Campo de força protegerá astronautas contra radiação

Design muito inteligente
                Design muito inteligente!

Enquanto a Nasa se prepara para testar um escudo magnético para proteger as naves contra o calor na reentrada na atmosfera, a ESA (Agência Espacial Europeia) trabalha em um conceito similar para proteger os astronautas contra a radiação espacial. Os esforços foram concentrados em um projeto chamado SR2S (Space Radiation Superconducting Shield – Escudo Supercondutor contra Radiação Espacial). As primeiras informações sobre o projeto foram divulgadas no ano passado por físicos do LHC, que se juntaram ao projeto para compartilhar sua larga experiência no uso dos ímãs supercondutores que deverão gerar o escudo antirradiação espacial. A equipe europeia anunciou a conclusão do projeto básico, afirmando que “agora têm o conhecimento e as ferramentas necessárias para desenvolver escudos magnéticos para proteger os astronautas da exposição à radiação causada pelos raios cósmicos galácticos”.

A escolha do supercondutor recaiu mesmo sobre o diboreto de magnésio (MgB2) para gerar o campo de força antirradiação, conforme anunciado inicialmente pela equipe do LHC. Os fios e cabos supercondutores serão dispostos de forma a gerar um campo que os engenheiros chamaram de “estrutura abóbora”, devido ao formato das linhas de força do escudo.
 
 
“Esta é uma configuração de escudo ativo que é crucialmente leve e, portanto, adequada para as missões de longa duração no espaço profundo. A estrutura funciona reduzindo o material atravessado pelas partículas incidentes, evitando assim a geração de partículas secundárias e, por decorrência, gerando um escudo mais eficiente”, diz o comunicado do projeto.
 
 
Esse “escudo abóbora” deverá gerar um campo magnético 3.000 vezes mais forte do que o campo magnético da Terra, suficiente para projetar um campo de força de 10 metros ao redor da nave, desviando os raios cósmicos incidentes e, desta forma, protegendo os astronautas em seu interior.
 
 
A grande restrição do projeto era o peso da estrutura geradora do campo de força, já que a adição de 1 kg à massa de uma espaçonave aumenta o custo da missão como um todo em U$15.000. Contudo, no espaço os ímãs supercondutores estarão em seu ambiente natural, dispensando os caros e pesados equipamentos de refrigeração necessários para mantê-los a quase -200º C – no frio do espaço, as naves estarão naturalmente em temperaturas próximas a essa.
 
 
“Ainda poderão ser necessários muitos anos até que essa tecnologia esteja pronta para ser implantada de forma ativa nas missões espaciais tripuladas ao espaço profundo, mas mais testes da tecnologia SR2S continuarão a ser realizados no curto e médio prazos”, concluiu a nota.
 
 
 
 
Nota: Muitos anos de pesquisa, muito dinheiro e muita inteligência foram necessários para criar esse escudo magnético protetor. Ninguém, em sã consciência, diria que um mecanismo dessa natureza pudesse surgir do nada. Mas o que dizer do campo magnético da Terra, do qual a vida sempre dependeu para sobreviver? Esse foi fruto do acaso? (Michelson Borges)

Hendrickson Rogers

Oi, como vai? Então, o "prof. H" é professor de Matemática há 17 anos, mestre em Ensino de Matemática no Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Federal de Alagoas, especialista em Educação Matemática e especialista em Educação a Distância. Meu nome de fato é Hendrickson Rogers e o que me define não está supracitado. Sou um guerreiro nas fileiras do Rei Jesus Cristo e minha maior motivação é Sua promessa de retorno, recriação e vida eterna sem pecado e dor! Tudo o que faço gira em torno de meu Criador e Seus ensinamentos. A família, a educação matemática e a ciência (e tudo o mais) são oportunidades de honrá-Lo e evidenciá-Lo, até que Ele mesmo prove Sua existência! Prazer! Seja muito bem vindo(a)! Vamos calibrar sua cosmovisão poderosamente =D

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: