A ideologia da destruição dos gêneros

Experimente pensar diferente do atual zeitgeist, expressar sua opinião e dizer de forma “politicamente incorreta” que Deus criou homem e mulher, e aí você verá para onde vai sua liberdade...
Experimente pensar diferente do atual zeitgeist, expressar sua opinião e dizer de forma “politicamente incorreta” que Deus criou homem e mulher, e aí você verá para onde vai sua liberdade…

Em Gênesis 1:27, está escrito: “Criou Deus o homem à Sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.” Em Mateus 19:4, Jesus reafirma essa verdade: “Não tendes lido que o Criador os fez desde o princípio homem e mulher.” Biblicamente falando, existem apenas dois gêneros: feminino e masculino; mulher e homem. Foi assim no princípio e era para ter sido sempre assim. Aliás, muitas outras coisas eram para sempre ter sido do jeito que foram criadas, mas o inimigo de Deus, com inveja satânica, viu a pintura fresca da criação divina e passou a mão sobre a tela, borrando as cores antes tão belas e harmoniosas. E tudo virou uma confusão só! Meninos e meninas estão sendo transformados em meninix. Homens estão se afeminando cada vez mais e mulheres se masculinizando. Os papeis estão sendo trocados e poucos admitem que está havendo confusão nesse processo. O casamento, antes a união entre um homem e uma mulher sob as bênçãos de Deus, está sendo transformado na união entre duas ou mais pessoas à revelia da vontade de Deus. E a aceitação desse estado de coisas é crescente porque a propaganda é intensa, atingindo especialmente os mais vulneráveis a ela: as crianças.

Está em cartaz uma nova animação da Warner intitulada “Cegonhas: a história que não te contaram”; uma releitura da lenda das aves que trazem os filhos embrulhados para seus pais. Na história, há uma menininha de cabelos rosa, “fabricada” por engano e que precisa sem entregue aos pais. No fim do filme, aparecem “casais” homossexuais e mães e pais solteiros esperando sua “encomenda”. Uma amostra de que veio para ficar o conceito de casamento não limitado ao modelo bíblico heterossexual.

Meio que seguindo os passos do colégio D. Pedro II, do Rio de Janeiro, que liberou o uso de saias para meninos, uma escola municipal de São Paulo também está dando sua contribuição para destruir as diferenças entre os gêneros. Para a professora que está encabeçando a iniciativa, a escola costuma reforçar práticas desiguais que acontecem na sociedade. Ela, que é feminista, afirma que “os meninos são muito mais incentivados a desenvolver atividades físicas e muito mais elogiados pelo seu desenvolvimento em matérias como matemática, enquanto as meninas brincam de como ‘ser mamãe’ e são mais incentivadas a se desenvolver em matérias linguísticas”.

Existe algum problema em as meninas serem treinadas para ser mães ou a desenvolver suas já inerentes habilidades linguísticas? Afinal, algumas delas não serão mesmo mães? Ou queremos extinguir a humanidade de vez? Querem desprezar as óbvias diferenças biológicas, fisiológicas e psicológicas entre homens e mulheres e forçar a natureza a ser o que não é, como se gênero fosse apenas uma construção social.

A professora da escola paulista diz que “há a necessidade urgente de se pensar em práticas inclusivas, que considerem as diferenças e a diversidade de opiniões sem demonizá-las”. Mas fica aqui a dúvida: Será respeitada a opinião de crianças e pais que discordam dessa dissolução dos gêneros e que defendem os valores judaico-cristãos? Ou essa opinião está proibida?

Ethan e seu maquiador
                     Ethan e seu maquiador

No começo deste ano, outra notícia chamou atenção para os novos tempos em que estamos vivendo: o garoto americano de oito anos Ethan, fã da drag queenJefree Star, ganhou de sua mãe uma aula de maquiagem. E o que ela disse? “Devemos acabar com os padrões de gênero e permitir que as crianças se expressem.”

O maquiador disse: “Fiquei muito comovido que sua mãe o estava apoiando no que ele quer fazer. Há muitas crianças que têm pais que ignoram ou proíbem esse tipo de coisa.” Mas não cabe aos pais tutoriar os filhos, ajudando-os em suas escolhas? É uma criança de oito anos quem deve dizer à mãe o que quer fazer da vida?No começo deste ano, outra notícia chamou atenção para os novos tempos em que estamos vivendo: o garoto americano de oito anos Ethan, fã da drag queenJefree Star, ganhou de sua mãe uma aula de maquiagem. E o que ela disse? “Devemos acabar com os padrões de gênero e permitir que as crianças se expressem.”

Para encerrar, mais um caso: o do mais novo ex-casal famoso, Brad Pitt e Angelina Jolie. Na verdade, da filha deles, chamada Shiloh, hoje com dez anos. A menina gosta de vestir roupas masculinas e o casal nunca quis interferir nesse comportamento dela, mantendo um ambiente em que, segundo eles, ela poderá ser quem é. Bem, agora ela poderá ser quem é em um lar em que lhe é permitido ser o que quiser, em que não há mais uma figura paterna e em que a mãe se assume como bissexual.

Angelina e Shiloh
                        Angelina e Shiloh

Shiloh será realmente livre ou será moldada por essas circunstâncias, como tantos outros têm sido moldados por uma sociedade que vem impondo estilos de vida antibíblicos como se isso fosse a suprema expressão da liberdade?

Em artigo publicado no Portal ANR, o psiquiatra Cesar Vasconcellos de Souza diz ver com temor esse conceito da ideologia de gênero neutro, na medida em que passa a funcionar como um fator que pode incentivar crianças e adolescentes a pensar que realmente não possuem um gênero definido. Ou seja, funcionaria muito mais um fator ambiental que tem influência sobre mentes muitas vezes fragilizadas justamente por transtornos passageiros típicos de sua idade

Experimente pensar diferente do atual zeitgeist, expressar sua opinião e dizer de forma “politicamente incorreta” que Deus criou homem e mulher, e aí você verá para onde vai sua liberdade…

Fonte: Michelson Borges.

Clique aqui e leia mais sobre a ideologia sem de gênero.

Hendrickson Rogers

Oi, como vai? Então, o "prof. H" é professor de Matemática há 17 anos, mestre em Ensino de Matemática no Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Federal de Alagoas, especialista em Educação Matemática e especialista em Educação a Distância. Meu nome de fato é Hendrickson Rogers e o que me define não está supracitado. Sou um guerreiro nas fileiras do Rei Jesus Cristo e minha maior motivação é Sua promessa de retorno, recriação e vida eterna sem pecado e dor! Tudo o que faço gira em torno de meu Criador e Seus ensinamentos. A família, a educação matemática e a ciência (e tudo o mais) são oportunidades de honrá-Lo e evidenciá-Lo, até que Ele mesmo prove Sua existência! Prazer! Seja muito bem vindo(a)! Vamos calibrar sua cosmovisão poderosamente =D

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: