Che Guevara e o “amor à vida”

Natasha divulga livro do guerrilheiro

         Natasha divulga livro do guerrilheiro

Saí [Rodrigo Constantino] para tomar um vinho. Só eu e minha esposa, em busca de sossego. Sem ficar ligado na internet, claro. Chego em casa e vejo que há várias mensagens de leitores alertando que a novela da Globo, “Amor à vida”, fez proselitismo barato, indicando livro sobre Che Guevara. Penso comigo: “Lá vou eu…” Dá uma preguiça… mas são ossos do ofício. Quer dizer, então, que Walcyr Carrasco colocou em uma de suas personagens a propaganda de um livro enaltecendo o assassino comunista? A tal da Natasha (foto), aquela ruiva bonita, indicou para Thales, o escritor, um livro ótimo para saber como o guerrilheiro pensava? Confirma, produção? Não vou entrar no mérito das distorções de valores dessa novela em especial. O autor parece ter uma queda pelo bizarro e grotesco. Gente que joga a própria sobrinha, ainda bebê, abandonada numa caçamba para morrer, depois se redime, aprende a ser “bonzinho”. Bicha má o tempo todo é pedir demais para o politicamente correto, não é mesmo? Há que ter redenção! Continue Reading…

A coragem contra a coletividade!

Repórter ferido em manifestação no RJ

      Repórter ferido em manifestação no RJ

“Mesmo o mais corajoso entre nós só raramente tem coragem para aquilo que ele realmente conhece”, observou Nietzsche. É o meu caso. Muitos pensamentos meus eu guardei em segredo. Por medo. Albert Camus, leitor de Nietzsche, acrescentou um detalhe acerca da hora em que a coragem chega: “Só tardiamente ganhamos a coragem de assumir aquilo que sabemos.” Tardiamente. Na velhice. Como estou velho, ganhei coragem.
Vou dizer aquilo sobre o que me calei: “O povo unido jamais será vencido”, é disso que eu tenho medo. Em tempos passados invocava-se o nome de Deus como fundamento da ordem política. Mas Deus foi exilado e o “povo” tomou o seu lugar: a democracia é o governo do povo… Não sei se foi bom negócio; o fato é que a vontade do povo, além de não ser confiável, é de uma imensa mediocridade. Basta ver os programas de TV que o povo prefere.

A Teologia da Libertação sacralizou o povo como instrumento de libertação histórica. Nada mais distante dos textos bíblicos. Na Bíblia, o povo e Deus andam sempre em direções opostas. Bastou que Moisés, líder, se distraísse [sic] na montanha para que o povo, na planície, se entregasse à adoração de um bezerro de ouro. Voltando das alturas, Moisés ficou tão furioso que quebrou as tábuas com os Dez Mandamentos.

E a história do profeta Oseias, homem apaixonado! Seu coração se derretia ao contemplar o rosto da mulher que amava! Mas ela tinha outras ideias. Amava a prostituição. Pulava de amante a amante enquanto o amor de Oseias pulava de perdão a perdão. Até que ela o abandonou… Passado muito tempo, Oseias perambulava solitário pelo mercado de escravos… E o que foi que viu? Viu sua amada sendo vendida como escrava. Oseias não teve dúvidas. Comprou-a e disse: “Agora você será minha para sempre…” Pois o profeta transformou a sua desdita amorosa numa parábola do amor de Deus.

Deus era o amante apaixonado. O povo era a prostituta. Ele amava a prostituta, mas sabia que ela não era confiável. O povo preferia os falsos profetas aos verdadeiros, porque os falsos profetas lhe contavam mentiras. As mentiras são doces; a verdade é amarga.

Os políticos romanos sabiam que o povo se enrola com pão e circo. No tempo dos romanos, o circo eram os cristãos sendo devorados pelos leões. E como o povo gostava de ver o sangue e ouvir os gritos! As coisas mudaram. Os cristãos, de comida para os leões, se transformaram em donos do circo.

O circo cristão era diferente: judeus, bruxas e hereges sendo queimados em praças públicas. As praças ficavam apinhadas com o povo em festa, se alegrando com o cheiro de churrasco e os gritos. Reinhold Niebuhr, teólogo moral protestante, no seu livro O Homem Moral e a Sociedade Imoral, observa que os indivíduos, isolados, têm consciência. São seres morais. Sentem-se “responsáveis” por aquilo que fazem. Mas, quando passam a pertencer a um grupo, a razão é silenciada pelas emoções coletivas.

Indivíduos que, isoladamente, são incapazes de fazer mal a uma borboleta, se incorporados a um grupo tornam-se capazes dos atos mais cruéis. Participam de linchamentos, são capazes de pôr fogo num índio adormecido e de jogar uma bomba no meio da torcida do time rival. Indivíduos são seres morais. Mas o povo não é moral. O povo é uma prostituta que se vende a preço baixo.

Seria maravilhoso se o povo agisse de forma racional, segundo a verdade e segundo os interesses da coletividade. É sobre esse pressuposto que se constrói o ideal da democracia.

Mas uma das características do povo é a facilidade com que ele é enganado. O povo é movido pelo poder das imagens, e não pelo poder da razão. Quem decide as eleições e a democracia são os produtores de imagens. Os votos, nas eleições, dizem quem é o artista que produz as imagens mais sedutoras. O povo não pensa. Somente os indivíduos pensam. Mas o povo detesta os indivíduos que se recusam a ser assimilados à coletividade. Uma coisa é o ideal democrático, que eu amo. Outra coisa são as práticas de engano pelas quais o povo é seduzido. O povo é a massa de manobra sobre a qual os espertos trabalham.

Nem Freud, nem Nietzsche e nem Jesus Cristo confiavam no povo. Jesus foi crucificado pelo voto popular, que elegeu Barrabás. Durante a revolução cultural, na China de Mao-Tse-Tung, o povo queimava violinos em nome da verdade proletária. Não sei que outras coisas o povo é capaz de queimar. [Infelizmente, eu sei…]

O nazismo era um movimento popular. O povo alemão amava o Führer.

O povo, unido, jamais será vencido!

Tenho vários gostos que não são populares. Alguns já me acusaram de gostos aristocráticos… Mas, que posso fazer? Gosto de Bach, de Brahms, de Fernando Pessoa, de Nietzsche, de Saramago, de silêncio; não gosto de churrasco, não gosto de rock, não gosto de música sertaneja, não gosto de futebol. Tenho medo de que, num eventual triunfo do gosto do povo, eu venha a ser obrigado a queimar os meus gostos e a engolir sapos e a brincar de “boca-de-forno”, à semelhança do que aconteceu na China.

De vez em quando, raramente, o povo fica bonito. Mas, para que esse acontecimento raro aconteça, é preciso que um poeta entoe uma canção e o povo escute: “Caminhando e cantando e seguindo a canção…” Isso é tarefa para os artistas e educadores. O povo que amo não é uma realidade, é uma esperança. [E o povo que eu amo não existe, porque, para ser esse povo, cada um de seus componentes teria que ter um novo coração – e parece que nem todos querem. Seria a “revolução” individual que se alastraria como reação em cadeia, transformando a sociedade, sem lutas, sem ódio, sem sangue – porque o sangue de Um já foi derramado para que isso pudesse ser realidade. Como essa utopia não será real aqui, o povo que eu amo somente existirá quando for o transformado e redimido povo de Deus. – Michelson Borges]

Fonte: Rubem Alves é psicanalista e escritor; Folha.com.

Parar de comer carne pode salvar a Amazônia?

epoca 23-04A revista Época desta semana [primeira de maio] fala de um movimento que cresce em todo o mundo. Para essas pessoas, os bifes das refeições diárias são a causa da destruição de vários ecossistemas naturais, como a Amazônia. É uma ideia incômoda, mas tem lógica. Afinal, 78% do desmatamento na Amazônia aconteceu para abrir espaço para os pastos, segundo o Instituto Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). O argumento é que, se o consumo de carne cair, também se reduz a pressão para expansão dos pastos sobre a floresta.

Parar de comer carne sempre foi a bandeira dos vegetarianos. Suas razões eram principalmente a saúde humana e os direitos dos animais. Hoje, o foco mudou. “Agora o meio ambiente pesa na decisão de não comer carne”, diz o biólogo Sérgio Greif, da Sociedade Vegetariana Brasileira. Um dos pioneiros nessa nova onda foi o pesquisador britânico Norman Myers, da Universidade de Oxford, um dos mais respeitados naturalistas do mundo. Na década de 80, criou o termo “Conexão Hambúrguer” para ligar o consumo de carne nas redes de fast-food dos Estados Unidos à destruição das florestas na América Central. Um dossiê inspirado no termo de Myers foi feito em 2003 pelo Centro para Pesquisa Florestal Internacional, desta vez sobre a Amazônia. De lá para cá, a causa só cresceu.

Um dos mais expoentes adeptos da campanha por menos carne e mais florestas é o biólogo americano Edward Wilson, da Universidade Harvard. Segundo ele, só será possível alimentar a população mundial no fim do século, estimada em 10 bilhões de pessoas, se todos forem vegetarianos. “O raciocínio é matemático”, diz Greif. Para ele, alimentar os bois com pasto ou grãos é o meio menos eficiente de gerar calorias. A produção de grãos de uma fazenda com 100 hectares pode alimentar 1.100 pessoas comendo soja, ou 2.500 com milho. Se a produção dessa área for usada para ração bovina ou pasto, a carne produzida alimentaria o equivalente a oito pessoas. A criação de frangos e porcos também afeta as florestas. Para alimentar esses animais, é necessário derrubar árvores para plantar soja e produzir ração. Mas, na relação custo-benefício entre espaço, recursos naturais e ganho calórico, o boi é o pior.

O gado tem sido considerado o grande vilão da Amazônia. Hoje, o Brasil mantém 195 milhões de bovinos. Há mais bois que pessoas. Cerca de 35% desse rebanho está na Amazônia. Para alimentar o gado, os pecuaristas desmataram uma área de 550 quilômetros quadrados, o equivalente ao Estado de Minas Gerais. Criados livres no campo, sem ração, os bois precisam todo ano de novas áreas derrubadas para a formação de pasto. …

A tendência é que os bois avancem mais sobre a floresta, para atender a uma demanda crescente de carne para exportação. Hoje, 10% dos bois abatidos na Amazônia abastecem o mercado internacional. O grande obstáculo é a ocorrência de febre aftosa no rebanho da região. O Ministério da Agricultura, os produtores e os pesquisadores acreditam que, com a erradicação da doença, o rebanho pode até duplicar para atender à demanda internacional.

Diante desse quadro, pregar a redução no consumo de carne faz sentido. Isso não quer dizer que funcione. Para o próprio coordenador do Greenpeace na Amazônia, Paulo Adário, a idéia de salvar a floresta pela campanha contra o consumo de carne é “problemática”. O primeiro obstáculo, para ele, é o gosto do brasileiro pelo churrasco. “Não somos um país culturalmente vegetariano”, diz Adário. “Essa redução é mais fácil em alguns países, em outros não.” O segundo obstáculo é convencer a parcela da população que acabou de comemorar sua ascensão social, com acesso à carne, a abrir mão do churrasco no fim de semana. Com a desvalorização do dólar e a estabilização da economia mundial, muitas pessoas começaram a comer seus primeiros bifes diários nos últimos dez anos. Essa mudança de hábito alimentar é mundial. Aconteceu no Nordeste brasileiro e até na China, abrindo um novo mercado para a carne. “Falar para essa população que agora ela não pode comer carne pelo bem da Amazônia é, no mínimo, cruel.”

[E o que se faz com os animais, não é cruel?]

Fonte: Revista Época via Michelson Borges.

Você pode ser extrovertido e introvertido ao mesmo tempo!

Até recentemente, as pessoas eram divididas em dois times: o dos extrovertidos e o dos introvertidos. Os termos foram cunhados por Carl Jung em 1921 com a publicação do livro Tipos Psicológicos. Segundo o psiquiatra, na extroversão, o indivíduo vai confiante em direção ao mundo externo, enquanto na introversão, o indivíduo busca o que há internamente.
Jung, inclusive, identificou um terceiro grupo, mas não chegou a nomeá-lo ou escrever muito sobre ele. Foi só na década de 40 que os psicólogos começaram a pensar nessa nova categoria, a dos “ambivertidos”.
Trata-se do grupo que não fica nos extremos, mas no meio do caminho. Por conta disso, os ambivertidos costumam ter personalidades mais equilibradas: eles vão de sociais a solitários, de falantes a ouvintes, sem problema algum. “É como se eles fossem bilíngues”, diz Daniel Pink, especialista no assunto. “Eles possuem uma grande variedade de habilidades e conseguem se conectar com vários tipos de pessoas do mesmo jeito que alguém que fala inglês e espanhol consegue se comunicar com um maior número de pessoas.”
Um estudo realizado em 2013 mostra que os ambivertidos podem usar essa flexibilidade social e emocional a seu favor. Os pesquisadores da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, reuniram 340 atendentes de telemarketing e pediram pra que eles fizessem um teste de personalidade. Após três meses, os responsáveis pelo estudo analisaram os resultados de vendas do grupo. Foi constatado que os participantes cujas personalidades ficavam entre a extroversão e introversão tiveram os melhores resultados no trabalho.
“Um ambivertido pode ir em duas direções, basta ele analisar a situação e ver qual comportamento será mais benéfico para ele naquele cenário”, diz Laurie Helgoe, do departamento de psicologia da Faculdade Davis & Elkins, nos Estados Unidos.
“Pense em introversão e extroversão como se fossem dois verbos. Dependendo da situação, você pode escolher a introversão (virar para dentro) ou a extroversão (virar em direção ao exterior)”, afirma a especialista Beth Buelow. Fica a dica.

Na boca do povo, os termos técnicos da matemática!

// C.2004 by CodeLifter.com
var nW,nH,oH,oW;
function zoomToggle(iWideSmall,iHighSmall,iWideLarge,iHighLarge,whichImage){
oW=whichImage.style.width;oH=whichImage.style.height;
if((oW==iWideLarge)||(oH==iHighLarge)){
nW=iWideSmall;nH=iHighSmall;}else{
nW=iWideLarge;nH=iHighLarge;}
whichImage.style.width=nW;whichImage.style.height=nH;
}


(O texto logo acima pode ser ampliado, é só clicar nele!)

Fonte: Revista Cálculo, edição 17.

Como ver um anão de 53 toneladas?!

// C.2004 by CodeLifter.com
var nW,nH,oH,oW;
function zoomToggle(iWideSmall,iHighSmall,iWideLarge,iHighLarge,whichImage){
oW=whichImage.style.width;oH=whichImage.style.height;
if((oW==iWideLarge)||(oH==iHighLarge)){
nW=iWideSmall;nH=iHighSmall;}else{
nW=iWideLarge;nH=iHighLarge;}
whichImage.style.width=nW;whichImage.style.height=nH;
}
Se achar necessário, clique na imagem para facilitar a leitura!

Fonte: Revista Cálculo, edição 17.