O herói do relativismo moral desaprova o relativismo!

Em um mundo que se originou ao acaso, onde, no início, havia apenas matéria morta, e onde forças físicas juntaram esta matéria ao acaso de um modo tão particular que agora ela move-se ao redor de si mesma, os conceitos de “certo” e “errado” são ficções sem sentido.
É claro, deve haver uma forma objetiva de viver para esta coleção de moléculas que chamamos “humanos” que os possibilite viver mais ou  maximizarem seus sentimentos prazerosos, mas certamente não existe a obrigação de fazê-lo (viver mais tempo ou ter sentimentos de prazer não são coisas que devem ser feitas; elas são meras possibilidades). Obrigação requer um Doador Pessoal de Regras a quem estamos moralmente obrigados, que nos responsabilizará por essa obrigação. Sem obrigação, sem um padrão objetivo mais elevado para como as coisas deveriam ser, sem uma mente acima e perante nós, não há propriamente um “certo” e um “errado”. Há meramente coisas que você escolhe fazer ou não, de acordo com a sua preferência.
Nesse mundo, quem é você para julgar as preferências dos outros?
Se alguém começa com o materialismo ateísta, relativismo é a conclusão lógica. E ainda assim, constatamos que esse relativismo não corresponde com o que apreendemos ser verdade sobre aspectos morais da realidade. Do livro de Greg sobre relativismo:
“Dado um padrão particular de moralidade, a pessoa mais moral é aquela que pratica consistentemente a regra moral principal de um sistema específico… A qualidade do herói moral – aquele que vive o mais próximo do ideal – indica a qualidade moral do sistema.
Que tipo de campeão moral o relativismo individual produz? O que é o melhor que o relativismo tem a oferecer? Como chamamos aqueles que mais perfeitamente aplicam os princípios do relativismo, não se importando com as ideias dos outros de certo ou errado, aqueles que não são movidos pelas noções dos outros de padrões éticos e ao contrário, consistentemente segue a batida da sua própria bateria moral?
Em nossa sociedade, temos um nome para essas pessoas, elas são o pior pesadelo de um investigador de homicídios. A excelência relativista é o sociopata, alguém sem consciência. Isso é o que o relativismo produz.
Algo está terrivelmente errado com um alegado ponto de vista moral que produz um sociopata como sua estrela mais brilhante.”
Se não há nenhum vínculo moral mais elevado do que o indivíduo, então até mesmo o sociopata é moral. E colocar o padrão na sociedade ao invés de no indivíduo, não o tira dessa confusão. Se não há nenhum comprometimento moral mais elevado do que a sociedade, – se o padrão moral é a comunidade – então, até mesmo a Alemanha Nazista foi moral. Pelo menos, aqueles que concordaram com os nazistas eram morais. Qualquer alemão que os resistisse estava sendo imoral. E quem é você (ou qualquer outro país) para dizer que a Alemanha estava errada?
O Relativismo é uma confusão, não importa a maneira como você olha para ele. Qualquer visão de mundo que não tem a capacidade de explicar o que sabemos ser verdade – de que existem fatos morais objetivos, independentemente se um indivíduo ou uma sociedade inteira os rejeita – é devastadoramente deficiente.

Compartilhe via WhatsApp (ou outros meios):




Deixe uma resposta