Tecido original de dinossauro presente em fósseis quebra a varinha mágica da Evolução!

Tecido original de dinossauro presente nos fósseis ósseos são provavelmente o achado mais controverso de toda a paleontologia. Os evolucionistas, limitados que estão pelo seu paradigma anti-Deus e anti-criação, têm grandes dificuldades em construir uma interpretação que sobreviva ao escrutínio científico.
Segundo se sabe, eles preferem debater se os tecidos são reais, tendo como base as medições levadas em laboratórios, ou se as taxas de decaimento dos tecidos são reais, tendo como fundamento o que se observa empiricamente no decaimento dos tecidos actuais,O último relatório em torno deste assunto caracterizou os bioquímicos originais de dinossauro encontrados dentro dos fósseis de ossos, e acrescenta mais evidências que confirmam que a autenticidade dos químicos. Muitos daqueles que estão familiarizados com o rápido decaimento dos tecidos (que ocorre à medida que os mesmos se oxidam e se transformam em pequenos químicos) insistiram que o que parecem ser vasos sanguíneos células de dinossauro são na verdade biomembranas bacterianas. Algumas bactérias podem produzir membranas viscosas como revestimentos protectores. Os autores escreveram na publicação científica Bone:
Foi proposto que . . os “vasos” e as “células” [de dinossauro] surgiram como resultado de infiltração biomembranosa, mas não há qualquer tipo de evidência que suporte esta hipótese.1
Mary Schweitzer (North Carolina State University) é a autora principal do estudo que usou uma vasta gama de técnicas para analisar as aparentes células dentro dos ossos de dinossauro.Um dos métodos consistia no uso de anticorpos, que são químicos que se encadeiam a alvos específicos. Ela e os seus co-autores apuraram que os anticorpos conhecidos por ligarem químicos que os vertebrados, não as bactérias, produzem claramente indicam que autênticas proteínas de vertebrados se encontravam presentes nos ossos de dinossauro.2 Portanto, não só não há qualquer dado que suporte a noção das biomembramas, como existem vários dados que claramente refutam esta ideia.3 Schweitzer e os seus colegas escreveram:
Neste estudo, apresentamos evidências morfológicas, microscópicas e químicas que demonstram que isto são remanescentes modificados de células originais.1
Portanto, o problema de se encontrar tecido macio dentro de fósseis de dinossauro, e dentro de outros fósseis, só é um problema e uma “controvérsia” para os cientistas que se recusam de forma teimosa a aceitar que estes ossos não têm “milhões de anos”. Se nós removermos do caminho essa crença religiosa sem qualquer tipo de apoio científico ou histórico, e simplesmente aceitarmos o que a ciência demonstra, rapidamente rejeitamos a noção de que os dinossauros viveram há “milhões de anos atrás” mas sim num período bem mais recente. Mas como já sabemos, a crença nos milhões é fundamental para o sistema de crenças secular (o mesmo que domina as ciências actuais) e como tal, por mais que as evidências apontem numa direcção, a esmagadora maioria dos cientistas vai continuar a imaginar cenários onde tecido macio de dinossauro pode sobreviver durante 65 milhões de anos.

Eles voluntariamente ignoram isto: que, pela Palavra de Deus, já desde a antiguidade existiram os céus e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste.

2 Pedro 3:5
Referências
  1. Schweitzer, M. H. et al. Molecular analyses of dinosaur osteocytes support the presence of endogenous molecules. Bone. Published online before print, October 16, 2012.
  2. Specifically, antibodies reacted with non-bacterial proteins Actin, Tubulin, PHEX, and Hostone H4.
  3. See also: Peake, T. Small Foot, Big Impression. Phys.org. Posted on Phys.org July 24, 2007, accessed October 26, 2012.
Fonte: Darwinismo.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: