvolvimento de glóbulos vermelhos sintéticos): cientistas estão desenvolvendo glóbulos vermelhos sintéticos.[47] As células sintéticas foram projetadas para imitar as características estruturais e funcionais de hemácias do sangue humano a fim de transportar oxigênio através de capilares menores do que seu próprio diâmetro. O objetivo é o de que possam ser usados como veículos para agentes terapêuticos e de imagiologia, bem como para se tornar um sistema potencial de entrega de fármacos.

Tecidos humanos (e a engenharia de tecidos sintéticos): minúsculas partículas feitas de polímeros são uma grande promessa como andaimes estruturais para a construção de tecidos artificiais. Cientistas desenvolveram uma nova técnica que permite criar micropartículas que assumem praticamente qualquer forma, usando um micromolde que muda de forma em resposta à temperatura.[48] Foi possível organizar diferentes células em camadas para criar tecidos sintéticos que imitam a estrutura de tecidos naturais do corpo humano.

Viu a lista? Isso é o que o design inteligente tem feito por você ultimamente. É por isso que o design inteligente se encaixa naturalmente com a Biomimética. Se modelos vivos não fossem tão bons, ninguém seria inspirado a imitá-los. Portanto, não é racional insultar bioengenheiros com a sugestão de que eles estão imitando tecnologias de última geração resultantes de um processo cego e não guiado em seus laboratórios.[49] Não a partir de nossa experiência uniforme, pois um bom projeto vem de uma boa mente.

É impossível justificar tecnologias naturais como essas por meio dos mecanismos propostos pelo atual paradigma para a explicação da origem e evolução dos seres vivos. É na ausência de mecanismos naturais responsáveis pelo surgimento desses designs que repousa a necessidade de uma influência inteligente arquitetando tudo. Contudo, diante da impossibilidade de demonstrar em laboratório a origem desses sistemas de complexidades naturais, revistas científicas como a Nature têm apelado ao naturalismo filosófico e à metafísica: “Milhões de anos de evolução tornaram o mundo biológico em um laboratório de desenvolvimento de materiais extremamente eficaz. […] As substâncias encontradas no mundo natural são inspiradoras imitações que podem, eventualmente, dotar os seres humanos com poderes sobre-humanos.”[50]

O fato de a Biomimética ter tido uma rápida ascensão na última década é sinal de que as pessoas estão cansadas de histórias inúteis. O papo de Darwin cai fora da discussão quando o foco está no design natural que a ciência pode imitar para melhorar a vida humana. Esse é o início de uma nova forma de se fazer ciência com base em projetos inteligentes que vão trazer uma infinidade de benefícios para o mundo. Darwin está perdendo discípulos, e aqui vai uma dica: Neodarwinistas, mantenham suas mãozinhas fora da Biomimética. Ela não pertence a vocês! Quer saber se estou correto em minhas afirmações? Façamos alguns questionamentos: Quantas dessas pesquisas mencionaram a evolução? A teoria da evolução é realmente relevante para o projeto baseado em design?

Fonte: Everton Fernando Alves é mestre em Ciências da Saúde pela UEM e diretor de ensino do Núcleo Maringaense da Sociedade Criacionista Brasileira [NUMAR-SCB].

Referências:

[1] Santos C. O desenho como processo de aplicação da Biomimética na arquitetura e no design. Tópos 2010; 4(2):144-192. Disponível em: http://revista.fct.unesp.br/index.php/topos/article/viewFile/2257/2066

[2] Vialli A, Gonçalves A. Natureza aplicada à vida cotidiana. O Estado de São Paulo, 2010. Disponível em:http://www.estadao.com.br/noticias/geral,natureza-aplicada-a-vida-cotidiana-imp-,643094

[3] Entrevista concedida por Marc Weissburg. Taking cues from nature to solve tech problems. Entrevistador: Greg Bluestein. NBC News.com, 2006. Disponível em: http://www.nbcnews.com/id/13421974/ns/technology_and_science-tech_and_gadgets/t/taking-cues-nature-solve-tech-problems/#.Vo-0XrYrI_4

[4] Benyus JM. Biomimética: Inovação Inspirada pela Natureza. 3. Ed. São Paulo: Editora Cultrix, 2007.

[5] Gates P. Wild Technology. Kingfisher Books, 1995.

[6] Vincent JFV, Bogatyreva O, Pahl AK, Bogatyrev N, Bowyer A. Putting Biology into TRIZ: A database of Biological effects. Creativity and Innovation Management 205; 14(1):66-72. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1476-8691.2005.00326.x/abstract

[7] Technology that imitates nature. The Economist 2005; 375:18-22. Disponível em: http://www.economist.com/node/4031083

[8] Dawkins R. The Illusion of Design. Natural History Magazine 2005; 114(9):35-37. Disponível em:http://www.naturalhistorymag.com/htmlsite/1105/1105_feature1_lowres.html

[9] Dawkins R. The Greatest Show on Earth. New York: Free Press, 2009.

[10] Almeida Filho EE. O design inteligente ‘ilusório’ do cérebro motiva pesquisadores a projetar uma nova geração de neurocomputadores. Desafiando a Nomenklatura Científica, 2010. Disponível em: http://pos-darwinista.blogspot.com.br/2010/02/o-design-inteligente-ilusorio-do.html

[11] Relatório da patente nº US 2,717,437. Disponível em: http://www.freepatentsonline.com/2717437.pdf

[12] Ito F, Komatsubara S, Shigezawa N, Morikawa H, Murakami Y, Yoshino K, Yamanaka S. Mechanics of Water Collection in Plants via Morphology Change of Conical Hairs. Applied Physics Letters 2015; 106: 133701.

[13] Chueh WC, Falter C, Abbott M, Scipio D, Furler P, Haile SM, Steinfeld A. High-Flux Solar-Driven Thermochemical Dissociation of CO2 and H2O Using Nonstoichiometric Ceria. Science. 2010 Dec 24;330(6012):1797-801.

[14] Equipe de Redação. Reator imita plantas para produzir combustível solar. Inovação Tecnológica, 2010. Disponível em:http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=reator-imita-plantas-combustivel-solar&id=010115101227#.Vo2lkrYrI_4

[15] Rampf M, Speck O, Speck T, Luchsinger RH. Self-Repairing Membranes for Inflatable Structures Inspired by a Rapid Wound Sealing Process of Climbing Plants. Journal of Bionic Engineering, 2011; 8(3):242-50. Disponível em:http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1672652911600280

[16] Zhang M, Lenaghan SC, Xia L, Dong L, He W, Henson WR, Fan X. Nanofibers and nanoparticles from the insect-capturing adhesive of the sundew (Drosera) for cell attachment. Journal of Nanobiotechnology 2010; 8:20.

[17] Takahashi T, Okabe T, Iwamoto H, Hirose Y, Yamada H, Doi T, Usui S, Fukazawa Y. A Biomimetic Approach to Taxol: Stereoselective Synthesis of a 12-Membered Ring Ene-Epoxide. Israel Journal of Chemistry 1997; 37(1):31-37.

[18] Umile TP (Ed.). Catalysis for Sustainability: Goals, Challenges, and Impacts. Boca Raton, FL: CRC Press, 2015.

[19] Liu N, Lu Z, Zhao J, McDowell MT, Lee HW, Zhao W, Cui Y. A pomegranate-inspired nanoscale design for large-volume-change lithium battery anodes. Nat Nanotechnol. 2014 Mar;9(3):187-92.

[20] Reid A, Windmill JFC, Uttamchandani D. Bio-inspired Sound Localization Sensor with High Directional Sensitivity. Procedia Engineering 2015; 120:289-93. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S187770581502281X

[21] Malvadkar NA, Hancock MJ, Sekeroglu K, Dressick WJ, Demirel MC. An engineered anisotropic nanofilm with unidirectional wetting properties. Nat Mater. 2010 Dec;9(12):1023-8.

[22] Young J, Walker S, Bomphrey R, Taylor G, Thomas A. Details of insect wing design and deformation enhance aerodynamic function and flight efficiency, Science. 2009; 325(5947):1549–1552.

[23] Lihoreau M, Chittka L, Le Comber SC, Raine NE. Bees do not use nearest-neighbour rules for optimization of multi-location routes. Biol Lett. 2012 Feb 23;8(1):13-6.

[24] McKeag T. Case study – Requiem for a Butterfly: Mirasol’s Market Meltdown. Zygote quarterly 2013; 5:10-29. Disponível em:http://issuu.com/eggermont/docs/zq_issue_05/10?e=15278665/11096019

[25] Silva ACB, Assis BS, Silva EG, Darc KK, de Faria KAF, Otaviano Neto O, Lage SOM. Século XXI Cupinzeiro: estrutura e construção sustentável. E-xacta 2011; 4(2):75-85. Disponível em: http://revistas.unibh.br/index.php/dcet/article/view/354

[26] Capus C, Pailhas Y, Brown K, Lane DM, Moore PW, Houser D. Bio-inspired wideband sonar signals based on observations of the bottlenose dolphin (Tursiops truncatus). J Acoust Soc Am. 2007 Jan;121(1):594-604.

[27] Miklosovic DS, Murray MM, Howle LE, Fish FE. Leading-edge tubercles delay stall on humpback whale (Megaptera novaeangliae) flippers. Phys Fluids 2004; 16(5):39-42.

[28] van Nierop EA, Alben S, Brenner MP. How Bumps on Whale Flippers Delay Stall: An Aerodynamic Model. Phys. Rev. Lett. 2008; 100(5):054502.

[29] Fish FE, Weber PW, Murray MM, Howle LE. The Tubercles on Humpback Whales’ Flippers: Application of Bio-Inspired Technology. Integr Comp Biol. 2011 Jul;51(1):203-13.

[30] Lang AW, Motta P, Hidalgo P, Westcott M. Bristled shark skin: a microgeometry for boundary layer control? Bioinspir Biomim. 2008 Dec;3(4):046005.

[31] Vukusic P. Bio-inspired design. Optician, 2010. Disponível em: https://s3-eu-west-1.amazonaws.com/rbi-communities/wp-content/uploads/importedimages/bio.pdf

[32] Hansen WR, Autumn K. Evidence for self-cleaning in gecko setae. Proc Natl Acad Sci U S A. 2005 Jan;102(2):385-9.

[33] Geim AK, Dubonos SV, Grigorieva IV, Novoselov KS, Zhukov AA, Shapoval SY. Microfabricated adhesive mimicking gecko foot-hair. Nat Mater. 2003;2:461-463.

[34] Mohamed A, Watkins S, Clothier R, Abdulrahim M, Massey K, Sabatini R. Fixed-wing MAV attitude stability in atmospheric turbulence—Part 2: Investigating biologically-inspired sensors. Progress in Aerospace Sciences 2014; 71:1-13. Disponível em:http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0376042114000621

[35] Dusek J, Kottapalli AGP, Asadnia M, Woo ME, Miao JM, Lang JH, Triantafyllou M. Development and testing of bio-inspired microelectromechanical pressure sensor arrays for increased situational awareness for marine vehicles. Struct. 2013; 22(1): Disponível em: https://seagrant.mit.edu/publications/MITSG_13-03.pdf

[36] Jones A, Mandal A, Sharma S. Protein-based bioplastics and their antibacterial potential. J. Appl. Polym. Sci. 2015; 132:41931. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/app.41931/abstract

[37] Melzer M, Kaltenbrunner M, Makarov D, Karnaushenko D, Karnaushenko D, Sekitani T, Someya T, Schmidt OG. Imperceptible magnetoelectronics. Nature Communications, 2015; 6:6080.

[38] Mahato RN, Lulf H, Siekman MH, Kersten SP, Bobbert PA, Jong MP, De Cola L, van der Wiel WG. Ultrahigh Magnetoresistance at Room Temperature in Molecular Wires. Science. 2013; 341(6143):257-260.

[39] Zhou YZ, Cao Y, Liu W, Chu CH, Li QL. Polydopamine-Induced Tooth Remineralization. ACS Appl. Mater. Interfaces 2012; 4(12):6901-6910.

[40] Benjamin BV, Gao P, McQuinn E, Choudhary S, Chandrasekaran AR, Bussat JM, et al. Neurogrid: A Mixed-Analog-Digital Multichip System for Large-Scale Neural Simulations. Proceedings of the IEEE 2014; 102(5):699-716. Disponível em:https://web.stanford.edu/group/brainsinsilicon/documents/BenjaminEtAlNeurogrid2014.pdf

[41] Kang JH, et al. An extracorporeal blood-cleansing device for sepsis therapy. Nat Med. 2014 Oct;20(10):1211-6.

[42] Venkatesh S. Biotrue multipurpose solution: bringing inspiration to lens care. Optician. 2010, p. 30-36. Disponível em:https://s3-eu-west-1.amazonaws.com/rbi-communities/wp-content/uploads/importedimages/biotrue.pdf

[43] Barniak VL, Burke SE, Venkatesh S. Comparative evaluation of multi-purpose solutions in the stabilization of tear lysozyme. Cont Lens Anterior Eye. 2010 Dec;33 Suppl 1:S7-11.

[44] Hovanesian JA, Karpecki P. Preoperative evaluation and management of premium lens patients. Visions magazine, 2010; 9:5-6. Disponível em: http://www.bausch.co.za/ecp/-/m/BL/South%20Africa/Files/Downloads/ECP/Clinical%20Resources/Visions-Magazine-9.pdf

[45] Wood PL, Karski MT, Watmough P. Total ankle replacement: the results of 100 mobility total ankle replacements. J Bone Joint Surg Br. 2010 Jul;92(7):958-62.

[46] Anseth SD, Pulido PA, Adelson WS, et al. Fifteen-year to twenty-year results of cementless Harris-Galante porous femoral and Harris-Galante porous I and II acetabular components. J Arthroplasty. 2010 Aug;25(5):687-91.

[47] Doshi N, Zahr AS, Bhaskar S, et al. Red blood cell-mimicking synthetic biomaterial particles. Proc Natl Acad Sci U. S. A. 2009 Dec;106(51):21495-99.

[48] Tekin H, Tsinman T, Sanchez JG, Jones BJ, Camci-Unal G, Nichol JW, Langer R, Khademhosseini A. Responsive Micromolds for Sequential Patterning of Hydrogel Microstructures. J Am Chem Soc. 2011; 133(33):12944-12947.

[49] Equipe da Redação. Intelligent Designs in Nature Make Engineers Envious. Evolution News and Views, 2013. Disponível em:http://www.evolutionnews.org/2013/10/intelligent_des_12078571.html

[50] Brody H. Biomaterials. Nature. 2015; 519(7544):S1. Disponível em:http://www.nature.com/nature/journal/v519/n7544_supp/full/519S1a.html

Ateus mimimi denunciam SBT por “ateofobia”

É proibido opinar, agora?

                    É proibido opinar, agora?

O SBT está sendo alvo de um processo judicial e uma denúncia no Ministério Público preparado pela Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos), segundo informou a jornalista Mônica Bergamo na Folha de S. Paulo. De acordo com a entidade, houve demonstração de intolerância e desrespeito aos ateus no Programa Silvio Santos do último domingo (8). No quadro “Jogo dos Pontinhos”, o apresentador perguntou aos seis participantes se eles eram contra ou a favor de quem não acredita em Deus. Em seguida, todos afirmaram ser contra o ateísmo. “Eu acho que a gente fica muito miserável quando não acredita em Deus. Fica só pensando em dinheiro e nas coisas mais materiais. Acreditar em Deus eleva a gente espiritualmente, deixa a gente mais alegre com as coisas que a gente tem”, disse a filha de Silvio, Patrícia Abravanel.

“Tem que ter em quem acreditar, Ele é o nosso Deus, é o nosso Todo-Poderoso, é a coisa que nos traz paz, amor, todos os dias, esperança, fé…”, comentou Helen Ganzarolli.

“Até o ateu na hora do sufoco chama a Deus. Eu sou contra, porque Deus é quem nos liga, quem faz a gente ver que ninguém é diferente de ninguém, e que todos somos iguais”, acrescentou Flor.

[Foi nesse mesmo domingo que Patrícia Abravanel manifestou opinião sobre “casamento” entre pessoas do mesmo sexo e despertou a raiva dos militantes LGBT de plantão. Confira aqui.]

De acordo com o escritor Julio Severo, os argumentos da militância gay tentam sempre apresentar os homossexuais como vítimas. “Os meios de comunicação, em grande parte movidos por uma doentia tendência liberal e esquerdista, há muito tempo se enxergam com a missão de ‘evangelizar’ as massas nos valores do liberalismo e esquerdismo. Daí o homossexualismo encontra na mídia um santuário intocável, onde todo sacrilégio contra a divindade homossexual é punido com todo tipo de manipulação oposicional possível”, disse ele em entrevista ao Guiame.

“Assim, o conceito de preconceito se torna nas mãos deles uma poderosa ferramenta de engenharia social, política e legal. Acabando-se com o ‘preconceito’, todas as pretensões dos militantes gays se tornam possíveis”, acrescenta o escritor.

Fonte: Guiame.

Nota: Você percebeu que as participantes do programa não ofenderam qualquer ateu em particular nem propriamente se disseram contra os ateus? Embora elas estejam longe de saber usar uma argumentação apologética/filosófica em defesa do teísmo, tudo o que fizeram foi manifestar opinião, nada mais. E isso não é “pecado”, não é preconceito. É constitucional, até. Sabe o que é preconceito? Ateus militantes se valerem de redes sociais para realmente ofender cristãos (e é bom especificar o tipo de ateu – militante –, pois existem ateus educados com os quais é perfeitamente possível dialogar). Sabe o que é preconceito? Pensadores ateus como Richard Dawkins chamarem crentes de iludidos, delirantes e coisa pior. É Dawkins chamar o Deus dos cristãos e dos judeus de assassino, abusador e daí para baixo. Quanto eu saiba, nenhum crente jamais abriu processo contra esses neoateus miltantes, embora tivessem muito mais motivos que estes. Quanto aos militantes gays (e é bom especificar o tipo de gay – militantes –, pois existem homossexuais com os quais é perfeitamente possível dialogar), o que eles parecem querer é que certos direitos (os deles, naturalmente) sejam mais importantes que os direitos dos outros (o de manifestar opinião sem ser homofóbico, por exemplo). Chega de mimimi! (Criacionismo).

Filha de Silvio Santos é homofóbica?

patriciaUma fala da apresentadora Patrícia Abravanel esteve entre os assuntos mais comentados do Twitter no começo desta semana. No programa Silvio Santos, apresentado pelo pai dela, ela disse ser contra o fato de a homossexualidade ser tratada como algo normal nos dias de hoje. Depois de dizer que não gostou do filme Carol, cujo enredo aborda a relação amorosa entre duas mulheres, Silvio perguntou aos participantes do quadro “Jogo dos Pontinhos” se eram a favor ou contra duas mulheres se amarem como se fossem um casal. Foi então que Patrícia, que é evangélica, disse ser contra esse tipo de relação ser tratada como algo normal.

Ela disse diante da câmera: “Li numa revista que hoje um terço dos jovens se relaciona com pessoas do mesmo sexo. Eu acho muito um terço, mesmo sem saber se a opção deles é real. Eles experimentam. […] Acho que o jovem é muito imaturo ainda para saber o que quer. A gente tem que afirmar que homem é homem, e mulher é mulher, entendeu? Acho que não é legal ser superliberal.”

E disse mais: “O que está acontecendo é que estão falando que tudo é normal, tudo é bonito; o jovem acaba experimentando coisas de que pode vir eventualmente a se arrepender depois. Então eu sou contra ficar propagando em rede nacional que isso é uma coisa super… eu sou contra. […] Eu não sou contra o homossexualismo, eu sou contra falar que é normal.”

A atriz Lívia Andrade, que também participa do programa, discordou da filha do patrão. Ela disse: “Acho bonito quando duas mulheres se amam como duas mulheres. Sou a favor porque o mundo é uma coisa livre. Cada um escolhe o que quer, opção sexual, religião, e o que vai fazer da vida. Cada um com seus problemas e as pessoas tem que respeitar as escolhas.”

Patrícia Abravanel foi muito criticada nas redes sociais e chegou a ser acusada de homofóbica. Mas será que as declarações dela podem mesmo ser classificadas como homofóbicas?

Vamos à etimologia: “homofobia” é uma palavra formada pelo pseudoprefixo homo, de homossexual, e fobia, que quer dizer medo, aversão. E Patrícia não pareceu expressar medo, raiva ou aversão aos homossexuais. Nem tampouco pareceu desrespeitar as escolhas das pessoas, como disse Lívia. Ela apenas manifestou sua opinião com respeito ao estilo de vida homossexual.

Portanto, Patrícia simplesmente está sendo coerente com sua crença, nada mais. Se ela é evangélica e segue o que está escrito na Bíblia, não poderá defender outra coisa a não ser o casamento heterossexual monogâmico. Está lá no Gênesis. Deus criou homem e mulher, casou-os e ordenou que se tornassem uma só carne, ou seja, praticassem sexo, e que procriassem, o que naturalmente somente macho e fêmea podem fazer.

No Novo Testamento, Jesus reafirma esse conceito de casamento, ao dizer que Deus criou um homem e uma mulher a fim de que se tornassem uma só carne, num relacionamento de amor e complementação física, emocional e espiritual, que não deveria ser rompido a não ser pela morte e, em regime de exceção, pelo adultério.

É curioso ver cristãos defendendo a relação homossexual… Isso só é possível se essas pessoas relativizarem o livro dos cristãos, a Bíblia Sagrada. Mas, se deixarem de lado os preceitos do livro que, em tese, faz delas cristãs, elas podem ainda se considerar cristãs?

Jesus Cristo nunca defendeu a relação homossexual. Seus seguidores, como Paulo, idem. Então como ser cristão e defender o que Cristo não defendeu? Alguns confundem o fato de Jesus amar todas as pessoas (e todas, obviamente, inclui os homossexuais) com a ideia de que Ele aprovaria a conduta dessas mesmas pessoas. Jesus ama o pecador, mas não aprova o pecado.

Claro que todos têm liberdade para viver como bem entendem, mas não para ser incoerentes, como cristãos que se valem do relativismo para tentar normalizar o que é, sim, anormal do ponto de vista bíblico. Não se pode servir a dois senhores, disse o Mestre. Relativismo e verdade absoluta não se beijam.

Fonte: Michelson Borges

Nota: Teve uma ocasião em que Silvio Santos deu uma lição em sua filha evangélica. Veja o vídeo abaixo:

Pesquisa sobre o que acontece com corpos mortos no fundo do mar (evidência a favor de qual teoria: evolucionista ou diluvianista?)

Equipes forenses e policiais precisam saber exatamente o que acontece com corpos lançados ao fundo do oceano. Entender como eles se decompõem em circunstâncias diferentes ajuda as autoridades a fazer aquilo que a sociedade espera – colocar criminosos atrás das grades. Em uma tentativa de entender melhor como os organismos se decompõem para investigações forenses e criminais, criminologistas da Universidade de Simon Fraser e da Universidade de Victoria, no Canadá, submergiram carcaças de porcos em um laboratório subaquático no mar de Salish. Os pesquisadores conduziram dois experimentos, um na primavera e outro no outono. A pesquisa mostrou que uma carcaça de porco pode ser decomposta até o osso dentro de três dias durante o outono, e quatro na primavera. O experimento utilizou carcaças suínas devido ao seu tamanho e estrutura semelhantes a um corpo humano. Os animais foram colocados 300 metros abaixo da superfície no Estreito de Geórgia, uma faixa altamente oxigenada de água entre a Ilha de Vancouver e a costa oeste do Canadá.

“Estudos anteriores em Saanich (a 100 metros de profundidade) e Howe Sound (a 7 a 15 metros de profundidade) indicaram que uma carcaça parecida com a de um ser humano em tamanho do torso, tipo de pele e bactérias internas provavelmente ‘sobreviveria’ por semanas ou meses, dependendo dos níveis de oxigênio, da estação e se manteve contato com o fundo do mar”, disse a criminologista e principal autora do estudo, Gail Anderson, em um comunicado.

No novo estudo, no entanto, foi descoberto que, em águas mais profundas altamente oxigenadas, o corpo viraria apenas um esqueleto em menos de quatro dias, embora os ossos pudessem ser recuperados por seis meses ou mais.

Em ambas as estações, camarões minúsculos da família Lysianassidae foram imediatamente atraídos para o cadáver. Durante a primavera, horas mais tarde apareceram também vários tubarões-albafar, que arrancaram partes do porco, mas pararam de morder a carcaça após 24 horas, apesar de ainda haver carne. Milhares dos pequenos camarões continuaram a acumular-se no animal ao longo dos dias.

No nono dia de primavera, um polvo gigante do Pacífico (Enteroctopus dofleini) aproximou-se da carcaça e pareceu inspecionar curiosamente os restos mortais, embora aparentemente não tenha comido nada. No dia seguinte, os ossos foram então visitados por camarão local, que se alimentou da cartilagem restante dos ossos.

Depois de 166 dias na primavera e 134 dias no outono, os ossos restantes foram recuperados pela equipe.

Os pesquisadores ficaram surpresos com o quão diferentes os resultados foram de acordo com os níveis de oxigênio e a profundidade da água. A rapidez da decomposição foi graças a uma maior atividade dos animais chamados “limpadores” (que ficam no fundo do mar comendo carcaças), ao contrário de bactérias internas, algo que tinha sido visto em outros estudos.

Anderson observou que o estudo será importante para mergulhadores de recuperação de corpos, a fim de que eles saibam o que esperar e pelo que procurar.

Fonte: Hypescience.