Sobre a “solidão” de Adão antes de Eva, otimização e completude nos atos criativos de Deus

Participantes: Alexandre Kretzschmar (AK), Gabriela (Ga), Guilherme Weizenmann (GW), Hendrickson Rogers (HR), João Célio (JC) e José Wander (JW).

Deus criou Adão em solidão?

(GW) Aqui eu entendo como um passo na didática de Deus. Deus criou os animais aos pares, e Adão os nomeou. Assim percebeu a existência de casais e sentiu a necessidade de ter alguém com quem compartilhar as experiências. Deus esperou que ele sentisse a necessidade de uma companhia para criar Eva. Assim ele entenderia melhor o pq de se tornarem um. Deus sabia da necessidade do homem, já que era a sua criação. O sentimento de solidão era em relação a alguém de sua espécie, que foi algo criado por Deus. Foi a característica da socialização que disparou a solidão.

(Ga) Talvez Deus tenha dito aquelas palavras apenas para que nós entendêssemos, desde o início, o propósito dEle de unir homem e mulher e como Ele via a obra de suas mãos. Pra expressar Seu plano: “Não é bom que o homem esteja só”. É diferente de dizer “não é bom que o homem se sinta só”.

(GW) Gn 2:23  “Então disse o homem: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; ela será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada”. Adão aparenta ter mais uma necessidade satisfeita quando Deus a cria. Dá a entender que ele estava procurando alguém, mas não achava. Então Deus criou a mulher.

(Ga) Ele deve ter ficado surpreso, sim. Mas não que estivesse precisando de algo ou que sentisse falta de algo. Não acho que dá pra ter certeza pelo texto.

(GW) Certeza não dá pra ter, mas não existe a necessidade de Deus ter criado Adão satisfeito sem ter Eva. Ele pode ter feito isso de forma proposital, afinal, a criação só foi concluída após a criação de Eva. A Muitas vezes, o termo em hebraico realmente aponta para um sentimento. Mas a narrativa que segue a pergunta foi Deus declarando que não era bom que o homem vivesse só. Deus havia percebido isso, fica um ar de: 

– Criei o homem mas tá faltando algo…deixa eu ver aqui .. já sei ! Uma auxiliadora….

(AK) Como se Deus fizesse uso destes sentimentos… Porém, como comentei, isto está intrínseco na narrativa justamente para dar sentido ao texto. Então, ao fazer uso do hebraico, neste caso podemos até achar a palavra e sentido real para solidão… porém, dentro da exegese do texto ela não se aplica a Adão. Abaixo o que comentei no outro grupo que originou a pergunta :

A primeira coisa que quero destacar é o fato do autor usar sentimentos humanos para mostrar a relação de Deus com os homens. Deus não se arrepende, não se lamenta, não estende suas “mãos”, não passa com seus “olhos”..enfim. Sentimentos humanos são atribuídos para contextualizar a relação de Deus com o homem. Analisando só o começo do versículo (sem atentar os demais textos) vemos que foi Deus quem declarou que não seria bom que o homem vivesse só. Não foi o homem que sentiu solidão. Deus, na sua soberania, não criou o homem e depois fez “ajustes” na sua criação. Deus criou o homem sabendo que precisaria de uma auxiliadora e assim o fez. Porém na narrativa é feito de forma que entendamos esses sentimentos.

Vamos observar agora o v.20.

“Assim o homem deu nomes a todos os rebanhos domésticos, às aves do céu e a todos os animais selvagens. Todavia não se encontrou para o homem alguém que o auxiliasse e lhe correspondesse.”

Deus trouxe os animais a Adão e ele os batizou. O narrador continua dizendo (contextualizando) que “para o homem não havia algo semelhante”. Podemos entender também que Deus estava ensinando Adão. Ensinando que ele era diferente dos demais, que seria perfeito e serviria ao propósito da criação. Na minha opinião, este trecho é igual aos demais que tratam de sentimentos. Já ouviram falar de Infralapsarianismo ? E de supralapsarianismo ? Tem uma questão bem interessante sobre isso quando tratamos a origem do mal.

Não vou tecer nada sobre isso, pois não é relacionado ao tema. Mas abordamos a questão de “achou-se iniquidade em Lúcifer” e tem uma pegada mais ou menos igual a sua pergunta [título desta postagem].

(JW) Neste caso ficaria como recurso estilístico a forma como o texto narra as coisas? Não parece meio esquisito afirmar, não faltava nada para Adão, mas Deus achou por bem dar-lhe uma auxiliadora porque não era bom que ele estivesse só? Por que Deus perguntou para Adão o que tinha ocorrido após o seu pecado? Creio que a resposta para ambas as perguntas são muito próximas, Deus é deveras didático. Deus criou homem e mulher a sua imagem e sua junção não seriam o testemunho completo desta semelhança?

(HR) 15. Assim, Yahweh Deus, o SENHOR, tomou o homem e o colocou no jardim do Éden para zelar por ele e nele fazer suas plantações.”

16. E o SENHOR deu a seguinte ordem ao homem: “Comerás livremente o fruto de qualquer espécie de árvore que está no jardim;”

17. contudo, não comerás da árvore do conhecimento do bem e do mal, porque no dia em que dela comeres, com toda a certeza morrerás!

18. Então declarou Yahweh, o SENHOR: “Não é bom que o ser humano viva sem a companhia de um semelhante; farei para ele alguém que o ajude e a ele corresponda!

(Gênesis, 2)

A hermenêutica sugere que o Criador deliberou o companheirismo (no formato matrimônio). Ele intencionou assim como teve a intenção de criar o que criou antes de Adão, e avaliou como “bom”, por 5 vezes. Com Eva o Criador fez diferente: Ele envolveu Adão na criação de sua esposa.

Ele o fez ter a mesma percepção de que a ausência de uma companhia não era “bom” como o restante da criação!

19. Sendo assim, o SENHOR modelou, do solo, todos os animais selvagens e todas as aves do céu e, em seguida, os trouxe à presença do homem para ver como este os chamaria; e o nome que o homem desse a cada ser vivo, esse precisamente seria seu nome.

(Gênesis, 2)

E somente quando Adão avaliou como Deus (de que não era “bom”), a criação da mulher ocorreu!

20. E, desse modo, o homem nomeou a todos os animais: os rebanhos domésticos, as aves do céu e a todas as feras. Entretanto, não se encontrou para o próprio ser humano alguém que com ele cooperasse e a ele correspondesse intimamente.

21. Então, Yahweh Deus fez Adão cair em profundo sono e, enquanto este dormia, retirou-lhe parte de um dos lados do corpo e uma costela, e fechou o lugar com carne.

22. Com a costela que havia tirado do homem, o SENHOR Deus modelou uma mulher e a conduziu até ele.

(Gênesis, 2)

E Moisés conclui a narrativa da origem da mulher com a empolgação de Adão (e não era pra menos!) em forma de poesia:

23. Então exclamou Adão: “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne! Ela será chamada ‘mulher’, porquanto do ‘homem’ foi extraída”.

(Gênesis, 2)

Logo, não é correto, biblicamente, dizer que Deus criou a solidão. Deus criou Adão sem a mulher e o induziu a reconhecer (como Ele mesmo já havia percebido e sugerido a ele por meio dos casais animais) a necessidade de uma existência em matrimônio (casal). Deus teria criado a solidão se Ele não tivesse feito “boca de urna” para a criação de Eva.

(A propósito, isso demonstra como Deus pode criar otimizadamente “mas” incompletamente. Digo assim para os criacionistas que creem que o princípio de Hamilton (ação mínima) exige a completude no ato criativo. Esse raciocínio é humano. Não bíblico. Deus pode criar otimizadamente e incompletamente perfeitamente! Talvez a terra caótica de Gn 1.2 também tenha a ver com esse fato. Ou não, pois Satanás pode ter tornado a Terra caótica com sua vinda antes de Deus iniciar Sua criação terráquea. Enfim, otimização não está associada biblicamente com completude, o que gera alguns problemas para a crença na premissa de que o que Deus criou, Ele o fez com completude. Isso acarreta implicações cosmológicas..).

(GW) Só me parece um tanto inconsistente a afirmação “Deus pode criar otimizadamente e incompletamente perfeitamente!”, pois a incompletude não está otimizada, e portanto, também não é perfeita. Deus mesmo disse que “não era bom” que o homem estivesse só, ou seja, não estava otimizado como o resto. Quanto à criar a solidão, Deus não a criou. Acredito que solidão neste caso possa ser uma expressão meio exagerada. Seria mais algo do tipo “Adão sentiu falta de um semelhante”.

(JC) A completude do ato criativo de Deus estava justamente em prever e criar a mulher! O princípio de otimização está perfeito! Pois para Deus isso já está feito, não importa em quanto tempo isso se completará, pois intervalos de tempo, uma característica do Universo criado, não faz diferença no processo criativo de Deus.

(HR) Entendo, amigo. Vamos avaliar essa ideia um pouco mais: Deus previu ou criou? Perceba que esses eventos não são simultâneos. Isso evidencia presciência, mas não evidencia completude. Concordamos que a Palavra de Deus prometendo algo para cumprimento futuro (não condicional) O permite agir como se futuro fosse passado (i.é, como se Ele já houvesse cumprido Sua Palavra). No entanto, o agir de Deus não cobre a lacuna do não cumprimento da promessa até que, de fato, isso ocorra.

Exemplos: o cordeiro morreu imediatamente no lugar do primeiro casal, impedindo que o casal transgressor morresse imediatamente. Deus prometeu a Abrão que seria Abraão. Mas, em nenhuma dessas situações o evento “agir de Deus” cobriu a lacuna entre a promessa e o evento “cumprimento da promessa”.

Logo, embora Deus seja imutavelmente fiel, esse fato não substitui Sua fidelidade efetiva, de modo que, completude (no contexto em questão) exige a simultaneidade dos eventos, pois assim como apenas “prever” salvação não resolve o problema do pecado, embora Deus seja imutável, o lapso entre o prever e o criar a mulher não é sinônimo de completude, mas de perfeita e otimizada incompletude necessária, uma vez que Adão foi criado à imagem de Deus, ou seja, com livre gerência. E onde há livre-arbítrio entra uma variável que pode exigir essa incompletude perfeita de um Criador onisciente.

E com relação ao tempo, olha, a passagem de tempo sempre faz diferença, mesmo para Quem é eterno!

Exemplos: por que Deus criou os primeiros seres livres no tempo em que Ele os criou? Por que não alguns minutinhos antes ou depois? Por que não alguns milhões de anos antes? Por que existimos já há alguns milhares de anos, em lugar de ainda não existirmos?

Outro ponto: por que o lapso de tempo entre a criação da Terra e a criação na Terra?

Ou seja: tempo sempre evidencia design, e não aleatoriedade. Pelo menos é assim que vejo na Bíblia. Se estou enganado, gostaria de um contraponto que me ajudasse a ver melhor.

Transcrição do grupo Onze de Gênesis para aqui, e correções por Hendrickson Rogers.

Hendrickson Rogers

Oi, como vai? Então, o "prof. H" é professor de Matemática há 17 anos, mestre em Ensino de Matemática no Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Federal de Alagoas, especialista em Educação Matemática e especialista em Educação a Distância. Meu nome de fato é Hendrickson Rogers e o que me define não está supracitado. Sou um guerreiro nas fileiras do Rei Jesus Cristo e minha maior motivação é Sua promessa de retorno, recriação e vida eterna sem pecado e dor! Tudo o que faço gira em torno de meu Criador e Seus ensinamentos. A família, a educação matemática e a ciência (e tudo o mais) são oportunidades de honrá-Lo e evidenciá-Lo, até que Ele mesmo prove Sua existência! Prazer! Seja muito bem vindo(a)! Vamos calibrar sua cosmovisão poderosamente =D

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: