Podemos confiar no texto bíblico?

Capítulo 16

Podemos confiar no texto bíblico?

Embora a Bíblia seja a legítima Palavra de Deus franqueada a todas as pessoas, existe uma parte de seu estudo que demanda um empenho mais técnico e científico. A história de uma produção literária que reflete uma época e cultura longínquas pode, às vezes, ser misteriosa. Por isso, criou-se a Ciência Bíblica, mais comumente conhecida por Hermenêutica ou, nalguns casos, Exegese. A disciplina é dividida em muitas ciências auxiliares e especialidades que podem beneficiar o leitor comum em seu estudo das Escrituras Sagradas. É claro, no entanto, que em vista dos limites e da precariedade de qualquer ciência humana, essa também não está isenta de possíveis erros. Logo, ela não deve ser um fim em si mesma nem arvorar qualquer superioridade ao próprio texto da Bíblia.

E por falar em texto bíblico, destacamos a importância da Crítica Textual – uma disciplina que procura restaurar o texto original de um documento antigo que foi alterado no processo de cópia e recópia ao longo da história. Continue Reading…

Esta é uma forte evidência de que a Torre de Babel existiu

Os estudiosos bíblicos há muito debatem se a Torre de Babel realmente existiu. Agora, uma inscrição antiga feita em pedra fornece uma evidência notável a seu favor.

O tablete

No meio dos restos frágeis da famosa cidade de Babilônia, onde hoje é o moderno Iraque, há uma vasta estrutura que registros históricos sugerem ter sido a Torre de Babel.

No entanto, não tínhamos realmente algo que comprovasse tal “lenda” – até que o Dr. Andrew George, da Universidade de Londres (Reino Unido), examinou um antigo tablete de pedra e descobriu uma imagem que revela exatamente como a torre se parecia no passado.

De acordo com o Dr. George, esta é uma forte prova de que a história bíblica da Torre de Babel foi inspirada por este edifício real. Continue Reading…

Apocalipse – possibilidades (capítulo 2: Tiatira)

Clique/aperte na numeração de verde para ir mais rapidamente para as notas de rodapé

Ap  Texto (ARA, 3ª ed) Leitura com a fundamentação das possibilidades que tentam alcançar a intenção do profeta João Texto enxuto
2.18 Ao anjo da igreja em Tiatira escreve: Estas coisas diz o Filho de Deus, que tem os olhos como chama de fogo e os pés semelhantes ao bronze polido:
Para o mensageiro que receberá esta mensagem lá na igreja de Tiatira, você diz assim João: o Autor desta mensagem é Aquele que é Deus e Homem ao mesmo tempo; é Criador, mas também criatura; é eterno e Pai da eternidade (cf. Is 9.6), mas também tem começo a partir do momento em que nasceu de Deus e de uma mulher, e, por isso, também é Filho; Aquele cujos olhos você, João, comparou com chamas de fogo, e os pés com uma peça de bronze bem polido, que foi refinado em fornalha:
Para o mensageiro que receberá esta mensagem lá na igreja de Tiatira, você diz assim João: o Autor desta mensagem é Aquele é Deus e Homem ao mesmo tempo; é Criador, mas também criatura; é eterno e Pai da eternidade, mas também tem começo a partir do momento em que nasceu de Deus e de uma mulher, e, por isso, também é Filho; Aquele cujos olhos você, João, comparou com chamas de fogo, e os pés com uma peça de bronze bem polido, que foi refinado em fornalha:
2.19 Conheço as tuas obras, o teu amor, a tua fé, o teu serviço, a tua perseverança e as tuas últimas obras, mais numerosas do que as primeiras. Eu conheço o que vocês da igreja de Tiatira fazem e farão, vosso amor simples e autêntico, vossa convicção e obra de servo fiel, vossa constância, bem como as últimas obras de vocês – em muito maior quantidade[1] em relação ao início da comunidade contemporânea a João, e ao início do período de 538 até a Reforma Protestante. Eu conheço o que vocês da igreja de Tiatira fazem e farão, vosso amor simples e autêntico, vossa convicção e obra de servo fiel, vossa constância, bem como as últimas obras de vocês – em muito maior quantidade em relação ao início da comunidade contemporânea a João, e ao início do período de 538 até a Reforma Protestante.
2.20 Tenho, porém, contra ti o tolerares que essa mulher, Jezabel, que a si mesma se declara profetisa, não somente ensine, mas ainda seduza os meus servos a praticarem a prostituição e a comerem coisas sacrificadas aos ídolos. No entanto, discordo do fato de, tanto na atual Tiatira quanto no período da Tiatira profética, vocês não terem o poder dado a Elias para combater Jezabel. Vocês estão mais para o fraco e condescendente Acabe do que para o corajoso e zeloso Elias! O que Eu quero dizer é o seguinte: entre vocês existem os que paganizam[2] Meus ensinos, e ainda se intitulam Meus profetas/minhas profetisas. Pior, a ousadia é explícita, pois esses/essas influenciam Meus servos a misturarem tudo – Minhas revelações com as ideias e tradições humanas perversas – e se alimentam mal, comendo o que é consagrado aos demônios (cf. I Co 10.18-21). O papado pratica idolatria, muda Meus mandamentos como se Eu autorizasse isso! O sábado da Criação permanece separado por Mim; eu nunca pedi que o trocassem pelo domingo! Mas esses falsos seguidores do Cristo tentam usurpar Minha autoridade de Criador, adulteram Meus ensinos e os que trabalham por Mim caem nas práticas desobedientes deles. O papado também trai o Cristianismo com sua politicagem corrupta com os reis da Terra, no lugar de oportunizar um estilo de vida honesto, sem avareza e santo! Eu não levantei esses falsos cristãos. Eles não Me representam e muito menos Me substituem! Seus serviços não mais são para Mim. Suas oferendas não são oferecidas a Mim. O que comem não é para sua saúde nem para Minha glória. No entanto, discordo do fato de, tanto na atual Tiatira quanto no período da Tiatira profética, vocês não terem o poder dado a Elias para combater Jezabel. Vocês estão mais para o fraco e condescendente Acabe do que para o corajoso e zeloso Elias! O que Eu quero dizer é o seguinte: entre vocês existem os que paganizam Meus ensinos, e ainda se intitulam Meus profetas/minhas profetisas. Pior, a ousadia é explícita, pois esses/essas influenciam Meus servos a misturarem tudo – Minhas revelações com as ideias e tradições humanas perversas – e se alimentam mal, comendo o que é consagrado aos demônios. O papado pratica idolatria, muda Meus mandamentos como se Eu autorizasse isso! O sábado da Criação permanece separado por Mim; eu nunca pedi que o trocassem pelo domingo! Mas esses falsos seguidores do Cristo tentam usurpar Minha autoridade de Criador, adulteram Meus ensinos e os que trabalham por Mim caem nas práticas desobedientes deles. O papado também trai o Cristianismo com sua politicagem corrupta com os reis da Terra, no lugar de oportunizar um estilo de vida honesto, sem avareza e santo! Eu não levantei esses falsos cristãos. Eles não Me representam e muito menos Me substituem! Seus serviços não mais são para Mim. Suas oferendas não são oferecidas a Mim. O que comem não é para sua saúde nem para Minha glória.
2.21 Dei-lhe tempo para que se arrependesse; ela, todavia, não quer arrepender-se da sua prostituição. Mas assim como a Jezabel do AT, Eu lhe dei chances reais de aprendizagens e mudança de visão, das ideias humanas para as ideias do Fabricante da humanidade; ela não Me escutou, nem a Elias. O mesmo tem ocorrido e acontecerá com aqueles que são bem representados por ela: são teimosos e não permitem que Eu lhes transforme da corrupção para a harmonia com os Mandamentos e caráter do Cristo. Mas assim como a Jezabel do AT, Eu lhe dei chances reais de aprendizagens e mudança de visão, das ideias humanas para as ideias do Fabricante da humanidade; ela não Me escutou, nem a Elias. O mesmo tem ocorrido e acontecerá com os que a representam: são teimosos e não permitem que Eu lhes transforme da corrupção para a harmonia com os Mandamentos e caráter do Cristo.
2.22 Eis que a prostro de cama, bem como em grande tribulação os que com ela adulteram, caso não se arrependam das obras que ela incita. Vou castigar esses falsos cristãos por meio de sua própria licenciosidade: sua corrupção com o mundo e os governantes que não Me temem os atormentará, pois de seus amantes passarão a ser seus algozes; isso se continuarem não querendo aprender e transformar seu estilo de vida, e permanecerem na prática de tudo isso que falei[3]. Vou castigar esses falsos cristãos por meio de sua própria licenciosidade: sua corrupção com o mundo e os governantes que não Me temem os atormentará, pois de seus amantes passarão a ser seus algozes; isso se continuarem não querendo aprender e transformar seu estilo de vida, e permanecerem na prática de tudo isso que falei.
2.23 Matarei os seus filhos, e todas as igrejas conhecerão que eu sou aquele que sonda mentes e corações, e vos darei a cada um segundo as vossas obras. Quando Eu retornar matarei os descendentes ou continuadores dessa monstruosidade que fez sofrer a tantos filhos Meus, e após o juízo final os destruirei eternamente. Já os cristãos verdadeiros de todas as épocas presenciaram isso e confirmarão que, de fato, Eu sou capaz de conhecer um ser humano por completo, suas ações e intenções, seus contextos, motivos, planos, escolhas e condutas, e respeito isso concedendo o destino que cada um conscientemente optou e semeou ao longo de sua vida. Quando Eu retornar matarei os descendentes ou continuadores dessa deformidade, e após o juízo final os destruirei eternamente. Já os cristãos verdadeiros de todas as épocas presenciaram isso e confirmarão que, de fato, Eu sou capaz de conhecer um ser humano por completo, suas ações e intenções, seus contextos, motivos, planos, escolhas e condutas, e respeito isso concedendo o destino que cada um conscientemente optou e semeou ao longo de sua vida.
2.24 Digo, todavia, a vós outros, os demais de Tiatira, a tantos quantos não têm essa doutrina e que não conheceram, como eles dizem, as coisas profundas de Satanás: Outra carga não jogarei sobre vós; No entanto, Eu afirmo a vocês de Tiatira e aos do período de 538 a 1517 A.D.[4], todos os que optaram por não seguir essa doutrina sincretizadora dos Meus ensinamentos com as tradições dos homens, como vocês mesmos acertadamente denominaram, “as coisas profundas de Satanás”, ou seja, a domesticação do pecado e sua inserção na religião cristã por meio da quebra dos mandamentos morais, e a consequente diminuição de Minha autoridade como Deus Criador diante da maximização da autoridade papal e sua pedagogia humanista que reinterpreta relativistamente Minha revelação profética: esse fardo não receberá acréscimo[5], não deixarei que Satanás e sua semente dificultem mais a vida de vocês; No entanto, Eu afirmo a vocês de Tiatira e aos do período de 538 a 1517 A.D., todos os que optaram por não seguir essa doutrina sincretizadora dos Meus ensinamentos com as tradições dos homens, como vocês mesmos acertadamente denominaram, “as coisas profundas de Satanás”, ou seja, a domesticação do pecado e sua inserção na religião cristã por meio da quebra dos mandamentos morais, e a consequente diminuição de Minha autoridade como Deus Criador diante da maximização da autoridade papal e sua pedagogia humanista que reinterpreta relativistamente Minha revelação profética: esse fardo não receberá acréscimo, não deixarei que Satanás e sua semente dificultem mais a vida de vocês;
2.25 tão-somente conservai[6] o que tendes, até que eu venha. “Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia” (1 Co 10.12); “E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras” (Ap 22.11). “Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia”; “E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras”.
2.26 Ao vencedor, que guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei autoridade sobre as nações,[7] Quem continuar vencendo e obedecendo aos Meus ensinamentos, e praticando o mesmo estilo de vida que Eu vivi, receberá de Mim autoridade (Mt 28.18) para edificar (1 Co 13.10), Quem continuar vencendo e obedecendo aos Meus ensinamentos, e praticando o mesmo estilo de vida que Eu vivi, receberá de Mim autoridade para edificar,
2.27 e com cetro de ferro as regerá e as reduzirá a pedaços como se fossem objetos de barro; e para destruir, Comigo à frente (cf. Nm 24.17, Sl 2.8,9 e Ap 12.5), a semente de Satanás ou os pecadores que optaram por continuar na corrupção e crueldade de seus pecados; farei com que os vencedores virem o jogo e os vençam; e o mal deixará de existir, como um vaso quebrado e reduzido ao pó; e para destruir, Comigo à frente, a semente de Satanás ou os pecadores que optaram por continuar na corrupção e crueldade de seus pecados; farei com que os vencedores virem o jogo e os vençam; e o mal deixará de existir, como um vaso quebrado e reduzido ao pó;
2.28 assim como também eu recebi de meu Pai, dar-lhe-ei ainda a estrela da manhã[8]. e assim como Eu recebi de Meu Pai o que mais quis – Minhas criaturas livres e salvas de Satanás –, também darei ao que continuar vencendo o que ele mais almeja: o fim das trevas por meio da refulgente glória de Meu retorno ao planeta Terra. e assim como Eu recebi de Meu Pai o que mais quis – Minhas criaturas livres e salvas de Satanás –, também darei ao que continuar vencendo o que ele mais almeja: o fim das trevas por meio da refulgente glória de Meu retorno ao planeta Terra.
2.29 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Quem tem interesse em aprender de Mim, atenda ao Espírito Santo que está conduzindo as mentes de João (na recepção desta mensagem e sua escrita) e Meus outros mensageiros (na leitura e transmissão dela) para as sete igrejas. Quem tem interesse em aprender de Mim, atenda ao Espírito Santo que está conduzindo as mentes de João e Meus outros mensageiros para as sete igrejas.

 

Referências:

BATTISTONE, Joseph J. Lições da Escola Sabatina, 2º Trimestre de 1989, nº 374, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP.

BELVEDERE, Daniel. Seminário: As Revelações do Apocalipse. Edição do Professor, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP, 2ª ed., 1987.

CLARKE, Adam. Commentary on the New Testament, vol. 2, 1817. Disponível em: <https://archive.org/details/clarkescommentar00clar>. Acesso em: jan. 2017.

MAXWELL, C. Mervyn; GRELMANN, Hélio Luiz. Uma nova era segundo as profecias do Apocalipse. Casa Publicadora Brasileira, 2004.

MILLER, William. Evidence from Scripture and History of the Second Coming of Christ, 1843. Disponível em: <https://archive.org/details/WilliamMillerEvidenceFromScriptureAndHistoryOfTheSecondComingOf>. Acesso em: jan. 2017.

RAMOS, Samuel. As Revelações do Apocalipse, v. 1, 2006.

SILVA, Rodrigo Pereira. Comentário Gramático Histórico do Apocalipse – Anotações para acompanhamento de classes. Faculdade Adventista de Teologia, 2009. Disponível em: <http://www.adventistas.com/wp-content/uploads/2014/10/Comentario-Gramatico-Historico-do_Apocalipse-Rodrigo-P-Silva.pdf>. Acesso em: jan. 2017.

SMITH, Urias. As profecias de Daniel e Apocalipse, vol. 2. O livro de Apocalipse, 1979.

THIELE, Edwin R.; BERG, Henrique. Apocalipse – esboços de estudos, 1960. Disponível em: <http://www.iasdsapiranga.com.br/assets/esbo%C3%A7os-do-apocalipse.pdf>. Acesso em: fev. 2017.

WATSON, Richard. A Biblical and Theological Dictionary, 1833. Disponível em: <https://archive.org/details/biblicaltheologi00wats>. Acesso em: jan. 2017.

WHITE, Ellen G. O Grande Conflito, 2013. Disponível em: <http://centrowhite.org.br/files/ebooks/egw/O%20Grande%20Conflito.pdf>. Acesso em: fev. 2017.

[1] “Tiatira significa ‘perfume suave de labor’ ou ‘sacrifício de contrição’. Este nome descreve bem o estado da igreja de Jesus Cristo durante o longo período de triunfo e perseguição papal. Este tempo que foi de terrível tribulação sobre a igreja, como nunca houve (Mat. 24:21) melhorou a condição religiosa dos crentes. Daí o receberem por suas obras, caridade, serviço, fé e paciência, o elogio dAquele cujos olhos são como chama de fogo. As obras são de novo mencionadas como dignas de duplo elogio, visto que as últimas são melhores do que as primeiras. A condição dos membros melhorou, cresceram na graça e em todos estes elementos do cristianismo. Este progresso, nessas condições, foi elogiado pelo Senhor. Esta igreja é a única elogiada por progresso em coisas espirituais. Mas assim como na igreja de Pérgamo as circunstâncias desfavoráveis não eram desculpa para falsas doutrinas na igreja, nesta, a quantidade de trabalho, caridade, serviço, fé ou paciência não pode compensar igual pecado. É-lhes apresentado, pois, uma censura por tolerarem no seu meio um agente de Satanás” (SMITH, 1979, p. 39,40).

[2] “Jezabel, filha de um rei sidônio, adoradora de Baal, a qual introduziu a idolatria e corrupção religiosa em Israel, é aqui o símbolo da apostasia e corrupção religiosa aberta. A igreja se paganizara.” – SRA/EP, p. 36. “Como filha de um rei pagão e adoradora de Baal, ela proveu a motivação para a apostasia de Acabe (I Reis 16:31-33; 18:19; 21:25 e 26). Perseguiu os profetas de Deus e pessoas fiéis (I Reis 18:4 e 13; 19:1-3; 21:5-15). Jezabel era prostituta e feiticeira (II Reis 9:22). Devido a sua vida perversa, o desagrado de Deus incidiu sobre ela (II Reis 9:30-37)” (BELVEDERE, 1987, p. 36). “Jezabel é um nome figurado, alusivo à mulher de Acabe, que matou os profetas de Jeová, levou seu marido à idolatria e alimentou os profetas de Baal à sua própria mesa. Não se podia usar uma figura mais flagrante para representar as abominações papais (Ver 1 Reis 18, 19, 21). Vê-se, pela história, bem como por este versículo, que a Igreja de Cristo tolerava que alguns dos monges papais pregassem e ensinassem no meio dela” (MILLER, 1843, p. 139). “Como filha de um rei pagão e adoradora de Baal, ela proveu a motivação para a apostasia de Acabe (I Reis 16:31-33; 18:19; 21:25 e 26). Perseguiu os profetas de Deus e pessoas fiéis (I Reis 18:4 e 13; 19:1-3; 21:5-15). Jezabel era prostituta e feiticeira (II Reis 9:22). Devido a sua vida perversa, o desagrado de Deus incidiu sobre ela (II Reis 9:30-37). Que organização possuía as características de Jezabel durante a Idade Média? O papado medieval praticou a idolatria. A veneração do papa, de imagens e relíquias, do domingo em lugar do verdadeiro sábado, de sacerdotes terrestres como mediadores em lugar de Cristo, e dos elementos na missa – tudo isso constituía idolatria. A imoralidade espiritual provinha da aceitação de ensinos e práticas procedentes de religiões pagãs” (BATISTONE, 1989, p. 38).

[3] “Jezabel, que se diz profetisa, ensinou a igreja a se prostituir com a idolatria. A Igreja de Roma ensina que:1. o papa é o mediador; 2. que se pode confiar nas próprias obras para expiação do pecado; 3. longas peregrinações; 4. atos de penitência; 5. adoração de relíquias; 6. construção de igrejas, de relicários e de altares; 7. pagamento de grandes somas à igreja; 8. generalizou-se a adoração de imagens; 9. acedem-se velas perante imagens e orações são feitas às imagens; 10. o erro da imortalidade natural do homem e consciência na morte; 11. adoração da Virgem Maria; 12. a heresia do tormento eterno; 13. doutrina das indulgências; 14. santificação do domingo; 15. a implantação do idolátrico sacrifício da Missa. ‘O meio dia do papado foi a meia noite do mundo’ (O grande Conflito, p. 60)” (RAMOS, 2006, p. 112).

[4] “’Aos restantes que estão em Tiatira’ é uma referência aos grupos de cristãos sinceros e leais ao cristianismo apostólico na Idade Média: os Valdenses, Albigenses, Lolardos, os Irmãos Unidos, a Igreja dos Irmãos na Boêmia e Morávia” (RAMOS, 2006, p. 126).

[5] “’Outra carga não jogarei sobre vós.’ – Cremos que é aqui prometido à igreja alívio da carga, a saber, que durante tanto tempo suportou o peso da opressão papal. Não pode aplicar-se à recepção de novas verdades, porque a verdade não é uma carga para nenhum ser responsável. Mas os dias de tribulação que haviam de vir sobre a igreja seriam abreviados por causa dos escolhidos (Mat. 24:22). ‘Serão ajudados’, diz o profeta, ‘com um pequeno socorro.’ (Dan. 11:34). ‘E a terra ajudou a mulher’, diz João (Apoc. 12:16)” (SMITH, 1979, p. 41).

[6] “A admoestação. – ‘Conservai o que tendes, até que eu venha.’ Estas palavras do Filho de Deus apresentam-nos uma vinda incondicional. As igrejas de Éfeso e Pérgamo eram ameaçadas com esta vinda sob condições: ‘Arrepende-te, pois, quando não, em breve virei a ti.’ Esta vinda implicava um castigo. Mas aqui se apresenta uma vinda de caráter diferente. Não é uma ameaça de castigo. Não depende de condição. É proposta ao crente como uma esperança, e não se pode referir a outro acontecimento senão à futura segunda vinda do Senhor em glória, em que cessarão as provações do cristão. Então seus esforços na carreira da vida e sua luta pela coroa de justiça serão recompensados com sucesso eterno. Esta igreja leva-nos ao tempo em que começam a cumprir-se os mais imediatos sinais da Sua vinda iminente. Em 1780, dezoito anos antes do fim deste período, realizaram-se os sinais preditos no Sol e na Lua. (Ver os comentários sobre Apoc. 6:12). E, referindo-Se a esses sinais, disse o Salvador: ‘Quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima.’ (Luc. 21:28). Na história desta igreja atingimos um ponto em que o fim se aproxima tanto que a atenção do povo podia chamar-se mais particularmente para esse acontecimento. Para todo o intervalo de tempo Cristo disse: ‘Negociai até que Eu venha.’ (Luc. 19:13). Mas, para agora diz: ‘Retende-o até que Eu venha.’” (SMITH, 1979, p. 42).

[7] “‘Autoridade sobre as nações’ – Neste mundo dominam os ímpios, e os servos de Cristo não são estimados. Mas está chegando o tempo em que a justiça terá a primazia, em que toda impiedade será vista à sua verdadeira luz e será plenamente desacreditada, e em que o cetro do poder estará nas mãos do povo de Deus. Esta promessa é esclarecida pelos seguintes fatos e afirmações bíblicas: As nações hão de ser entregues pelo Pai nas mãos de Cristo para serem esmigalhadas com uma vara de ferro e despedaçadas como um vaso de oleiro (Sal. 2:8, 9). Os santos associar-se-ão com Cristo quando Ele assim iniciar Sua obra de poder e juízo (Apoc. 3:21). Hão de reinar com Ele, nessas funções, por mil anos (Apoc. 20:4). Durante este período é determinado o grau do castigo dos ímpios e dos anjos maus (1 Cor. 6:2, 3). No fim dos mil anos terão a honra de participar com Cristo na execução da sentença escrita (Sal. 49:9)” (SMITH, 1979, p. 42).

[8] Possibilidades: (I) “’estrela da manhã’ – interpretada por alguns adventistas como sendo uma alusão à Reforma Protestante, especialmente Calvino. O SDABC, porém, aplica a expressão exclusivamente a Cristo (Apoc. 22:16; 2 Pedro 1:19). J. P. M. Sweet conecta este símbolo da estrela, bem como o outro do cetro, com a profecia de Balaão em Núm. 24:17, o que é bem razoável” (SILVA, 2009, p. 90). (II) “Refere-se a Cristo (Apoc. 22:16; comparar com II S. Ped. 1:19), mas às vezes também é aplicada a Wycliffe, ‘a estrela da manhã da Reforma’ (Ver Grande Conflito, pg. 78)” (BATISTONE, 1989, P. 39). (III) “Cristo diz, em Apoc. 22:16, que Ele próprio é a Estrela da Manhã. A estrela da manhã é a imediata precursora do dia. A aqui chamada Estrela da Manhã é chamada Estrela da Alva em 2 Pedro 1:19, onde está relacionada com o amanhecer: “Até que o dia clareie e a Estrela da Alva nasça em vossos corações Durante a penosa noite de vigília dos santos a palavra de Deus derrama a necessária luz sobre o seu caminho. Mas quando a Estrela da Alva lhes aparece nos corações, ou a Estrela da Manhã é dada aos vencedores, entrarão numa relação tão íntima com Cristo que os seus corações ficarão completamente iluminados pelo Seu Espírito, e eles andarão na Sua luz. Então não mais terão necessidade da firme palavra da profecia, que agora brilha como uma luz em lugar escuro” (SMITH, 1979, p. 42,43). (IV) “Neste mundo, os ímpios se mantêm no poder, e os servos de Cristo são, aparentemente, de nenhum valor. Virá, porém, o tempo em que a justiça estará em ascendência. 1. As nações serão entregues pelo Pai às mãos de Cristo, a fim de serem regidas com vara de ferro e despedaçadas como um vaso de oleiro (Salmos 2:8-9). 2. Associados a Cristo em sua obra de poder e de julgamento estarão os Seus santos (Apoc. 3:21). 3. Reinarão com Ele nesta função por mil anos (Apoc. 20:4). 4. Durante esse período é determinado o grau de castigo para os homens ímpios e anjos maus (I Cor. 6:2-3). 5. Ao final dos mil anos todos os santos partilharão com Cristo a execução da sentença dos ímpios (Salmos 149:9). A promessa final é que todos os santos receberão a “estrela da manhã,” esse é o próprio Jesus: “Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos testificar estas coisas nas igrejas: Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã” (Apoc. 22:16)” (RAMOS, 2006, p. 127,128).

Credo da sociedade anti-cosmovisão (pós-modernismo)

Cremos em Marx, Freud e Darwin.

Cremos que tudo está bem

Desde que você não prejudique ninguém,

Até onde você possa definir prejudicar

E até onde você possa definir conhecimento. Continue Reading…

Por que o darwinismo é falso (parte 3 de 3)

Biogeografia – Argumentos teológicos também são proeminentes no Origem das Espécies. Por exemplo, Darwin argumentou que a distribuição geográfica das coisas vivas não fazia sentido se as espécies tivessem sido criadas separadamente, mas faria sentido no contexto de sua teoria. Casos como “a presença de espécie peculiar de morcegos em ilhas oceânicas e a ausência de todos os demais mamíferos terrestres”, Darwin escreveu, “são fatos completamente inexplicáveis na teoria de atos independentes de criação.” Em particular: “Por que, pode ser perguntado, tem a suposta força criadora produzido morcegos e nenhum dos outros mamíferos nas ilhas remotas?” Segundo Darwin, “no meu ponto de vista, essa questão pode ser facilmente respondida, pois nenhum mamífero terrestre pode ser transportado por um espaço vasto de mar, mas os morcegos podem cruzar voando.”[34]  Continue Reading…

Por que o darwinismo é falso (parte 2 de 3)

Embriões – A teoria evolucionária precisa de melhor evidência que o registro possa fornecer. Coyne destaca corretamente: “Quando escreveu A Origem das Espécies, Darwin considerou a embriologia a evidência mais forte a favor da evolução.” Darwin tinha escrito que a evidência parecia mostrar que “os embriões das mais distintas espécies pertencentes à mesma classe são mais aproximadamente similares, mas se tornam, quando plenamente desenvolvidos, amplamente dissimilares”, um padrão que “revela a comunidade da descendência”. Na verdade, Darwin pensou que os embriões no estágio inicial “nos mostram, mais ou menos completamente, a condição do progenitor de todo o grupo no seu estado adulto”[15] Continue Reading…

Por que o darwinismo é falso (parte 1 de 3)

Jerry A. Coyne é professor no Departamento de Ecologia e Evolução na Universidade de Chicago. Em seu livro Why Evolution is True [Por que a Evolução é Verdadeira], ele resume assim o darwinismo – a teoria moderna da evolução: “A vida na Terra evoluiu gradualmente com uma espécie primitiva – talvez uma molécula autorreplicante – que viveu há mais de 3,5 bilhões de anos; e depois se ramificou ao longo do tempo, lançando muitas e novas espécies diversas; e o mecanismo para a maior parte da (mas não toda) mudança evolucionária é a seleção natural.”[1]  Continue Reading…

O que é a Teoria do Design Inteligente?

Esse método tem sido usado para detectar complexidade irredutível em diversos sistemas bioquímicos, tais como o flagelo bacteriano. Além disso, quanto mais descobrimos sobre a célula, mais estamos aprendendo que ela funciona como uma fábrica em miniatura, repleta de motores, usinas elétricas, trituradores de lixo, pontos de identificação, corredores de transporte e, mais importante de tudo, CPUs

Muitos têm perguntando: “Mas, afinal, o que é a TDI?” O Teoria do Design Inteligente (TDI) é uma teoria científica que emprega os métodos comumente usados por outras ciências históricas para concluir que muitas características do Universo e dos seres vivos são mais comumente explicadas por uma causa inteligente, não por um processo não guiado como a seleção natural. Os teóricos da TDI argumentam que o designpode ser inferido estudando-se as propriedades informacionais dos objetos naturais para determinar se eles portam o tipo de informação que, em nossa experiência, se originam de uma causa inteligente. A forma de informação que observamos é produzida por uma ação inteligente, e assim indica seguramente o design, que é geralmente verificado por características como a “complexidade especificada” ou a “informação complexa e especificada” (ICE). Um objeto ou evento é complexo se ele for improvável, e especificado se corresponder a algum padrão independente Continue Reading…

“Enigma da cebola” e a complexidade do genoma humano

Se o genoma humano é, realmente, desprovido de DNA lixo como é sugerido pelo projeto ENCODE, então, um processo evolucionário longo e não guiado não pode explicar o genoma humano. Se, por outro lado, os organismos são intencionalmente projetados, então todo o DNA, ou tanto quanto possível, deve exibir função. Se o ENCODE estiver certo, então a evolução está errada

Frequentemente, tem sido citado o “teste de cebola”, o qual demonstra que as células de cebola tem muitas vezes mais DNA do que as células humanas. E uma vez que a cebola é considerada relativamente simples em comparação com os humanos, os evolucionistas alegam que essa discrepância só pode ser reconhecida se a preponderância do seu DNA for, na verdade, lixo ou não funcional. O termo “teste de cebola” foi cunhado pela primeira vez em abril de 2007 pelo biólogo evolutivo canadense T. Ryan Gregory. em seu blog.[1] Daí em diante, outros evolucionistas, como o geneticista brasileiro Marcelo Nóbrega, têm reproduzido o mesmo questionamento retórico: “Se nosso genoma de três bilhões de letras reflete a dita complexidade orgânica, como então justificar o genoma da cebola, com 15 bilhões de letras? Será que é tão mais complicado colocar uma camada de cebola sobre a outra do que construir um cérebro humano?”[2] Continue Reading…

Motor da evolução ou mais design (super)inteligente?

Foi uma descoberta chocante, porque, antes dela, o dogma central da biologia molecular dizia que os genes estavam no DNA, eram expressos por algum tempo no código temporário do RNA e, então, eram traduzidos em proteínas, que executavam as tarefas no sistema. Assim, esperava-se que os humanos tivessem muito mais genes e muito mais proteínas do que um verme, por exemplo. Mas isso não ocorre

O trabalho do cientista australiano John Mattick tem contribuído para derrubar paradigmas tradicionais da genética. Segundo o professor da Universidade de Queensland, em Brisbane, a programação genética dos organismos multicelulares foi essencialmente mal compreendida durante os últimos 50 anos. O equívoco, conta, residia no pressuposto de que a maior parte da informação era codificada em proteínas por meio do RNA, cujo papel seria reduzido à transcrição desses dados. As pesquisas coordenadas por Mattick, no entanto, ligaram o RNA não-codificador de proteínas à evolução de organismos complexos, à diversidade biológica e à cognição, contribuindo para o desenvolvimento do campo da epigenética – o estudo da parcela de 99% do genoma que não codifica proteínas. […] Em entrevista concedida à Agência Fapesp, Mattick destacou que o RNA não-codificador de proteínas – até há pouco tempo conhecido como “DNA lixo” – tem um papel regulatório tão importante que pode ser comparado a um software que controla todo o sistema dos organismos complexos. Continue Reading…